SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

sábado, 7 de novembro de 2020

Deputado Dr. Leonardo vota para derrubar veto e comemora prorrogação da desoneração da folha de pagamento

A desoneração da folha de pagamento para empresas de 17 setores da economia do Brasil é de fundamental importância para a retomada da economia no pós-pandemia de Covid-19. Essa é a avaliação do deputado federal Dr. Leonardo (Solidariedade-MT), que votou a favor da derrubada do veto do presidente Jair Bolsonaro à prorrogação, até 2021, dessa medida de incentivo a geração de emprego. A prorrogação foi incluída durante a análise no Congresso de uma medida provisória que instituiu um programa emergencial de manutenção de emprego.
A desoneração permite às empresas pagarem um imposto menor na contribuição previdenciária sobre a folha de salários, calculada de acordo com a remuneração dos empregados. “Acabar com a desoneração agora seria um golpe fatal contra essas empresas, que consequentemente precisariam demitir milhares de funcionários. As empresas desses setores empregam mais de 6 milhões de pessoas. Agora é hora de manter esses postos de serviço e impedir uma paralisia na retomada do aquecimento do mercado após a pandemia”, afirmou Dr. Leonardo.
As companhias e representantes dos segmentos argumentaram que o fim da desoneração, em um momento de crise econômica, geraria demissões, enquanto a prorrogação vai preservar empregos. Os setores beneficiados estão entre os que mais empregam no País, como call center, comunicação, tecnologia da informação, transporte, construção civil e têxtil. A medida permite que empresas optem por contribuir para a Previdência Social com um percentual que varia de 1% a 4,5% sobre a receita bruta em vez de recolher 20% sobre a folha de pagamento.
Assessoria/Caminho Político
Fanpage - Facebook: Dr Leonardo
Instagram: Dr. Leonardo
Caminho Politico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos