PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Irã toma navio da Coreia do Sul

Governo iraniano vem pressionando Seul pela liberação de US$ 7 bilhões congelados em bancos sul-coreanos após imposição de sanções pelos EUA. Teerã também anunciou que começou a enriquecer urânio a 20%. O navio-tanque Hankuk Chemi, de bandeira sul-coreana, foi tomado nesta segunda-feira (04/01) por integrantes da Guarda Revolucionária Iraniana. A embarcação transporta etanol e foi interceptada por lanchas no Estreito do Ormuz, enquanto navegava da Arábia Saudita para os Emirados Árabes Unidos.
O incidente ocorre em meio a pressões de Teerã para acessar fundos bloqueados em bancos sul-coreanos devido a sanções impostas pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
Também nesta segunda-feira, Teerã informou que começou a enriquecer urânio a 20%, violando o acordo nuclear de 2015 e colocando mais pressão para que o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, recoloque o seu país no pacto, que foi abandonado por Trump em 2018.
Companhias de rastreamento marítimo informaram que o Hankuk Chemi está parado em águas territoriais do Irã, na cidade portuária de Bandar Abbas. Teerã, por sua vez, alegou que o navio foi apreendido porque estaria poluindo as águas com óleo.
O Estreito de Ormuz liga o Golfo Pérsico ao Oceano Índico e é uma das rotas marítimas mais importantes do mundo, por onde passam quase um terço da exportação global de petróleo. É também uma região de incidentes frequentes. Em 2019, navios da Marinha do Reino Unido foram deslocados ao local depois que o Irã apreendeu um petroleiro de bandeira britânica.
A agência de notícias Tasnim, veículo semioficial do Irã, informou que a tripulação do navio, incluindo cidadãos da Coreia do Sul, Indonésia, Vietnã e Mianmar, estavam detidos em Bandar Abbas.
A Quinta Frota da Marinha dos Estados Unidos, baseada no Bahrein, declarou a autoridades que estava ciente do incidente e acompanhando a situação.
Fundos na Coreia do Sul
A apreensão do navio ocorre antes de uma esperada visita do vice-ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul a Teerã.
O governo iraniano tem exigido que bancos sul-coreanos liberem 7 bilhões de dólares (36,7 bilhões de reais) em fundos que pertencem ao país. Os recursos estão bloqueados devido a sanções impostas em 2018 por Trump, após os Estados Unidos terem se retirado do acordo nuclear de 2015.
O ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul afirmou, em comunicado, que "exige a liberação rápida" do navio. Ele não comentou a afirmação do Irã de que a embarcação teria provocado "poluição por óleo" nas águas da região.
Enriquecimento de urânio
A apreensão do navio também coincide com o anúncio do Irã de que começou a enriquecer urânio a 20% em sua instalação subterrânea de Fordo. Esse percentual de enriquecimento ainda não é suficiente para produzir uma bomba nuclear, que exige enriquecimento a 90%, mas viola o acordo nuclear de 2015.
Teerã começou a violar partes do acordo em 2019, em uma resposta escalonada à retirada dos Estados Unidos e à imposição de sanções por Trump. O governo iraniano afirma que pode suspender rapidamente suas violações ao acordo se as sanções aplicadas pelos Estados Unidos forem removidas.
"Nossas medidas são totalmente reversíveis a partir do cumprimento integral por todos [os países do acordo]", afirmou o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, no Twitter. Teerã afirma que seu programa nuclear tem fins pacíficos.
Biden, que assume a Casa Branca em 20 de janeiro, já afirmou que seu país voltará a participar do acordo "se o Irã retomar o cumprimento estrito" do pacto.
O anúncio do enriquecimento de urânio a 20% é também uma resposta ao assassinato de um dos principais cientistas do programa nuclear iraniano, em 27 de novembro, em um atentado atribuído por Teerã a Israel.
Nesta segunda-feira, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que a decisão do Irã de enriquecer urânio a 20% teria o objetivo de desenvolver uma bomba e que seu país "não permitirá que o Irã produza uma arma nuclear".
BL/reuters/ap/dpa/cp
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos