TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

sábado, 27 de março de 2021

Avançam negociações para ampliar produção e antecipar cronograma de vacinação no Brasil

Inclusão de parque industrial farmacêutico de imunizantes animal pode dar ao Brasil até 400 milhões de doses de vacina em 90 dias.
O senador Wellington Fagundes (PL-MT), relator da Comissão Temporária da Covid-19, reuniu-se nesta quinta-feira, 26, à noite, com a ministra Tereza Cristina, para alinhar estratégia visando ampliar a produção de até 400 milhões de vacinas contra a SARS Cov2 no Brasil. O objetivo é encurtar o calendário de imunização da população com a inclusão de três novos super laboratórios, que hoje produzem imunizantes para animais.
Após conhecer detalhes da proposta, a ministra manifestou entusiasmo e integral apoio a iniciativa, gestada a partir do diálogo do relator da CT Covid-19 com o segmento das indústrias farmacêuticas, através do Sindicato Nacional das Indústrias de Produtos para Saúde Animal (Sindam). Ela se comprometeu a encaminhar a discussão no âmbito do Governo e deve se encontrar nas próximas horas com o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.
Como depoimentos colhidos de técnicos, especialistas e donos de plantas industriais, Wellington Fagundes mostrou à ministra que o segmento tem capacidade de ampliar a produção de vacina em prazo de 90 dias. O setor reúne 28 laboratórios de produção de produtos animais, sendo três deles classificados na categoria NB3+, o mais elevado nível de biossegurança, exigido para produção de vacinas.
Entre os laboratórios disponíveis para produção de vacina para a Covid-19 está a Merck & Co. ou Merck Sharp & Dohme, empresa farmacêutica, química e de ciências biológicas global presente em 67 países. As outras duas plantas são da Ceva Brasil, que dispõe de quatro centros internacionais principais, com 19 centros regionais de produção pelo mundo, e a Ouro Fino, que exporta produtos para vários países.
“O que precisa é um entendimento do Brasil com seus organismos, seguindo os acordos internacionais já formulado” – frisou o parlamentar do PL. Ele ressaltou que o objetivo é ampliar a produção de vacinas inativada contra a Covid-19 a partir de semente de trabalho, como a Coronavac – hoje produzida pelo Instituto Butantã.
Na próxima segunda-feira, 29, a Comissão Temporária do Senado reúne representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Ministério da Saúde, Ministério da Agricultura e Ministério da Ciência e Tecnologia, além de representantes das indústrias que produzem imunizantes animais. Até lá, segundo Fagundes, a expectativa é de que se possa colocar em prática “uma concreta para o Brasil resolver de uma vez por todas essa situação que todos nós estamos vivemos, de angústia e sofrimento”.
Presidente da Academia Brasileira de Medicina Veterinária, Josélio Moura, também participou da reunião e reforçou a capacidade dos laboratórios integrarem o ‘esforço humanitário’ em favor da produção de vacina contra a Covid-19. Segundo ele, o agronegócio “pode, mais uma vez, ajudar a salvar o Brasil”. Moura frisou que as indústrias brasileiras “já tem a tecnologia, já tem um parque tecnológico apropriado” e pediu esforço de todos para a produção do imunizante contra a Covid-19: “A saúde pública não pode esperar”.
Assessoria/Caminho Político
Foto: Augusto César
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos