TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

Casa de Amparo é referência no atendimento às mulheres vítimas de violência; primeira-dama reforça ações de fomento ao empoderamento

Referência no atendimento às mulheres vítimas de violência, a Casa de Amparo, ligada à Secretaria Municipal de Assistência Social, Direitos Humanos e da Pessoa com Deficiência da Prefeitura de Cuiabá, atua com 29 espaços em uma área de 608,46 m², e disponibiliza atendimento social, jurídico e psicológico para mulheres vítimas de violência.
A unidade, que tem capacidade para atender a 22 mulheres, possibilita o resgate da integridade física e psicológica. “Diariamente, a gestão Emanuel Pinheiro trabalha com a implementação de políticas públicas que possibilitem reverter esse ciclo em que as mulheres figuram como vítimas de violência doméstica”, destaca a primeira-dama de Cuiabá, Márcia Pinheiro. Ela relembra que a capital do Estado é uma das primeiras do país a implantar a Secretaria da Mulher, com a missão de fomentar e criar políticas que visam a emancipação social, familiar, política e econômica das mulheres.
Ela pondera que os esforços são diários, mas elenca que os números de atendimentos ainda permanecem altos. No ano de 2020, a unidade abrigou 80 mulheres e 66 crianças.
Acolhida, uma imigrante da Venezuela de 31 anos, conta que após cinco anos de muito sofrimento sua vida mudou e a Casa de Amparo é de fundamental valia no processo. Ela e dois filhos estão abrigados na unidade. Há pouco mais de duas semanas, uma vizinha ajudou a encerrar o ciclo de violência que lhe foi impostos por anos.
“Agradeço, primeiramente, a Deus e depois a essa colega de bairro. Talvez, se não fosse a atitude dela, não estaria aqui para dar esse depoimento e saber que tenho a chance de recomeçar”, declarou.
A intenção dela é retornar para Manaus, onde estão seus familiares.
Responsável técnica da Casa de Amparo, Fabiana Soares explica que em decorrência da pandemia do coronavírus, à unidade também adotou uma série de medidas de biossegurança. “Adotamos todas as precauções e medidas exigidas de higiene para o controle da doença. Sabemos que podem ser medidas simples, porém de fundamental importância nesse momento em que o prefeito Emanuel Pinheiro não está medindo esforços para manter a segurança e vida dos servidores que estão na linha de frente, como das acolhidas que estão na Casa”.
Pondera que a Casa de Amparo não funciona como porta aberta. Para receber o acolhimento, é necessário que a vítima acione as autoridades policiais. As abrigadas podem permanecer até 120 dias na instituição e ser acompanhadas de seus filhos até os 17 anos e 11 meses de idade.
Fabina explica que o atendimento inicial pode ser feito pelo número 180 (A Central de Atendimento à Mulher) ou 190 (serviço de emergência) para pedir ajuda. “Por meio desses canais, os servidores que estão capacitados para atender esse tipo de ocorrência, irá orientar a vítima ou quem registrar a denúncia sobre o que precisa ser feito. Quanto mais rápida a procura por ajuda, mais fácil para que a equipe preste os devidos socorros”, ressaltou Soares.
“Sempre estamos pensando nas pessoas em primeiro lugar. Mas é preciso ir além, demonstrando e oferendo todo suporte à essas mulheres e demonstrar que é possível recomeçar a vida com novos horizontes. Não podemos nos calar e achar que isso já é uma coisa normal. Violência contra a mulher é crime”, concluiu.
Assessoria/Caminho Político
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos