PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quinta-feira, 27 de maio de 2021

Diretor do Butatan diz à CPI que Bolsonaro foi entrave à vacina

Dimas Covas diz que
Brasil poderia ter sido o primeiro país do mundo a iniciar vacinação contra covid-19 se não fosse o governo federal. Ofertas do instituto paulista ficaram meses sem resposta positiva de Brasília. O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse nesta quinta-feira (27) em seu depoimento à CPI da Pandemia no Senado que o Brasil poderia ter sido o primeiro país do mundo a iniciar a vacinação contra a covid-19. Segundo ele, entretanto, isso não aconteceu por entraves para fechamento do contrato entre o instituto e o governo federal.
O Instituto Butantan produz no Brasil a vacina CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e que é atualmente o imunizante contra coronavírus que mais foi aplicado no Brasil.
A CoronaVac foi alvo de intensa disputa política entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria. O Butantan é ligado ao governo paulista. Bolsonaro atacou o inoculante diversas vezes em 2020, chegando a afirmar que seu governo não o compraria. O presidente chegou até a comemorar a suspensão de testes clínicos da vacina, que foram posteriormente retomados.
Em seu discurso de abertura, Covas afirmou que o Butantan ofereceu 60 milhões de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde em julho 2020, mas que não obteve resposta, tendo feito uma nova oferta de 100 milhões de doses, com possível de entrega de 45 milhões até o final de 2020.
Conversas param após fala de Bolsonaro
Covas lembrou uma reunião em outubro com o então ministro da Saúde Eduardo Pazuello. Na ocasião, o ministro anunciou que compraria doses da CoronaVac. O diretor do Instituto Butantan disse que as conversas não prosseguiram porque houve uma manifestação do presidente Jair Bolsonaro.
Um dia após o Ministério da Saúde afirmar que compraria 46 milhões milhões de doses da vacina produzida pelo Butantan, Bolsonaro desautorizou publicamente Pazuello e disse que a compra não seria realizada. Covas rebateu declaração de Pazuello de que as ações de Bolsonaro em 19 de outubro contra a compra não teriam tido impacto na negociação.
"Após o dia 20 de outubro, isso foi absolutamente interrompido. De fato, nunca recebi um ofício dizendo que a intenção de compra feita no dia 19 [de outubro] não era mais válida, mas, na prática, não houve consequência. A consequência foi no dia 7 de janeiro, e mesmo assim em detrimento de outras iniciativas que não eram certo. A houve a tentativa de trazer vacina da Índia, que não foi bem sucedida. Houve a dificuldade da própria AstraZeneca [que produz vacina em parceria com a Fiocruz]. Naquele momento, a única vacina disponível era a do Butantan", disse Covas.
Dimas Covas disse que a demora em um acordo contratual com o governo federal causou "frustração", já que o governo federal é o único cliente do Instituto Butantan. O contrato para compra do imunizante acabou sendo firmado em janeiro de 2021, seis meses depois que o Butantan fez a primeira oferta.
"Óbvio que isso causa uma frustração da nossa parte. Voltamos ao Butantan e continuamos o projeto. Mas aí já com algumas dificuldades. A inexistência de um contrato com o ministério, que é nosso único cliente, colocava uma incerteza em termos de financiamento. E já tínhamos contratado com a Sinovac uma parte importante do projeto", afirmou o diretor do Butantan.
"Butantan tinha 5,5 milhões de doses em dezembro"
"O mundo começou a vacinar no dia 8 de dezembro. No final de dezembro, o mundo tinha aplicado mais de 4 milhões de doses, e tínhamos no Butantan 5,5 milhões, e mais 4 milhões em processamento. Sem contrato com o ministério" disse Dimas Covas. "Nos podíamos ter começando antes? O Brasil poderia ter sido o primeiro pais do mundo a iniciar a vacinação, se não fossem esses percalços, tanto contratuais como de regulamentação", completou.
Dimas Covas disse também que o Instituto Butantan pediu apoio ao governo federal em julho para financiar testes de vacina e reformar uma fábrica, mas também ficou sem resposta. Ele ressaltou que o Butantan financiou sozinho o desenvolvimento do imunizante até outubro.
Covas disse aos senadores que declarações contra a China feitas por autoridades do governo federal e pessoas próximas ao presidente prejudicaram a obtenção da matéria-prima para vacinas contra. O país asiático é o maior exportador mundial dos insumos.
O diretor do Butantan afirmou que o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, teria ficado inconformado com essas críticas. "O embaixador da China deixou muito claro: que posições que são antagônicas, que desmerecem a China, causam inconformismo do lado chinês", disse Dimas Covas.
Atritos com China prejudicaram envio de insumos
"Isso se reflete nas dificuldades burocráticas. Eram resolvidas em 15 dias. Agora, [demora] mais de mês. Nós, que estamos na ponta, sentimos isso. Negar isso não é possível", explicou.
"Tínhamos o compromisso de entregar 12 milhões de doses em maio, e entregamos 5 milhões. A produção foi retomada com a chegada da nova matéria prima, e vamos entregar 6 milhões a partir de 12 de junho. Houve 7 milhões de doses que poderiam ter sido produzidas e entregues em maio, de acordo com o cronograma inicial".
As críticas contra o principal parceiro comercial do país são apontadas por analistas e membros da oposição como o motivo para atraso do envio de insumos da Coronavac.
Declarações feitas pelo ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, pelo filho do presidente e deputado federal, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), além do próprio Jair Bolsonaro, geraram atritos com Pequim.
Bolsonaro insinuou em algumas ocasiões que o coronavírus teria sido criado propositalmente pela China. Seu filho, Eduardo, acusa o país de esconder informações sobre a doença. Suas declarações geraram uma reação indignada da representação diplomática chinesa no Brasil.
Já o ex-ministro Araújo publicou um texto em seu blog, em abril do ano passado, no qual afirmava que o coronavírus seria, na verdade, parte de um plano comunista para conquistar o mundo.
Na ocasião, ele descreveu esse plano como "comunavírus", que seria uma conspiração "comunista-globalista de apropriação da pandemia para subverter completamente a democracia liberal e a economia de mercado".
Entretanto, ao depor na CPI na semana passada Araújo afirmou que jamais promoveu atritos com a China. "Não entendo nenhuma declaração que eu tenha feito como antichinesa”, sublinhou
md/rc (ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos