DIRETO DA VENEZUELA

DIRETO DA VENEZUELA
Tweets por ‎@infoenlaceweb INSTAGRAM @INFOENLACEWEB

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Endereço: Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 20 de abril de 2021

CORONAVÍRUS: Anvisa autoriza uso emergencial de coquetel contra covid-19

Coquetel experimental é composto por anticorpos monoclonais. Medicamento é indicado para casos leves e moderados, de pacientes que não precisem de internação ou oxigênio suplementar. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta terça-feira (20/04) o uso emergencial de um coquetel experimental para o tratamento da covid-19, composto pelos anticorpos monoclonais casirivimabe e imdevimabe (Regn-CoV2).
Os dois medicamentos são experimentais, desenvolvidos pela farmacêutica suíça Roche, em parceria com a empresa de biotecnologia americana Regeneron. Eles não são recomendados para prevenir a doença e só poderão ser administrados em ambiente hospitalar, sob supervisão médica, determinou a Anvisa. Além disso, a comercialização ou venda em farmácias não será permitida.
O coquetel é indicado para quadros leves e moderados de covid-19, em pacientes a partir de 12 anos e com mais de 40 quilos, que tenham alto risco de progredir para formas graves da doença e que não necessitam de oxigênio de alto fluxo ou ventilação mecânica.
A aplicação é intravenosa (injeção) e deve ser administrada logo após a confirmação da doença, por meio de teste viral, até dez dias após o início dos sintomas.
A medicação é indicada especialmente para pacientes com mais de 65 anos, obesos, que tenham doença cardiovascular, hipertensão, doença pulmonar crônica, aids, diabetes, doenças respiratórias, doença renal crônica e doença hepática, entre outras comorbidades que favoreçam um quadro grave da covid-19.
A Anvisa alerta que, de acordo com dados do estudo clínico, os anticorpos não demonstraram benefício em pacientes internados com covid-19, podendo até estar associados a desfechos clínicos piores quando usados.
Como funciona
Anticorpos monoclonais são proteínas feitas em laboratório que imitam a capacidade do sistema imunológico de combater patógenos nocivos, como vírus. Monoclonal significa que os anticorpos usados ​​são todos iguais e atacam o vírus em um alvo claramente definido.
O casirivimabe e o imdevimabe são anticorpos monoclonais especificamente direcionados contra a proteína spike do Sars-CoV-2, projetados para bloquear a adesão e a entrada do vírus em células humanas. Assim, o vírus não consegue replicar seu material genético, e a doença é controlada.
Segundo o gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da Anvisa, Gustavo Silva Santos, os dois anticorpos monoclonais trabalham para neutralizar o vírus, fornecendo "anticorpos extras" para os pacientes.
"A ideia desse produto é que nesses pacientes se mimetize o que seria a resposta imune natural dos anticorpos produzidos em células e que essa produção extra-humana de anticorpos ajude a promover a ação imunológica", explica Santos.
No entanto, ele reforça que a medicação não deve ser usada em pacientes graves. "Esse produto não é recomendado para quem já está na situação grave da doença. Observa-se uma piora no desfecho clínico quando administrado em pacientes hospitalizados com covid-19 que necessitam de suplementação de oxigênio de alto fluxo ou ventilação mecânica", acrescentou.
Redução de internações
Segundo Santos, os resultados preliminares da pesquisa com pacientes ambulatoriais, desde o diagnóstico da doença até 29 dias após início do tratamento, mostraram uma redução de 70,4% na hospitalização ou morte relacionadas à covid-19.
O coquetel já havia sido aprovado para uso emergencial pela Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos. Ele foi usado no tratamento do ex-presidente americano Donald Trump, quando o republicano contraiu a doença no ano passado.
A Alemanha também comprou e anunciou que começaria a usar o coquetel em janeiro. "Eles funcionam como uma vacinação passiva. A administração desses anticorpos pode ajudar os pacientes de alto risco na fase inicial a prevenir um agravamento da doença", disse o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn.
De acordo com a Anvisa, a segurança e a eficácia dos anticorpos continuam sendo avaliadas por meio de estudos em andamento. Os possíveis efeitos colaterais incluem reação alérgica aguda, febre, calafrios, urticária, coceira e rubor.
Este é o segundo medicamento aprovado pela Anvisa com indicações de uso especificamente contra a covid-19. O primeiro foi o antiviral remdesivir, em março, que também só deve ser administrado em hospitais, em pacientes que não precisem de ventilação mecânica.
Para a aprovação do registro definitivo ainda são necessárias mais pesquisas e investigação clínica.
Segundo a Anvisa, não há estudos sobre a aplicação de vacinas contra a covid-19 em pacientes que foram submetidos ao novo medicamento. Por isso, a recomendação é de que o paciente aguarde 90 dias para tomar a vacina.
le/lf (Agência Brasil, ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos