SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

domingo, 14 de fevereiro de 2021

VITÓRIA DO JORNALISMO: Ameaça à liberdade de imprensa, direito ao esquecimento é derrubado no STF

O debate sobre o direito ao esquecimento no Brasil começou a ganhar corpo há 16 anos, com a exibição na TV Globo do caso Aída Curi, uma jovem de 18 anos estuprada e morta no ano de 1958, no Rio de Janeiro. Detalhes do crime foram reconstituídos no programa “Linha Direta”, o que provocou a manifestação da família da vítima, que além de pedir indenização por danos morais queria que a tragédia fosse apagada definitivamente da imprensa.
O pedido foi negado em instâncias inferiores da Justiça até chegar no Supremo Tribunal Federal (STF), onde o julgamento começou no dia 03 fevereiro deste ano e, nessa quinta (11), chegou ao fim pelo voto de 9 ministros contra 1, contrários à existência do direito ao esquecimento.
Com a grande repercussão que a decisão poderia ter no trabalho da imprensa, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) atuou como amicus curiae (amiga da corte) no caso e participou do debate sobre o tema.
O veredito tem repercussão geral - ou seja, vale para casos semelhantes em todo o Brasil, e a maior parte dos ministros entendeu que a questão poderia gerar censura prévia e colocava em risco liberdades garantidas pela Constituição.
Votaram contra o Recurso Extraordinário 1010606 os ministros Dias Toffoli, Kassio Nunes Marques, Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio, Gilmar Mendes e Luiz Fux. Luís Roberto Barroso se declarou impedido para analisar a questão. Edson Fachin divergiu da maioria e foi o único favorável à existência do direito ao esquecimento.
Impacto no jornalismo
Para a Abraji, o impacto de se criar no ordenamento jurídico o direito ao esquecimento poderia ser contra o jornalismo, sendo usado por agentes públicos e políticos para remover notícias negativas da internet.
Para amparar o argumento, a associação usou dados do projeto CTRL+X, que acompanha milhares de ações na Justiça para remover conteúdos on-line, especialmente em anos eleitorais.
A advogada Taís Gasparian, que representou a Abraji no caso, comemorou o resultado. "O STF mais uma vez demonstrou seu apoio à liberdade de expressão e de informação ao reconhecer que a Constituição Federal não acolhe o direito ao esquecimento. Como afirmou a ministra Cármen Lúcia, o esquecimento, no Brasil, soa como um desaforo jurídico", disse.
Para Katia Brembatti, diretora da Abraji, a decisão representa uma importante vitória para a liberdade de expressão e para o jornalismo, já que ficou “assegurado o direito de continuar registrando a história diária”. A jornalista ressalta que, com o entendimento do STF, reafirma-se o papel da imprensa em relembrar fatos do passado relevantes para entender o cotidiano.
Jornalistas parabenizam STF
No Twitter, a decisão recebeu apoio de jornalistas e estudiosos. Se manifestaram sobre o julgamento o diretor do Internet Lab, Chico Brito Cruz, o repórter de O Globo e historiador Raphael Kapa, a comentarista da Globo Míriam Leitão, a jornalista da GloboNews Luciana Savaget e outros. Confira:
"TWITTER: chico brito cruz @britocruz_ o rumo que esse julgamento está tomando é muito importante! criar via Supremo um "direito ao esquecimento" em um país que sequer sedimentou a discussão sobre o "direito à memória" gera muitas questões de liberdade de expressão mesmo.
"TWITTER: Migalhas @PortalMigalhas STF: Quatro ministros votam por não reconhecer direito ao esquecimento. https://s.migalhas.com.br/S/AE5626
"TWITTER:Cristina Tardáguila @ctardaguila Feb 11, 2021
Replying to @raphaelkapa Então o debate e o algoritmo.
raphaelkapa @raphaelkapa
E o jornalismo... um dos pontos que se defende na IFCN é a correção na mesma proporção. Sabemos que não é prática no jornalismo (e que bom que é na Lupa). Mas não é nas plataformas.
Daí, ocorrem injustiças. Se o direito ao esquecimento é uma solução, não sei. Eu não gosto...
"TWITTER: Míriam Leitão @miriamleitao 11 de fev
“A minha geração lutou pelo direito de lembrar” Ministra Cármen Lúcia no julgamento de hoje que derrubou o “direito ao esquecimento” .
"TWITTER: luciana savaget @lsavaget O Brasil é um país sem memória,imaginem se a lei passasse... O STF decidiu, por maioria de votos dos ministros, que não existe "direito ao esquecimento", nenhum cidadão tem direito a ter informações apagadas da mídia com o passar do tempo. #ArquivoN #Memoria
Redação/PI/Caminho Político
Foto:STF
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos