PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

CRECI-MT

sexta-feira, 12 de março de 2021

Câmara aprova PEC que viabiliza volta do auxílio emergencial

Maioria dos deputados vota a favor da PEC Emergencial, que autoriza o uso de até R$ 44 bilhões para o pagamento de nova rodada do benefício. Auxílio deverá ter mais quatro parcelas mensais, com valor médio de R$ 250. Após três dias de discussões, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (11/03), em segundo turno, a PEC Emergencial, que autoriza o uso de até R$ 44 bilhões para o pagamento da nova rodada do auxílio emergencial e cria regras para municípios, estados e governo federal congelarem gastos com o funcionalismo público em caso de emergência fiscal ou de calamidade pública.
Votaram a favor da PEC Emergencial 366 deputados, e 127, contra - eram necessários pelo menos 308 votos. O texto já havia sido aprovado pelo Senado e agora deve ser promulgado na semana que vem, o que, segundo o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) não deve permitir que o benefício chegue à população ainda neste mês.
A aprovação da proposta era uma exigência feita pelo governo federal para recriar o auxílio emergencial, extinto em dezembro de 2020. A nova rodada do benefício será financiada por aumento da dívida, fora do teto de gastos, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, exigia como contrapartida a criação de novas regras permanentes de controle fiscal.
A sanção da PEC por Bolsonaro deve ser acompanhada pelo anúncio da nova rodada do auxílio, a ser formalizada por meio de medida provisória, provavelmente na próxima semana. Na segunda-feira (08/03), Guedes afirmou que o benefício terá mais quatro parcelas mensais, com valor médio de R$ 250, e será restrito a um universo menor de pessoas.
Em 2020, o auxílio emergencial pagou R$ 600 por mês por pessoa de abril a agosto, sendo o dobro para mães chefes de família, e metade desse valor de setembro a dezembro. No seu auge, o programa chegou a 68 milhões de brasileiros, ou cerca de 40% das famílias do país. As nove parcelas do auxílio no ano passado consumiram R$ 295 bilhões.
A extensão do auxílio é necessária para reduzir o impacto da pandemia no aumento da miséria, em meio à alta no número diário de casos e mortes por covid-19 e da adoção de medidas restritivas à circulação de pessoas em diversos pontos do país. Projeções apontam que, em janeiro, de 21 milhões a 31 milhões de brasileiros estavam em situação de pobreza extrema, contra 5 milhões em agosto de 2020.
O texto aprovado pela Câmara nesta quinta estabelece dois cenários para que as medidas de controle fiscal sejam acionadas: emergência fiscal e estado de calamidade pública.
Emergência fiscal
No nível federal, o estado de emergência fiscal estará configurado sempre que as despesas obrigatórias, como pessoal e previdência, ultrapassarem 95% das despesas totais.
Se isso ocorrer, os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário em nível federal não poderão conceder reajustes salariais a servidores públicos, realizar concursos públicos, criar novos cargos e despesas obrigatórias e conceder novos benefícios e incentivos tributários, entre outras restrições.
O texto aprovado nesta quinta, porém, autoriza que servidores sejam beneficiados por progressão automática ou promoção, com o correspondente aumento de salário, durante a emergência fiscal. Esse item foi uma concessão incluída na PEC pelo governo após intensa pressão de policiais e militares.
Atualmente, as despesas obrigatórias do Executivo federal correspondem a 92,4% das despesas totais. O Tesouro Nacional estima que elas ultrapassem os 95% em 2024.
No caso de estados e municípios, o estado de emergência fiscal será facultativo e poderá ser decretado sempre que a despesa corrente for maior que 95% da receita corrente. A medida dependerá de iniciativa do governador ou do prefeito, e as restrições serão as mesmas aplicadas ao nível federal.
No momento, das 27 unidades da federação, apenas Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rio Grande do Norte estão acima esse limite.
Estados e municípios que ultrapassarem a marca dos 95% e não decretarem o estado de emergência fiscal perderão o direito de contar com garantia da União para realizar novos empréstimos e não poderão contrair, renegociar ou adiar o pagamento de dívidas já existentes com a União ou estados.
Calamidade pública
O estado de calamidade pública deve ser decretado pelo Congresso Nacional, mediante pedido do governo federal, em situações de crise generalizada, como desastres naturais ou pandemia.
Se isso ocorrer, o governo fica autorizado a adotar um regime orçamentário excepcional, parecido com o Orçamento de Guerra aprovado em 2020 para lidar com a pandemia da covid-19.
Sob esse regime, o governo será dispensado de cumprir a meta de resultado primário e poderá realizar gastos excepcionais para enfrentar a calamidade, como contratar pessoal de forma temporária, obras ou serviços. Em contrapartida, deve observar as mesmas restrições de controle de gastos com o funcionalismo da emergência fiscal.
Neste ano, o governo já afirmou que não tem interesse em decretar calamidade pública por causa da pandemia.
Outras mudanças
A versão do texto aprovada nesta quinta tem diversas alterações em relação à proposta inicial do governo, que reduziram o alcance das medidas de ajuste fiscal almejadas pelo Ministério da Economia.
Ficaram de fora, por exemplo, a proposta de acabar com o piso mínimo de gastos para saúde e educação, o corte de jornada e salário de servidores públicos em até 25% e a extinção de municípios pequenos sem capacidade de se sustentar financeiramente.
Também foi excluída da PEC a autorização para que o governo remanejasse recursos carimbados para órgãos, fundos ou despesas específicas para outras finalidades.
Bruno Lupion/Caminho político
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos