Instec Instituto de Tecnologia Educação e Comunicação

Instec Instituto de Tecnologia Educação e Comunicação
Av. Rui Barbosa, S/N- Jardim Universitrio, Cuiabá - Mato Grosso. As informações de contato se encontram no (65) 99293-3962

Vereador Didimo Rodrigues Vovó

Vereador Didimo Rodrigues Vovó
Trabalhar por uma Cuiabá melhor

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

Senado Federal

Senado Federal
Para saber mais sobre essa unificação, clique aqui.

segunda-feira, 28 de junho de 2021

Apenas 22% das pessoas seguem dieta mais saudável após isolamento social, aponta pesquisa

Quem nunca escutou ou pronunciou a clássica frase “a partir de segunda-feira vou ter uma vida mais saudável”? Contudo, quando a data alcança o calendário, não há qualquer planejamento para iniciar esse processo. Então, ao invés de apostar em um plano com ajuda profissional, recorre a dietas malucas ou restrições alimentares sem qualquer orientação. Tal quadro se tornou ainda mais comum desde o início da pandemia de Covid-19.
De acordo com pesquisa da Kantar – multinacional líder em dados, insights e consultoria –, que consultou 11.014 indivíduos em 20 países, incluindo o Brasil, apenas 22% das pessoas estão seguindo uma dieta mais saudável em comparação ao período anterior ao isolamento social e o que antes era prioridade para muitas pessoas, atualmente se resume a tentativas para emagrecer.
Para a esteticista Albenita Jalles, antes de mais nada, é importante que a pessoa que quer ter uma vida mais saudável e emagrecer perceba que precisa de ajuda. “Essa jornada não é fácil. Contar com auxílio de uma equipe profissional multidisciplinar é essencial. Ela irá acompanhar a pessoa nesse processo e ajudará a conscientizá-la sobre o emagrecimento. Não se trata de ficar magra e seca. É sobre alcançar o peso ideal para ter uma vida saudável. Valorizar o autocuidado: físico e emocional”.
Albenita reforça que o emagrecimento consciente é um método capaz de transformar a mentalidade das pessoas em relação aos seus hábitos alimentares. “A proposta é reprogramar a mente para ter novos hábitos e tomadas de decisões. Inclusive, esse autoconhecimento permite que a pessoa tenha mais clareza para analisar suas emoções perante a compulsão alimentar. Não significa passar fome ou fazer dietas restritivas. Trata-se de buscar o equilíbrio. O alimento não é um vilão”.
A esteticista ressalta que a autossabotagem durante o processo de emagrecimento é algo normal. “Ninguém nunca faz dieta 100% – sem cometer pequenos erros. Isso é normal. O que não podemos é errar com frequência. Se acontecer, o primeiro passo é recomeçar – nem que seja do zero. A mudança começa com pequenos esforços diários e é possível emagrecer sem sofrimento. Tanto que utilizamos técnicas que permitem identificar e modificar padrões autossabotadores, principalmente na relação com a comida”.
Conforme explica Albenita, cada pessoa requer um planejamento personalizado com suporte de uma equipe multidisciplinar. “Cada corpo é único – um biotipo, um metabolismo. E é a partir dessas informações que o protocolo ideal é estabelecido. Isto, ajudará a acelerar o metabolismo da pessoa. Por isso, contar com uma equipe com nutricionista, esteticista cosmetóloga e biomédica é essencial. Cada uma atuará na sua área para contribuir com o processo. Há também auxílio de psicólogo, quando necessário”.
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos