Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
AV. CASTELO BRANCO, 2500 - CENTRO SUL, VÁRZEA GRANDE

quinta-feira, 20 de maio de 2021

A relação entre Covid-19 e a parada cardíaca

Após a permanência do Coronavírus e as milhares de mortes e casos de sequelas deixadas pela Covid-19 muito se aprendeu sobre os efeitos pós-doença e ainda há muito o que aprender.
Entre elas o que a Covid-19 causa no coração como miocardites, infartos, insuficiência cardíaca, isquemia e tromboses. Inclusive, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) está montando um registro nacional sobre casos de pacientes que tiveram complicações cardíacas ocasionadas pela Covid-19. Esse estudo quer apurar por que alguns infectados que não fazem parte do grupo de risco e não possuam algum problema cardíaco, hipertensão, insuficiência cardíaca, arritmias e doença coronariana e nunca tiveram problemas no coração, de repente acabaram tendo infarto ocasionada pela infecção causada pelo coronavírus.
O que se sabe até agora é que o coronavírus causa danos no músculo cardíaco e nos vasos sanguíneos. A Covid-19 gera uma inflamação no coração ou em uma das artérias o que aumenta o risco de se ter uma arritmia. Ainda há o agravante que com a inflamação causada pela Covid-19 no coração otimiza determinados medicamentos, como a cloroquina e a azitromicina, que associadas podem levar pacientes cardiopatas a terem arritmias malignas.
Dados divulgados pela SBC apontam que pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) por causa da Covid-19, 7,2% das pessoas doentes apresentam dano no miocárdio, foram detectadas arritmia em 16,7%, choque em 8,7% e insuficiência cardíaca em 23%.
De qualquer forma, ainda não se tem respostas a curto prazo para muitas questões.
O mais seguro ainda é tomar as medidas de biossegurança como uso de máscara, lavar as mãos ou usar álcool gel e ainda manter o distanciamento, evitar aglomerações e claro tomar a vacina que está sendo disponibilizada.
Temos que conviver com esse vírus, entender que ainda é um assunto novo e nada é absoluto neste momento.
Max Lima é médico especialista em cardiologia e terapia intensiva, conselheiro do CFM, médico do corpo clínico do hospital israelita Albert Einstein, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia de Mato Grosso(SBCMT), Médico Cardiologista do Heart Team Ecardio no Hospital Amecor e na Clínica Vida , Saúde e Diagnóstico. CRMT 6194. Email: maxwlima@hotmail.com
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos