PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

CRECI-MT

terça-feira, 13 de abril de 2021

Caso Henry recoloca tortura de jornalistas do jornal O Dia na mídia

Preso sob acusação de matar o enteado Henry Borel, de 4 anos, no Rio de Janeiro, o vereador Dr. Jairinho foi investigado por suposta participação em uma sessão de torturas contra uma equipe de reportagem em 2008. Dr. Jairinho é herdeiro político do pai, Coronel Jairo (Solidariedade), ex-deputado estadual, que também foi apontado como um dos políticos envolvidos com os criminosos.
Naquele ano, profissionais do jornal O Dia foram passaram por uma sessão de tortura durante sete horas e meia, após serem descobertos por milicianos que atuam na região da favela do Batan, zona oeste do Rio. Disfarçados, uma repórter, um fotógrafo e um motorista do jornal haviam se mudado para o local para fazer uma série de reportagens sobre atuação da milícia na região. Em um texto publicado na revista piauí, em 2011, o fotógrafo Nilton Claudino relembrou que um vereador, filho de um deputado estadual, esteve presente na sessão de tortura.
“A repórter reconheceu a voz de um vereador, filho de um deputado estadual. E ele a reconheceu. Recomeçou a porradaria. Esse político me batia muito. Perguntava o que eu tinha ido fazer na Zona Oeste. Questionava se eu não amava meus filhos.”
Na época, a Polícia Civil do Rio chegou a investigar o deputado Coronel Jairo seguindo a denúncia de que um de seus assessores, de nome “Betão”, havia abordado a equipe de reportagem antes da apuração jornalística começar.
O inquérito policial não encontrou elementos suficientes para indiciá-lo. Jairinho, que naquela época já era vereador, não foi oficialmente investigado.
Os profissionais foram submetidos a socos, pontapés, roleta-russa, choques elétricos, sufocamento com saco plástico e tortura psicológica.
No texto publicado pela piauí, Claudino conta ter sido obrigado a deixar sua mulher e os dois filhos e a abdicar da residência no Rio, vivendo escondido até hoje.
“Retomar a vida é difícil. Faço tratamento psicológico e psiquiátrico, tomo uma dúzia de remédios. Quase não vejo meus filhos, que estão crescendo longe de mim. Tenho agora um neto que mal conheço. Não soube mais nada da repórter e do motorista, sumiram. Esqueci dos amigos. Preciso de fotos para me lembrar do rosto de quem gosto. Mas me lembro nitidamente dos que me torturaram”, escreveu Claudino.
Assessoria/PI/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos