SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

DIA NACIONAL: Pacientes com ostomia podem ter vida normal, afirma coloproctologista Mardem Machado

Dia Nacional dos Ostomizados, celebrado em 16 de novembro, chama a atenção contra o preconceito.
A ostomia é um procedimento cirúrgico que pode causar vergonha nos pacientes e fazer com que eles sofram alguma forma de preconceito. Diante disso, o coloproctologista Mardem Machado, de Cuiabá(MT), destaca que após o procedimento o paciente pode ter uma vida normal e não deve sofrer qualquer forma de exclusão devido à colostomia ou ileostomia. Essa forma de procedimento constrói um caminho entre um órgão ao meio externo e é realizada em pacientes que apresentam quadros de perfurações no abdômen ou doenças no reto, intestino e bexiga.
A colostomia faz a comunicação do cólon com o exterior e a ileostomia faz uma ligação entre o intestino delgado com o exterior. Os procedimentos podem ser definitivos ou temporários, e são realizados para preservar a vida do paciente.
“Se temporária, o momento da reconstrução do trânsito intestinal será no momento adequado para que esse paciente não tenha mais riscos de vida. Nesse intervalo de tempo, se possível, a vida deve continuar normalmente, realizando suas atividades diárias de maneira firme, forte e sempre lutando por seus objetivos de vida”, explica Machado.
O médico diz que o paciente deve ser sempre bem orientado e adaptado para conviver com a nova situação. O indivíduo deve aprender a usar a bolsa de colostomia, esvaziá-la quando necessário, manter os cuidados e medidas de proteção da pele.
“Quando uma pessoa se depara com situações adversas, como a perda de qualquer órgão do corpo e da sua função, não deve ser motivo para estigmatizá-lo, criticá-lo ou excluí-lo do meio social e nem das suas atividades diárias. Muito pelo contrário, temos o dever de ajudar a reinserí-lo nas suas atividades diárias, no seu ambiente familiar, social e de trabalho”, comenta o médico.
De acordo com Mardem Machado, existem milhares de pessoas com ostomias no mundo, vivendo e lutando em busca de seus objetivos de vida. A perda de um órgão, como o reto, canal anal ou qualquer outra parte do corpo, não deve ser motivo para estigmatizar.
“O mais importante é manter o paciente bem, oferecendo-lhe apoio e amor para que ele possa manter sua vida normalmente, no seu ambiente familiar e profissional e que continue em busca da construção dos seus sonhos de vida”, completa o especialista, que atende pelo Mato Grosso Saúde na Clínica Vida, em Várzea Grande, e no IGPA, em Cuiabá.
Dia dos Ostomizados
Segundo a Associação Brasileira de Ostomizados, estima-se que, no Brasil, existem 400 mil pessoas ostomizadas. No dia 16 de novembro, lembra-se o Dia Nacional dos Ostomizados, data que visa a conscientização e objetivo de mobilizar a população brasileira para conhecer, respeitar e combater o preconceito a pessoa ostomizada. Ostoma, ostomia, estoma ou estomia são palavras que possuem o mesmo significado, derivado do grego em que “osto” é boca e “tomia” abertura.
Sandra Carvalho/Caminho Político
Caminho Politico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos