PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sexta-feira, 5 de março de 2021

Indígenas processam rede francesa por desmatamento na Amazônia

Grupo Casino, que controla os supermercados Pão de Açúcar, é alvo de ação na França por compra de carne bovina proveniente de áreas desmatadas. Empresa nega acusações. Ambientalistas e grupos indígenas do Brasil e da Colômbia entraram nesta quarta-feira (03/03) com uma ação civil na França contra o grupo francês Casino. A rede de supermercados é acusada de comercializar carne proveniente de terras desmatadas na Amazônia.
Os autores da ação pedem uma indenização de 3,25 milhões de euros (quase R$ 22 milhões) por danos ambientais, além de 10 mil euros (cerca de R$ 67 mil) por danos morais a cada uma das 11 organizações afetadas.
O grupo exige ainda que a rede de supermercados implemente um maior controle na sua cadeia de abastecimento para garantir a identificação específica da origem da carne comercializada.
Inédita segundo os promotores, a ação foi apresentada em Saint-Étienne, sudeste da França, onde está localizada a sede do Grupo Casino, e é baseada numa lei francesa de 2017 que estabelece que empresas são responsáveis por prevenir violações de direitos humanos e ambientais em suas cadeias de abastecimento. A legislação prevê o pagamentos de indenizações por danos causados por omissões das empresas.
Cabe agora à Promotoria decidir se leva o caso adiante.
Empresa nega acusações
A ação alega que a Casino, que controla a marca Pão de Açúcar no Brasil e a Éxito na Colômbia, comprou regularmente carne de três frigoríficos brasileiros que adquirem gado de 592 produtores ligados ao desmatamento de pelo menos 50 mil hectares de floresta entre 2008 e 2020, o que corresponde a uma área cinco vezes maior que a da cidade de Paris.
"Como é possível que a Casino não seja capaz de rastrear a origem dos seus produtos no século 21, quando até já se conseguiu chegar à Marte?", questionou Boris Patentreger, da ONG francesa Envol Vert.
"A demanda por carne bovina da Casino e do Pão de Açúcar traz desmatamento, grilagem de terras e violência", afirmou Luis Eloy Terena, da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), em comunicado. Ele acrescentou que a atividade empresarial em terras indígenas "não leva em conta os direitos dos povos indígenas, nem o meio ambiente".
O grupo Casino negou as acusações e afirmou se guiar por "práticas de controle restrito sobre os fornecedores de carne bovina". A empresa disse ainda que, "através das suas filiais na América Latina, luta ativamente há anos contra o desmatamento associado à pecuária no Brasil e na Colômbia, levando em consideração a complexidade das cadeias de abastecimento".
O Brasil é o segundo maior mercado da Casino, depois da França. A América Latina foi responsável por quase metade dos 31,9 bilhões de euros em vendas registrados pelo grupo no ano passado.
Empresas sob pressão
Com a explosão do desmatamento registrada no governo de Jair Bolsonaro, empresas europeias estão sob pressão de legisladores e ativistas para garantir que suas cadeias de produção não contribuam com violações de direitos humanos e a devastação do meio ambiente.
Em meados de fevereiro, o banco BNP Paribas, o maior da França, prometeu parar de financiar empresas que produzem ou compram carne bovina ou soja cultivadas em terras desmatadas ou convertidas depois de 2008 na Amazônia.
A soja e a carne bovina são dois dos maiores motores do desmatamento no mundo. O crescimento populacional e uma expansão rápida da classe média em países como a China estimularam uma explosão na demanda por soja e um aumento do consumo de carne e laticínios.
Cientistas alertam que a Floresta Amazônica, que se entende por nove países, está se dirigindo para uma espiral mortal à medida que o desmatamento acelera. Segundo a ONG Amazon Conservation Association, uma área do tamanho de Israel foi derrubada na Amazônia só em 2020.
Já em relação ao Cerrado, que cobre 20% do território brasileiro, metade do bioma já foi desmatado, o que o torna um dos ecossistemas mais ameaçados do planeta, denunciaram quatro organizações ambientalistas em uma declaração conjunta.
cn/ek (Reuters, AP, Lusa)cp
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos