PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

CRECI-MT

quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

Venezuela, a crise que ninguém entendeu

A posse do novo parlamento chavista é a mais recente das incoerências políticas de um país cada vez mais absurdo. E marca o fim do Estado venezuelano, opina Johan Ramírez. Quanto mais penso na crise venezuelana, mais me convenço que não entendemos nada. Após a juramentação da Assembleia Nacional chavista, neste 5 de janeiro de 2021, como entender um país que tem dois presidentes, dois sistemas de Justiça, dois parlamentos e uma Assembleia Constituinte que há três anos alega estar elaborando uma nova Carta Magna, sem, no entanto, ter conseguido formular até agora sequer um artigo?
Como explicar que nesta terça-feira, assim que o fraudulento parlamento chavista iniciou sua legislatura, podemos ter como certo que desapareceu o Estado venezuelano? Pois o Estado são as instituições que o compõem e lhe dão vida no âmbito da legalidade. E ele sucumbiu, neste 5 de janeiro.
O chavismo concluiu sua obra: após 20 anos, desmontou todas as estruturas que poderiam ameaçar a continuidade de um sistema que se destaca como (tomara!) último totalitarismo da América Latina. Porém ter chegado a esse nefasto cenário não é apenas culpa de chavistas e oposicionistas. A bem da verdade, é cupa de todos, porque nenhum de nós entendeu esta crise.
O mundo testemunhou como Hugo Chávez foi instalando sua hegemonia desde 1999, ao assumir o primeiro mandato presidencial. Seus abusos de poder foram tolerados como excentricidades do Caribe, ele insultar seus inimigos foi celebrado como franqueza tropical.
Quando começaram as primeiras perseguições e quando se denunciaram violações à liberdade, tudo foi desculpado, por se tratar de um experimento social: o socialismo do século 21. A esquerda defendeu o chavismo por princípio reacionário, incapaz de condenar o fechamento de um simbólico canal de televisão em 2007.
Segundo o Colégio Nacional de Jornalistas da Venezuela, 2021 começa com 165 veículos fechados, entre emissoras de televisão e rádio e periódicos, sem contar os inumeráveis ataques à imprensa, ameaças a repórteres e encarceramentos de jornalistas.
O que começou como impropérios contra rivais hoje se traduz em 350 presos políticos (por vezes a lista beirou os mil) e uma arrepiante série de denúncias de tortura que faz empalidecer o relatório das Nações Unidas.
Todos riram quando Chávez ameaçou o presidente americano George W. Bush na Assembleia Geral da ONU, em 2006. Episódios como esse ensinaram ao chavismo que, em todas as instituições e em todos os contextos, ele podia zombar da comunidade internacional.
A juramentação da Assembleia Nacional neste 5 de janeiro é a confirmação daquela lição aprendida: pouco importam as sanções de Washington e as esquálidas declarações de Bruxelas, hoje o presidente Nicolás Maduro segue debochando do mundo.
A oposição, claro, tampouco entendeu. Desde o princípio acreditou que boicotar eleições poria em dúvida a legitimidade do oficialismo, sem compreender a tempo que isso deixava via livre para que utilizassem a democracia a seu bel-prazer, valendo-se de mecanismos constitucionais para se apoderar de todas as instituições públicas e dominar todos os espaços de participação.
Porém tampouco os cidadãos entenderam. Pois acreditaram que uma intervenção militar era a solução definitiva. E se Luis Almagro, secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), tem razão em algo, é ao repetir que ditaduras caem por dentro. Tudo mais é intervencionismo, e já não estamos mais nos anos 60, 70 e 80, em que se enviavam marines para empossar ou derrubar presidentes.
A comunidade internacional tampouco entendeu, pois há anos vem crendo na panaceia da transição e apostou no peso da Casa Branca para derrotar Nicolás Maduro. Então deixou-se de contar com a pressão interna, e as ruas se esvaziaram, pois as fanfarronices de Donald Trump pareciam suficientes.
Concluindo, se hoje desaparece o Estado venezuelano, a culpa é de todos, pois no fundo todos acreditamos que se podia derrotar uma ditadura do século 21 com ferramentas políticas do século 20. Estávamos equivocados. A sobrevivência sólida, hegemônica e totalitária do chavismo sem Chávez é a prova irrefutável de que nunca entendemos nada.
Johan Ramírez é jornalista da DW. O texto reflete a opinião pessoal do autor, não necessariamente da DW.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos