SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

"Reforma tributária não pode aumentar impostos nem prejudicar MT, diz Fávaro "

O senador e candidato à reeleição Carlos Fávaro (PSD-MT) defende a reforma tributária, desde que não gere aumento de impostos, não prejudique Mato Grosso e garanta um sistema mais justo, que não pese tanto sobre quem pode menos. A reforma em discussão no Congresso prevê a unificação de diversos tributos e a simplificação do sistema.
Fávaro afirma que é contra a volta da CPMF ou a criação de qualquer novo imposto parecido. “Nós sabemos que neste momento será difícil reduzir a carga tributária, mas não podemos permitir aumento. E só por simplificar já seria um ganho, pois hoje existe um emaranhado tributário tão grande no país que desestimula o empreendedorismo. As empresas precisam manter estruturas robustas apenas para processar e pagar seus impostos”, avalia o senador.
Quanto à questão da competitividade de Mato Grosso, Fávaro mostra preocupação com a garantia de que o Estado continue tendo autonomia para definir políticas da atração de novos investimentos “Nosso futuro depende da industrialização da nossa produção, para termos mais emprego e mais renda. Mas para isso, nós dependemos de mercados externos. Enquanto as ferrovias e hidrovias não chegam, o custo do transporte é um obstáculo para a atração de novos investimentos, então precisamos garantir que estados como Mato Grosso continuem tendo alguma autonomia na questão tributária, para compensar outros custos e melhorar nossa competitividade”, explica.
O senador alerta ainda para a importância de combater a sonegação e taxar o capital especulativo, pois “quando todos pagam, todos pagam menos”, de acordo com ele. “É essencial combater a sonegação, para que no futuro seja viável baixar a carga tributária. E mesmo nesta reforma, já é possível pensar em mecanismos que aliviem o peso de tributação sobre os mais humildes. Eu defendo o aumento da taxação do capital especulativo, por exemplo. Não podemos ser um país de agiotas que fazem fortuna nas costas dos trabalhadores”, afirma.
Assessoria/Caminho Político
Caminho Politico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos