DIRETO DA VENEZUELA

DIRETO DA VENEZUELA
Tweets por ‎@infoenlaceweb INSTAGRAM @INFOENLACEWEB

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Endereço: Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

CORONAVÍRUS: Aposta do Brasil, vacina de Oxford ainda não tem aval da UE

Vice-diretor da agência de medicamentos do bloco diz que faltam dados e pedido de registro. No Brasil, Fiocruz aguardará aval da Anvisa para produzir o imunizante. A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) provavelmente não será capaz de conceder em janeiro o registro para a vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, afirmou o vice-diretor executivo do órgão, Noel Wathion.
"Eles ainda nem fizeram o pedido para nós", disse Wathion em entrevista ao jornal belga Nieuwsblad publicada nesta terça-feira (29/12).
Segundo ele, a agência responsável por aprovar medicamentos e vacinas do bloco europeu recebeu apenas algumas informações sobre a vacina.
"Não é o suficiente nem para garantir uma licença provisória", afirmou. "Precisamos de dados adicionais sobre a qualidade da vacina. E, depois disso, a empresa precisa solicitar o registro formalmente".
Isso, de acordo com Wathion, faz com que uma aprovação em janeiro seja "improvável".
Imunizante no Brasil
A vacina de Oxford/AstraZeneca é a principal aposta do governo brasileiro para imunizar a população do país, que já pagou para receber no primeiro semestre de 2021 o princípio ativo para 100 milhões de doses e transferir a tecnologia de produção para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
A previsão atual da Fiocruz é entregar ao Sistema Único de Saúde (SUS) o primeiro lote da vacina, com 1 milhão de doses, na semana de 8 de fevereiro. A partir da última semana de fevereiro, a entidade projeta entregar 3,5 milhões de doses semanais.
A disponibilização da vacina no Brasil depende ainda de aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A Fiocruz já submeteu a maior parte dos dados à agência e espera concluir o envio no início do próximo ano, com a expectativa de receber o aval do órgão no final de janeiro.
A lei 13.979, que regula o enfrentamento à pandemia no Brasil e entrou em vigor em fevereiro, estabelece que, caso a Anvisa não autorize o uso emergencial de uma vacina em 72 horas após o pedido, os gestores de saúde podem importar e usar imunizantes que já tenham sido aprovados pelas autoridades sanitárias da União Europeia, dos Estados Unidos, da China e do Japão.
Em 19 de dezembro, a Câmara aprovou mudanças na lei para autorizar também o aproveitamento de decisões tomadas por agências de outros cinco países: Canadá, Reino Unido, Coreia do Sul, Rússia e Argentina. O texto ainda precisa ser analisado pelo Senado.
Na semana passada, a AstraZenca afirmou que sua vacina deve ser efetiva também contra a nova cepa do coronavírus e que estava pesquisando o impacto da mutação.
A empresa já enviou um pacote de dados completo para pedir o registro da vacina à agência de medicamentos britânica, segundo o ministro de Saúde do Reino Unido, Matt Hancock.
BL/rts/cp
@CaminhoPolitico 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos