SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

domingo, 21 de fevereiro de 2021

"Os judeus fazem a cultura alemã brilhar", diz presidente da Alemanha

Frank-Walter Steinmeier participou de cerimônia em Colônia para celebrar os 1.700 anos de vida judaica na Alemanha. Ele disse que é "profundamente grato" que a comunidade tenha renascido no país mesmo após o Holocausto. "Seja na filosofia, na literatura, pintura e música, na ciência, medicina, nos negócios, os judeus ajudaram a escrever e moldar nossa história e fazer nossa cultura brilhar", disse o presidente federal da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, neste domingo (21/02) durante uma cerimônia na sinagoga de Colônia.
Steinmeier lembrou que o judaísmo deu uma contribuição decisiva para a entrada da Alemanha na era moderna, ao citar o filósofo Moses Mendelssohn (1729-1786), o pioneiro do "Iluminismo Judaico".
Séculos de exclusão e perseguição
Ao mesmo tempo, Steinmeier, que é o patrono do ano festivo "1700 anos de vida judaica na Alemanha", recordou os séculos de exclusão e perseguição contra os judeus na Alemanha e pediu que seja lançado um "olhar honesto" sobre a história judaica. "Esta é a única maneira de aprendermos lições para o presente e para o futuro. Essa é e continuará sendo nossa responsabilidade. A história dos judeus na Alemanha é de emancipação e prosperidade, mas também de humilhação, exclusão e privação de direitos".
Segundo Steinmeier, hoje a vida judaica na Alemanha é "diversa, multifacetada, viva e cheia de energia". Ele ainda disse que estava "profundamente grato" por isso ter sido possível mesmo após o assassinato de cerca de seis milhões de judeus europeus durante o Holocausto. Ele lembrou que a renascença judaica na Alemanha aconteceu graças à repatriação, à imigração de judeus da ex-União Soviética e aos jovens israelenses que vêm morar no país: "Que felicidade incomensurável para o nosso país!", disse.Ao mesmo tempo, Steinmeier advertiu sobre os riscos ainda enfrentados pelos judeus na Alemanha, como a persistência do antissemitismo, que passou a ser expressado de maneira mais visível por alguns setores da sociedade nos últimos anos e o ataque terrorista à sinagoga de Halle, em 2019, que foi perpetrado por um extremista de direita. Na vida cotidiana, muitos judeus ainda são confrontados com preconceitos, estereótipos e ignorância. É preciso enfrentar tudo isso, alertou o presidente federal. "A República Federal da Alemanha só pode se sentir bem quando os judeus se sentem completamente em casa aqui."
Alertas
Lembrando os recentes ataques a instituições judaicas e a persistência antissemitismo, o presidente do Conselho Central dos Judeus da Alemanha, Josef Schuster, destacou durante a cerimônia que é preciso olhar com atenção para a educação - principalmente nas escolas -, afirmando que a ignorância quase sempre leva ao preconceito. "Este fenômeno, com todas as suas terríveis consequências, corre como um fio vermelho pela história judaico-alemã." Ele também disse que é importante que os judeus não sejam mais vistos como estranhos, para que os preconceitos desapareçam.
O vice-presidente do Conselho Central e presidente da Comunidade da Sinagoga de Colônia, Abraham Lehrer, propôs a formação de uma fundação judaico-cristã. Já a prefeita de Colônia, Henriette Reker, pediu mais coexistência pacífica.
O governador da Renânia do Norte-Vestfália, onde fica Colônia, Armin Laschet, mencionou a "longa amizade" entre a Alemanha e Israel. O presidente israelense Reuven Rivlin disse, em mensagem de vídeo: "Embora não seja possível esquecer as tragédias do passado, enfatizamos nossa herança comum, a contribuição dos judeus alemães à sociedade alemã e a profunda amizade entre a Alemanha e o estado israelense".
A celebração deste domingo faz alusão a um édito do imperador romano Constantino publicado no ano 321 sobre medidas administrativas em Colônia, que à época se chamava Colonia Claudia Ara Agrippinensis. "Com uma lei geral, permitimos que todos os vereadores apontem judeus para o conselho", diz o documento. Acredita-se que essa seja a primeira evidência documental da vida judaica ao norte dos Alpes.
Por causa da pandemia, a abertura do ano do festival foi registrada com antecedência e ocorreu sem a presença de público. Em todo o país, cerca de 1000 eventos culturais sobre o judaísmo estão previstos nos próximos meses.
se/hf/jps (kna, afp, dpa, epd)cp
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos