TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

domingo, 7 de fevereiro de 2021

LUTO:Morre George Shultz, secretário de Estado que ajudou a encerrar Guerra Fria

Político foi chefe da diplomacia americana durante o governo Ronald Reagan e é considerado um dos mais importantes formuladores de políticas. Ele tinha 100 anos. O americano George Shultz, que foi secretário de Estado do ex-presidente Ronald Reagan e arquiteto da diplomacia dos Estados Unidos no final da Guerra Fria, morreu aos 100 anos de idade.
A morte foi anunciada neste domingo (07/02) pelo centro de pesquisas em políticas públicas Hoover Institution, ligado à Universidade de Stanford e ao qual Schutz era filiado há décadas. "Um dos mais importantes formuladores de políticas de todos os tempos, tendo servido a três presidentes americanos, George P. Shultz morreu em 6 de fevereiro, aos 100 anos", escreveu a instituição americana em comunicado em seu site.
O político morreu no sábado em sua casa no campus da Universidade de Stanford, da qual também era professor emérito, mas a causa da morte não foi informada.
Condoleezza Rice, também ex-secretária de Estado e atual diretora da Hoover Institution, afirmou em comunicado que Shultz "será lembrado na história como um homem que tornou o mundo um lugar melhor".
Seus esforços como secretário de Estado de Reagan entre 1982 e 1989 ajudaram a levar ao fim a Guerra Fria, que durou quatro décadas. O período, iniciado após a Segunda Guerra Mundial, colocou os Estados Unidos e seus aliados contra a União Soviética e o bloco comunista e gerou temores de um conflito nuclear global.
Em artigo de opinião publicado em dezembro na ocasião do centésimo aniversário de Schultz, o jornal The Wall Street Journal afirmou que o americano ajudou a forjar a amizade entre Reagan e o então presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachev.
"Sua experiência na diplomacia permitiu um final pacífico à Guerra Fria", escreveu o ex-subsecretário de Defesa dos EUA Paul Wolfowitz.
Carreira
Com ampla experiência e múltiplos talentos, Shultz alcançou sucesso como estadista, mas também no mundo dos negócios e na academia.
Ele nasceu em Nova York em 13 de dezembro de 1920, cursou bacharelado em Artes e fez doutorado em Filosofia pela Universidade de Princeton, instituição pela qual se tornou bacharel em Economia em 1942.
Durante a Segunda Guerra Mundial, serviu no Corpo de Fuzileiros Navais e mais tarde teve uma carreira como professor universitário em várias instituições até 1969, quando foi nomeado secretário do Trabalho pelo presidente Richard Nixon (1969-1974).
Antes disso, já tinha flertado com a política, quando em 1955 serviu no Conselho de Assessores Econômicos do presidente Dwight D. Eisenhower (1953-1961). E o retorno à alta política veio no governo de Ronald Reagan (1981-1989), como secretário de Estado.
Em seus anos no comando da política externa dos EUA, Schultz teve de lidar com questões espinhosas como a Guerra das Malvinas, a guerra no Líbano, e as sempre delicadas relações dos EUA com a Europa.
Como secretário de Estado, além de negociar a redução de armamento com a União Soviética, ele também viveu a crise com o Panamá que terminou com a invasão ao país por parte do Exército dos EUA em dezembro de 1989, quando o mandato de Reagan estava perto do fim. O governo de Reagan ficou marcado pelo polêmico intervencionismo na América Latina.
ek (Efe, AP, Reuters, AFP)CP
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos