TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

"Pandemia deve elevar tanto a fome como a obesidade entre brasileiros"

Ex-chefe da FAO, José Graziano se diz preocupado com queda na qualidade da alimentação de crianças fora da escola, bem como com fim do auxílio emergencial, que pode levar milhões a passarem fome e dependerem de caridade. Os efeitos da pandemia de covid-19 na alimentação dos brasileiros são múltiplos e incluem a fome, mas também o seu problema inverso, a obesidade. O fechamento das escolas, que tirou de muitas crianças sua refeição mais completa e balanceada do dia, e a permanência de milhões de pessoas em casa levaram ao aumento do consumo de alimentos processados e ultraprocessados.
A análise é de José Graziano da Silva, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) de 2012 a 2019 e ministro de Segurança Alimentar e Combate à Fome no início do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Em entrevista à DW Brasil, ele projeta um aumento da obesidade entre adultos e crianças no período pós-pandemia. A condição já atingia 20% dos brasileiros em 2019, contra 12% em 2006.
"A obesidade em crianças compromete as gerações futuras, [pois] crianças obesas têm maior probabilidade de desenvolver doenças crônicas não transmissíveis, como doenças cardíacas e diabetes”, afirma Graziano, hoje consultor do Instituto Comida do Amanhã.
Indagado sobre o problema da desnutrição, Graziano diz ser provável que o Brasil já tenha voltado ao Mapa da Fome, do qual saiu pela primeira vez em 2014, devido a uma combinação perversa de crise econômica prolongada com enfraquecimento de políticas públicas voltadas à segurança alimentar.
O Mapa da Fome reúne países nos quais mais de 5% da população consomem diariamente menos calorias do que o recomendado. Os últimos dados oficiais disponíveis sobre o Brasil são de 2018, quando 4,6% da população enfrentava insegurança alimentar grave. Graziano estima que essa parcela dos brasileiros hoje supere os 6%.
O fim do auxílio emergencial, em dezembro, sem a ampliação do Bolsa Família e a retomada do emprego preocupa o especialista, pois deve levar os brasileiros a reduzirem a qualidade de suas dietas, isso "se não passarem fome e começarem a depender de caridade", afirma.
DW Brasil: Há um debate entre pesquisadores sobre se o Brasil já voltou ou não ao Mapa da Fome. Qual é a sua análise e por que essa discussão é relevante?
José Graziano da Silva: Pelos dados do IBGE, o Brasil tinha, em 2018, 4,6% da população com insegurança alimentar grave. Para voltar ao Mapa da Fome, precisa ter pelo menos 5%, então tecnicamente em 2018 não tinha voltado ainda. Escrevi um artigo mostrando uma projeção linear e encontrei um número perto de 15 milhões de pessoas passando fome em 2020, o que significa 6,6% da população. Ou seja, se a tendência registrada pelo IBGE entre 2013 e 2018 continuou, em 2020 nós com certeza já voltamos ao Mapa da Fome.
Por que isso é relevante? Um país com menos de 5% da população com fome, pelas estatísticas internacionais, não é considerado relevante [devido ao] erro de estimativa, que pode reduzir bastante esse valor. Cinco por cento ou mais significa que a fome é um problema grave no país. Também é emblemático no caso do Brasil: levamos dez anos para sair do Mapa da Fome aplicando políticas de segurança alimentar, e voltamos a ele em pouco mais de quatro ou cinco anos.Qual é a responsabilidade da crise econômica e de falhas de políticas públicas para essa alta da fome?
O número das famílias ingerindo uma dieta de qualidade inferior ao mínimo necessário é [hoje] muito maior, e isso se deve à crise econômica prolongada. Desde a crise das commodities, em 2008-2010, o Brasil não conseguiu retomar o crescimento econômico satisfatório. Isso significa aumentar o desemprego e não gerar emprego de qualidade, só empregos precários, bicos, trabalho informal.
Soma-se a isso a irresponsabilidade do governo de desmontar as políticas públicas de segurança alimentar e nutricional e congelar as políticas de proteção social, como o Bolsa Família. O direito à alimentação é assegurado pela Constituição, portanto uma política de segurança alimentar e nutricional deveria ser uma política de Estado, independente dos governos.
O fechamento das escolas durante a pandemia e a suspensão do fornecimento de merenda teve impacto na fome ou na qualidade de alimentação das crianças?
Muitas crianças, principalmente nas regiões Nordeste e Norte, têm na merenda escolar sua única refeição diária. E é uma refeição de altíssima qualidade, porque tem produtos frescos (frutas, verduras, legumes, carne, ovos). O fechamento das escolas foi dramático. Infelizmente não temos esses números ainda para o Brasil, mas em outros países, como na Espanha, o impacto foi muito grande.
Houve ainda a piora da qualidade da alimentação das crianças em casa, que passaram a comer muito hambúrguer, pizza, produtos processados, doces, e isso levou a um aumento da obesidade. A obesidade em crianças compromete as gerações futuras, [pois] crianças obesas têm maior probabilidade de desenvolver doenças crônicas não transmissíveis, como doenças cardíacas e diabetes, entre outras.
A pesquisa Vigitel 2019, divulgada em maio, apontou que 20,3% dos brasileiros estavam obesos no ano passado, contra 11,8% em 2006. Que fatores provocam a alta da obesidade no país e qual é a consequência disso?
A alta da obesidade se explica pela má qualidade da alimentação. Estamos comendo muito sal, muito açúcar, gorduras saturadas, e não temos políticas preventivas. Só agora a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] aprovou a rotulagem frontal dos alimentos, uma medida básica para a informação do consumidor sobre os teores de açúcar, sódio e gorduras saturadas. Mesmo assim, a implantação foi postergada por dois anos.
Na saída da pandemia, a obesidade deverá ser maior que esses 20% de 2019. É difícil dar um número, mas a tendência é aumentar drasticamente pelo consumo de produtos ultraprocessados e processados durante a pandemia.
Qual foi o impacto do auxílio emergencial na fome e na alimentação dos brasileiros? E o que deve ocorrer em 2021, com o fim desse programa?
O auxílio emergencial chegou em momento crucial e evitou que a fome aumentasse rapidamente. Mas agora houve corte no auxílio [de 600 reais para 300 reais] e a possibilidade de extingui-lo até o final do ano. Se cortar o auxílio emergencial, milhões de brasileiros que foram beneficiados por ele terão que reduzir a qualidade de suas dietas, quando não passarem fome e dependerem de caridade.
Olhando a possibilidade de uma segunda onda [de covid-19], pela qual estão passando os países europeus, significa que a pandemia vai se estender por mais tempo. Se ao longo de 2021 não houver outra medida como o auxílio emergencial, podemos aumentar muito rapidamente o número de pessoas famintas.
O governo e o Congresso discutem criar um novo programa social para substituir o Bolsa Família, com valor maior e critérios diferentes de concessão. É necessário reformar o Bolsa Família?
Está na hora de aperfeiçoar o Bolsa Família, sim. Foi um programa iniciado no governo Lula a partir da fusão do Cartão Alimentação, do Bolsa Escola e outros programas de transferência de renda menores existentes na época. A partir daí, ele se aperfeiçoou muito, principalmente com o Cadastro Único, que foi aprimorado.
Em função da pandemia e do tempo que vai demorar a recuperar os níveis de emprego, temos que pensar em um programa de renda básica, tipo imposto de renda negativo. Aperfeiçoar o Cadastro Único, aumentar o valor da transferência do Bolsa Família e ampliar os critérios do benefício são [medidas] fundamentais para enfrentar a situação pós-pandemia.
Como o sr. avalia o panorama atual das políticas de segurança alimentar, como o Programa de Aquisição de Alimentos e o Programa Nacional de Alimentação Escolar?
As políticas de segurança alimentar e nutricional estão sendo desmontadas. O Programa de Aquisição de Alimentos [que compra alimentos da agricultura familiar e os distribui para pessoas em situação de insegurança alimentar e à rede pública de ensino] teve seu orçamento cortado e ficou à míngua neste ano. A projeção para o ano que vem no Orçamento é mínima, não dá para nada o dinheiro disponível.
Além disso, estão sucateando a Conab [Companhia Nacional de Abastecimento, empresa pública que, entre outras funções, estoca e distribui alimentos] para privatizá-la. A Conab é o braço operador do Programa de Aquisição de Alimentos, sem Conab não tem o programa, a menos que se repasse isso para os Estados.
O símbolo desse desmonte é o Consea [Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, extinto em 2019 pelo governo federal]. É importante reunir o setor privado e o setor social em torno da política de combate à fome, junto com o governo. Não são os governos que acabam com a fome, são as sociedades que decidem acabar com a fome. Precisa ter um lugar para organizar, combinar o jogo, e esse lugar era o Consea.
O Programa Mundial de Alimentos ganhou o Nobel da Paz neste ano. Na sua gestão como diretor-geral da FAO, como foi a relação com o programa?
A relação da FAO com o Programa Mundial de Alimentos melhorou muito, principalmente nos últimos anos com o David Beasley [atual diretor executivo do programa]. Viajamos juntos para vários países, como o Sudão do Sul, vendo o trabalho das nossas equipes. Quando a gente dá esse sinal desde cima, a colaboração entre as organizações melhora.
O Programa Mundial de Alimentos promoveu uma grande mudança nos últimos anos e se converteu em um dos grandes promotores da aquisição de alimentos da agricultura familiar. Ele hoje não vive só dos estoques excedentes de commodities americanos, ele compra muito produto localmente e principalmente da agricultura familiar, e comprou do Brasil durante anos.
Bruno Lupion/Caminho Político
@caminhopolitico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos