TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19

TODOS JUNTOS CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

MPF em Cuiabá

MPF em Cuiabá
Av. Miguel Sutil, nº 1.120, Esquina Rua J. Márcio (R. Nestelaus Devuisky) Bairro Jardim Primavera

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

domingo, 4 de abril de 2021

Nunes Marques libera cultos e missas presenciais em meio à pandemia

Citando Páscoa e porcentagem de cristãos entre a população, ministro do STF atende a pedido de associação evangélica ligada a Damares Alves. Prefeito de Belo Horizonte critica decisão diz que vai manter proibição. Enquanto o Brasil enfrenta um aumento dramático de casos e mortes por covid-19, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Kassio Nunes Marques determinou no sábado (03/04) que os estados e os municípios não podem editar normas de combate à pandemia que proíbam a realização de celebrações religiosas presenciais, como cultos e missas.
A decisão ocorreu na véspera do domingo de Páscoa, uma das principais datas do calendário cristão, quando se celebra a ressurreição de Jesus Cristo. A ocasião foi mencionada por Nunes Marques. Ele destacou que mais de 80% dos brasileiros se declaram cristãos. "Estamos em plena Semana Santa, a qual, aos cristãos de um modo geral, representa um momento de singular importância", escreveu o ministro.
A decisão, porém, estabelece algumas limitações, como a limitação da presença de fiéis em templos (no máximo, 25% da capacidade); distanciamento social, com espaçamento entre assentos; uso obrigatório de máscaras; disponibilização de álcool em gel na entrada dos templos; e aferição de temperatura.
Pedido partiu de grupo evangélico
O ministro atendeu a um pedido de liminar (decisão provisória) feito pela Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure), uma entidade fundada pela atual da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves.
A entidade argumentava que o direito fundamental à liberdade religiosa estava sendo violado por diversos decretos estaduais e municipais que proibiram os cultos e missas presenciais. Os atos questionados foram editados para evitar aglomerações em meio a um dos momentos mais graves da pandemia no Brasil. A doença já provocou a morte de 330 mil pessoas no país. Na Alemanha e Coreia do Sul, aglomerações causadas por celebrações religiosas foram apontadas como a origem de diversos surtos de covid-19, levando a limitação desse tipo de evento.
Nunes Marques baseou sua decisão também em parecer do procurador-geral da República, Augusto Aras, que defendeu a assistência espiritual como sendo algo essencial na pandemia. Em manifestação sobre o tema, a Advocacia-Geral da União (AGU) também defendeu a permissão para a realização de cultos presenciais, mas não reconheceu a legitimidade da Anajure para para o ajuizamento da ação, apontando problemas em seu estatuto. Para a AGU, a associação não parece uma entidade de classe e não comprovou que sua atuação ocorre em âmbito nacional.
Mesmo assim, Nunes Marques, que foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o STF em 2020, deu razão à Anajure. "A proibição categórica de cultos não ocorre sequer em estados de defesa (CF, art. 136, § 1º, I) ou estado de sítio (CF, art. 139). Como poderia ocorrer por atos administrativos locais?", indagou o ministro.
"Reconheço que o momento é de cautela, ante o contexto pandêmico que vivenciamos. Ainda assim, e justamente por vivermos em momentos tão difíceis, mais se faz necessário reconhecer a essencialidade da atividade religiosa, responsável, entre outras funções, por conferir acolhimento e conforto espiritual", acrescentou.
O presidente Bolsonaro, um crítico de medidas para conter a pandemia, comentou a decisão de Marques no Twitter. "CELEBRAÇÕES RELIGIOSAS: Min. Nunes Marques/STF concede medida cautelar para o fim de determinar que: estados, DF e municípios se abstenham de editar ou exigir o cumprimento de decretos ou atos administrativos locais que proíbam a realização de celebrações religiosas presenciais"
Prefeito de BH reclama de decisão
Por outro lado, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD) afirmou que não vai seguir a decisão do ministro. "Em Belo Horizonte, acompanhamos o Plenário do Supremo Tribunal Federal. O que vale é o decreto do Prefeito. Estão proibidos os cultos e missas presenciais", escreveu Kalil no Twitter.
"TWITTER: Alexandre Kalil - @alexandrekalil -Em Belo Horizonte, acompanhamos o Plenário do Supremo Tribunal Federal. O que vale é o decreto do Prefeito. Estão proibidos os cultos e missas presenciais.5:48 PM · Apr 3, 2021 from Belo Horizonte, Brazil.
Depois da publicação da mensagem, Nunes Marques intimou Kalil a cumprir "com máxima urgência" a decisão que permite celebrações religiosas presenciais. A Superintendência da Polícia Federal em Minas Gerais foi intimada a garantir o cumprimento da liminar em caso de "resistência da autoridade municipal ou de seus funcionários".
A liminar de Nunes Marques é válida ao menos até que o plenário do STF discuta a questão. O ministro é relator de três ações de descumprimento de preceito fundamental sobre o assunto. As outras foram abertas pelo Conselho Nacional de Pastores do Brasil e pelo PSD.
jps (ab, ots)cp
@CaminhoPolitico @CPWeb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos