TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

sexta-feira, 26 de março de 2021

CORONAVÍRUS: Butantan desenvolve vacina 100% brasileira contra covid-19

Instituto ligado ao governo de SP vai solicitar autorização para início de testes clínicos da "Butanvac" nesta sexta-feira. Diretor afirma que espera ter 40 milhões de doses até o fim do ano. O Instituto Butantan desenvolveu uma candidata a vacina contra a covid-19 e anunciou que deve pedir nesta sexta-feira (26/03) autorização à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar ensaios clínicos em humanos. O novo imunizante foi batizado "Butanvac".
Em coletiva de imprensa, o diretor do Butantan, Dimas Covas, disse que os testes devem ser concluídos até o fim de 2021, e o instituto prevê disponibilizar 40 milhões de doses prontas da nova vacina antes da virada do ano.
A iniciativa ocorre no âmbito de um consórcio internacional liderado pelo Butantan e que conta com participação do Vietnã e da Tailândia. Se tudo ocorrer como previsto, o Butantan será responsável por produzir até 85% das doses do novo imunizante.
'TWITTER: Instituto Butantan - @butantanoficial -
O Butantan anuncia a criação da ButanVac, a 1ª vacina 100% brasileira contra Covid-19. A produção deve começar ainda este ano, na fábrica que hoje faz a vacina contra Influenza. A ButanVac será entregue ao Brasil ainda em 2021. Grande notícia. #Podeconfiar #VacinadoButantan
Maior produtor de vacinas do Brasil, o Butantan espera que a Anvisa conceda em breve a autorização para o início dos testes ainda em abril. Covas destacou que o desenvolvimento do imunizante começou há um ano. O instituto deve começar em maio a produção da vacina.
"Essa vacina será integralmente produzida aqui, nós não dependeremos de nenhum insumo, da importação de nenhum insumo, é uma tecnologia que já existe. Essa tecnologia é a mesma que é usada para a produção da vacina da gripe", destacou Covas.
A tecnologia da Butanvac, de acordo com o jornal Folha de S.Paulo, "utiliza o vírus inativado de uma gripe aviária, chamada doença de Newcastle, como vetor para transportar para o corpo do paciente a proteína S (de spike, espícula) integral do Sars-CoV-2". A proteína S é responsável pela ligação entre o novo coronavírus, causador da covid-19, e as células humanas, e, ao ser inserida sozinha no corpo, favorece uma resposta imune. Assim, a vacina utilizará a proteína da variante brasileira do vírus.
"Nós queremos que essa vacina chegue a países de renda baixa e média, porque é lá que nós precisamos combater a pandemia", disse Covas. "Temos que ter vacinas para esses países, porque é lá que nós vamos ter combater a epidemia para, globalmente, sermos bem sucedido", acrescentou.
Coronavac
O Butantan é responsável pelo envasamento local da Coronavac, de origem chinesa, a principal vacina contra covid-19 usada no Brasil no momento. O envasamento, que é a última etapa de produção, é feito a partir de matéria-prima importada da China.
A Coronavac foi alvo de ataques do presidente Jair Bolsonaro ao longo de2020, antes de o governo federal capitular e finalmente aceitar comprar a vacina. O instituto afirma que o desenvolvimento da Butanvac não altera o cronograma de vacinação com a Coronavac.
Segundo a Folha, a Butanvac já passou por testes pré-clínicos, realizados em animais, para detectar possíveis efeitos positivos ou adversos. Caso a Anvisa conceda o aval, a nova vacina passará então pelas fases 1 e 2 de testes, nas quais são verificadas a segurança e capacidade de resposta imune. Na fase 3, com uma gama mais ampla de participantes, será verificado o nível de eficácia do imunizante. A fase 1 já teve início na Tailândia.
Cerca de 1.800 voluntários devem participar das fases 1 e 2 de testes, enquanto a última etapa prevê a participação de até 9 mil voluntários.
Covas destacou ainda que a Butanvac é uma vacina de segunda geração, sendo, provavelmente, mais eficaz do que as já em uso.
"Um grande avanço da ciência brasileira a serviço da vida", afirmou o governador paulista, João Doria, à Folha.
De acordo com um levantamento do G1, além da Butanvac, pelo menos outras dez candidatas a vacinas contra a covid-19 estão sendo desenvolvidas por universidades públicas e institutos de pesquisa do país, entre eles a Fiocruz, USP e UFPR.
A imunização vem caminhando a passos lentos no Brasil. Até o momento, pouco mais de 14 milhões receberam ao menos uma dose no país, segundo levantamento do consórcio de veículos da imprensa brasileira. O número representa apenas 6,65% da população adulta.
jps/cn/lf (ots)cp
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos