PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 20 de abril de 2021

LIBERDADE DE IMPRENSA: RSF afirma que insultos à imprensa são marca de Bolsonaro

Crise sanitária reforça tendências repressivas mundo afora, aponta ranking da Repórteres Sem Fronteiras. No Brasil, Bolsonaro é citado como exemplo de propagador de notícias falsas em meio à disseminação do coronavírus. Maus tempos para jornalistas: "A pandemia do coronavírus reforça e solidifica tendências repressivas por todo o mundo", declarou o diretor-executivo da ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF), Christian Mihr, falando à DW. Em todos os continentes a situação se agravou, em maior ou menor grau, segundo demonstra o Ranking da Liberdade de Imprensa 2021.
Mihr indica exemplos de diversas regiões: o Egito proibiu a divulgação de estatísticas não oficiais de novos casos de covid-19; na Síria, o regime de Bashar al-Assad decretou uma proibição de noticiário sobre o tema pandemia, excetuada a agência de notícias estatal.
A desinformação também esteve em alta: o diretor cita como exemplo tanto o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump como os atuais mandatários no Brasil, Jair Bolsonaro, e na Venezuela, Nicolás Maduro, cujas notícias falsas foram por diversas vezes colocadas em questão pela imprensa. Nesse contexto, o jornalismo independente é "o único meio eficaz contra a pandemia de desinformação", aponta Mihr.
Brasil piora no ranking
O Brasil retrocedeu quatro posições, para a 111ª entre 180 países, e entrou na zona vermelha, classificada como de "situação difícil". "O contexto tóxico em que trabalham os profissionais da imprensa brasileira desde a chegada ao poder de Bolsonaro, em 2018, explica em grande parte essa degradação", afirma a ONG.
"Os insultos, a estigmatização e as humilhações públicas orquestradas contra os jornalistas se converteram em marca registrada do presidente Bolsonaro, sua família e seu círculo próximo", afirma a RSF.
Com o início da crise sanitária, os ataques se intensificaram para ocultar a desastrosa gestão da pandemia, e Bolsonaro obstinadamente propagou notícias falsas e ao mesmo tempo criticou as restrições para limitar a propagação do vírus, afirmou a ONG.
A RSF também criticou que tanto Bolsonaro como Maduro promoveram medicamentos de eficácia não comprovada, como a cloroquina, na pandemia de covid-19. "Afortunadamente, investigações como as da mídia brasileira Agência Pública ou os detalhados textos que publicam os últimos periódicos independentes venezuelanos estabeleceram a veracidade dos fatos".
Liberdade em declínio na Europa?
Os três campeões de liberdade de imprensa são países escandinavos: Noruega, Finlândia e Suécia, Por outro lado, a principal fronte de preocupação para a RSF na Europa, são os acontecimentos em Belarus, onde a repressão é "maciça e incomparável".
Apenas no fim de 2020, mais de 400 jornalistas foram detidos sumariamente, "e soubemos de diversos casos de maus tratos", relata Mihr. O país ocupa o 158º de 180 lugares em termos de liberdade de imprensa. A Rússia está apenas um pouco melhor, em 150º lugar.
A organização jornalística julga de forma igualmente severa o Reino Unido, devido ao processo contra Julian Assange, fundador da plataforma de revelações Wikileaks, dando-lhe a 33ª colocação. Para a mídia internacional, noticiar sobre o processo de extradição só foi possível em âmbito muito reduzido.
O fato de o país ter, mesmo assim, subido duas colocações no ranking, em relação ao ano anterior, só se deve a questões metodológicas, já que outros fatores também influenciaram a avaliação total. "E um lugar 33 para o berço da democracia não é uma boa colocação", frisa Mihr, e vai mais adiante: os britânicos violaram seus deveres enquanto Estado de direito, emitindo assim "um sinal devastador para a liberdade de imprensa em todo o mundo".
A queda da Alemanha, do 11º para o 13º lugar, não tem apenas motivos metodológicos. Da avaliação constou também o "índice de violência", relativo a agressões contra membros da imprensa. Registrou-se no país "um salto da violência contra profissionais da mídia": no primeiro ano da pandemia os ataques se quintuplicaram, de 13 para 65.
E a RSF conta com uma "cifra oculta", pois este é apenas o número dos casos que puderam ser verificados. A maior parte das agressões ocorreu durante manifestações contra as restrições no contexto da pandemia. Devido a esse fato, a Alemanha saiu da zona branca (boa) para a amarela (satisfatória).
Muitas sombras e alguns clarões na África
A África continua sendo o continente com a pior cotação em termos de liberdade de imprensa, com a Eritreia no fim da lista. De 48 países, 23 encontram-se nas zonas vermelha (difícil) ou negra (muito severa).
Porém também há desdobramentos satisfatórios: o Burundi subiu 13 lugares, ficando em 147º, depois que foram libertados diversos jornalistas encarcerados arbitrariamente por longo tempo. Também a Serra Leoa deu um salto positivo, da 85ª para a 75ª colocação, graças à anulação da lei punindo notícias falsas. No Mali, reduziu-se o número de ataques contra membros da imprensa, e o país em guerra civil subiu nove pontos, para o 99º lugar.
Apesar desses avanços locais, a África ainda é o lugar mais perigoso para os jornalistas, e a Europa, o mais seguro, onde se encontram nove dos 12 países classificados como "bons" pela Repórteres Sem Fronteiras. Os outros três são Costa Rica (5º), Jamaica (7º) e Nova Zelândia (8º).
Marcel Fürstenau, Alexandre Schossler/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos