TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Senador defende continuação do auxílio emergencial

Wellington
Fagundes diz que, se preciso for, o país pode emitir papel moeda. O Congresso Nacional poderá votar na semana que vem, logo após o recesso parlamentar, uma proposta para prorrogação do auxílio emergencial. A expectativa é concreta, como informa o senador Wellington Fagundes (PL-MT). “Vários dos candidatos que hoje disputam a Presidência da Câmara dos Deputados e do Senado Federal já se mostraram favoráveis a essa continuação”, diz. Criado em abril de 2020, o auxílio emergencial proposto pelo governo federal era, inicialmente, de R$ 200, mas deputados e senadores elevaram o valor para R$ 600, repassados para desempregados, trabalhadores informais e outras categorias por três meses. Prorrogado por mais três meses, o valor foi reduzido para R$ 300 e deve ser mantido, pelo que se pode prever das discussões do Congresso.
Os candidatos à Presidência da Câmara, Baleia Rossi (MDB-SP) e Artur Lira (PP-AL) e à Presidência do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e Simone Tebet (MDB-MS), defendem a prorrogação do benefício.
Defensor da proposta, o senador Wellington Fagundes diz que a medida é fundamental para ajudar milhões de brasileiros que foram diretamente afetados pela pandemia. “Mesmo que seja preciso emitir papel moeda, o benefício deve continuar enquanto durar a crise pelo novo coronavírus”, defende.
Ele lembra que os casos de covid-19 voltaram a crescer e que as medidas de restrição de várias atividades econômicas devem se manter ou agravar, aprofundando a situação caótica da economia no país. “Muitas famílias estão sem emprego, sem renda. Esse auxílio, mesmo que seja menor, é fundamental para ajudar na sobrevivência desses brasileiros”, diz.
Outra alternativa em discussão pelos parlamentares é a utilização de recursos para investimentos em fundos públicos, ou os R$ 200 bilhões depositados em fundos infraconstitucionais, mas o Ministério da Fazenda se opõe.
“O que não podemos é deixar a população desamparada”, completa o senador do PL.
Da Assessoria/Caminho POlítico
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos