Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Mixto Esporte Clube

Mixto Esporte Clube
Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres.

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022

sexta-feira, 14 de maio de 2021

O que o 13 de maio representa para os quilombolas?

A data em que a Lei Áurea foi assinada pela Princesa Isabel não é celebrada enquanto abolição; ‘É dia de se rebelar e não de comemorar’, diz representante da Conaq. “O 13 de maio é uma grande farsa para nós quilombolas”. Esse é o sentimento descrito pela moradora do Quilombo de Conceição das Crioulas (Pernambuco), Givânia Silva, que também integra a articulação política da Conaq (Coordenação Nacional de Articulação de Quilombos).
A data, marcada pela assinatura da Lei Áurea em 1888, também celebra o Dia Nacional da Denúncia Contra o Racismo. A lei assinada por Princesa Isabel, filha de Dom Pedro II, não garantiu o fim da escravidão. Sem emprego e sem terras, os negros recém-libertos não tinham como se estabilizar e garantir a sobrevivência nos centros urbanos, dessa forma migraram para as periferias - em condições de vulnerabilidade - ou permaneceram nos quilombos.“O dia 13 de maio é sobre a luta e a resistência também da conquista árdua dos nossos territórios quilombolas. Não desistência. Por tudo que aconteceu lá atrás, até hoje é importante ressaltar que não houve libertação do negro na sociedade. Os negros não se sentiram libertos e não se sentem até hoje. A imagem do negro ainda é escravizada. O racismo é prova disso”, considera Cláudia Rocha, representante do Quilombo da Restinga, localizado no Paraná.
'Uma lei não é capaz de determinar liberdade'
A resistência, citada por Cláudia do Quilombo da Restinga, é um estado constante de busca por melhorias e igualdade na vida dos negros, quilombolas ou não, reforça Givânia. Para a articuladora da Conaq, “a luta por liberdade é algo que uma lei não é capaz de determinar”, portanto o 13 de maio não representa os quilombolas. Para quem é quilombola, a data significa “o dia de se rebelar, não de comemorar”, salienta.
Entender a escravidão, período que - na teoria - durou 388 anos, é essencial para que o 13 de maio seja simbolizado de maneira respeitosa na luta dos quilombos. Representante do Quilombo de Furnas, no Mato Grosso do Sul, Vera Lucia Rodrigues lembra a importância de enxergar os verdadeiros heróis da abolição.
“Quando eu era criança lembro das comemorações de 13 de maio: dia de aplaudir a nossa ‘salvadora’. Quando adquiri conhecimento, percebi que na verdade ela [Princesa Isabel] não salvou ninguém. A salvadora é uma fraude. Meu povo não ganhou liberdade por causa dela em 1888, e sim pela pressão política, social e econômica que os verdadeiros heróis, nossos ancestrais, fizeram na época”, pondera.Givânia complementa que os territórios quilombolas já existiam antes mesmo da assinatura da Lei Áurea, portanto, a liberdade do negro quilombola e formas de convívio saudáveis nada têm a ver com o que a filha de Dom Pedro II sancionou. O quilombo de Conceição das Crioulas, por exemplo, é registrado desde 1802.
“Antes da famigerada abolição, os quilombos já existiam e já haviam rompido com o sistema escravocrata. O ato em si foi uma mera formalização de uma prática que não era mais aceita. Abolição não houve. O 13 de maio não quer dizer nada, aliás, 14 de maio tem mais significado, pois foi ali que os negros - que foram jogados nas ruas - se uniram enquanto movimento social e formaram o ativismo de rua. É assim que permanecemos até hoje”, finaliza. a articuladora da Conaq.
Caroline Nunes/Caminho Político
Edição: Nataly Simões
Foto: Reprodução/Washington Post
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos