PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

CRECI-MT

sábado, 13 de março de 2021

Secretário de Bolsonaro faz analogia absurda entre Holocausto e combate à pandemia

Publicação no Twitter do secretario Especial de Cultura, Mário Frias, provoca repúdio do Museu do Holocausto. Não é a primeira vez que membros do governo Bolsonaro banalizam a memória das vítimas do nazismo. O secretário especial de Cultura do governo federal, Mário Frias, comparou na noite de quinta-feira (11/03) as medidas de combate à pandemia impostas por governadores e prefeitos ao Holocausto.
Em uma publicação no Twitter, o ex-ator Frias reproduziu um trecho do filme A Lista de Schindler (1993) que mostra trabalhadores judeus sendo assassinados por tropas nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.
Nas cenas, as vítimas aparecem argumentando que eram "trabalhadores essenciais", mas os carrascos nazistas ignoram os apelos. No fim do vídeo, aparece uma mensagem em português: "Por medo, estamos permitindo políticos decidirem quem é essencial e quem não é. Cuidado. Seu trabalho é essencial. Você é essencial."
"O setor de eventos clama para poder levar o pão para dentro de casa, para poder sustentar a própria família. Até quando um burocrata arrogante irá dizer que ele não é essencial?", completou Frias numa mensagem que acompanha o vídeo.
Dessa forma, o secretário tentou fazer uma falsa analogia entre a matança de milhões de judeus durante o período nazista e os decretos de governadores que estão limitando serviços não essenciais para tentar conter o avanço da pandemia de covid-19, que já deixou mais de 272 mil mortos no Brasil.
No momento, o governo Jair Bolsonaro e seus apoiadores têm protagonizado uma nova ofensiva nas redes e nas ruas contra decretos de isolamento social com o objetivo de manter lojas e serviços abertos, mesmo diante do colapso da rede de saúde em vários estados e recordes consecutivos de mortes diárias por covid-19 no país.
A publicação de mau gosto de Frias provocou uma reação de repúdio do Museu do Holocausto de Curitiba, principal entidade no Brasil de preservação da memória das vítimas da barbárie nazista. Para o museu, Frias prejudica "a construção da memória do Holocausto".
"'A Lista de Schindler', secretário? É desta forma que pretende se opor às medidas de combate à pandemia? Crê que a analogia com esta paródia agressiva não ofende sobreviventes e descendentes? Que não prejudica a construção da memória do Holocausto? Que vergonha, secretário", declarou a administração do museu em resposta à publicação de Frias.
"TWITTER: Museu do Holocausto - @MuseuHolocausto "A Lista de Schindler", secretário? É desta forma que pretende se opor às medidas de combate à pandemia? Crê que a analogia com esta paródia agressiva não ofende sobreviventes e descendentes? Que não prejudica a construção da memória do Holocausto?
Que vergonha, secretário. https://twitter.com/mfriasoficial/status/1370163560001765378
6:25 AM · Mar 12, 2021
O secretário de Cultura respondeu numa mensagem com um erro grosseiro de português. "Sem duvida é preciso discernimento para se analisar uma postagem. Todos que sofreram desse horror tem meu respeito e solidariedade. O trexo (sic) do filme retrata bem uma situação que estamos vivenciando, guardadas as devidas proporções. Fique com Deus e vá trabalhar", escreveu Frias. Ele posteriormente apagou a publicação quando o erro foi apontado por usuários do Twitter.
Em mensagens publicadas no fim da manhã desta sexta-feira, Frias ainda tentou justificar a publicação do vídeo. "Dizer que essa analogia é uma ofensa ao grande povo judeu, que já experimentou todo esse terror na pele, é apenas um expediente retórico que tenta inviabilizar a devida crítica as nefastas e abomináveis violações às liberdades individuais que estão em andamento."
Histórico de banalização e falsas analogias
Não é a primeira vez que membros do governo Jair Bolsonaro fazem falsas analogias com o Holocausto para promover uma agenda contra medidas de restrição à pandemia ou para reclamar de críticas ao governo.
Em abril de 2020, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, comparou a imposição de medidas de distanciamento social aos campos de concentração nazistas.
Mesmo assim, na semana passada, em viagem a Israel, Araújo reclamou da publicação de um manifesto de intelectuais, sindicalistas e religiosos que comparou a situação dramática da pandemia no Brasil e a falta de ações do governo federal a uma "câmara de gás a céu aberto". Ao lado de membros do governo israelense, o ministro disse que esse tipo de analogia "banaliza" o Holocausto. Os autores do manifesto acabaram retirando esse trecho do texto. Araújo, por rua vez, nunca pediu desculpas pela sua fala de abril passado.
Em maio do ano passado, o então ministro da Educação Abraham Weintraub também usou falsas comparações com o nazismo para reclamar de uma operação da Polícia Federal contra bolsonariatas acusados de propagar fake news e ameaçar ministros do Supremo Tribunal Federal. Na ocasião, Weintraub disse que as investigações contra os bolsonaristas eram uma "Noite dos Cristais brasileira", em referência à onda de violência patrocinada pelo regime nazista contra judeus alemães em 9 de novembro de 1938. A declaração de Weintraub também provocou repúdio de entidades judaicas e até do consulado de Israel em São Paulo.
Em outra ocasião, Weintraub disse falsamente em 2019 que os nazistas "inventaram a aspirina" numa publicação de mau gosto que sugeria que o educador Paulo Freire seria mais inútil que o nazismo. No entanto, a aspirina foi inventada décadas antes do nazismo e seu desenvolvimento contou com a participação de cientistas alemães de origem judaica.
Outros membros do governo, incluindo o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, também falaram falsamente em diversas oportunidades que o "nazismo é de esquerda", provocando reações de repúdio de historiadores e até da embaixada da Alemanha no Brasil e partidos políticos do país europeu.Em maio passado, um vídeo publicado pela antiga Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) para divulgar medidas adotadas pelo governo no combate à crise sanitária provocada pelo coronavírus também provocou repúdio de associações judaicas. A gravação mostrava a mensagem "O trabalho, a união e a verdade libertarão o Brasil", no que foi encarado como uma referência direita ao lema "O trabalho liberta" ("Arbeit macht frei", em alemão), inscrita na entrada de vários antigos campos de concentração nazistas.
A secretaria comandada por Frias também tem um histórico perturbador com assuntos envolvendo o nazismo. Um de seus antecessores, o dramaturgo de extrema direita Roberto Alvim, chegou a plagiar um discurso do ministro nazista da propaganda Joseph Goebbels em um vídeo publicado em janeiro do ano passado. A própria estética da gravação remetia ao nazismo, com a reprodução ao fundo do trecho de uma ópera de Richard Wagner, o compositor favorito de Adolf Hitler.
Diante do repúdio maciço, Alvim foi forçado a deixar o cargo. O posto foi posteriormente ocupado por um curto período atribulado pela atriz Regina Duarte. Frias, um ex-ator que ganhou destaque nos anos 1990 pela sua participação na novela adolescente Malhação, assumiu o cargo em junho.
Jean-Philip Struck/Caminho Político
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos