PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sábado, 12 de junho de 2021

Para senador, não cabe ao STF decidir se o Brasil deve ou não sediar a Copa América

O julgamento começou
nesta quinta-feira em plenário virtual e decisão deve sair até as 23h59; competição começará no dia 13. O senador Wellington Fagundes (PL-MT), relator da Comissão Temporária da Covid-19, disse nesta quinta-feira, 10, que ficou surpreso com a convocação de sessão extraordinária pelo Supremo Tribunal Federal para deliberar sobre três ações que propõem barrar a realização da Copa América de Futebol no Brasil. A competição começará no dia 13. Para ele, essa decisão é de caráter exclusivo do Poder Executivo.
“Não cabe ao STF reavaliar cada uma das decisões políticas e discricionárias, sejam elas do Poder Executivo, sejam elas do Poder Legislativo” – ele ponderou. O julgamento começou nesta quinta-feira e acontece no plenário virtual. Os ministros terão até as 23h59 desta quinta-feira para apresentar seus votos no sistema eletrônico da Corte.
Segundo o senador, que lidera o Bloco Parlamentar Vanguarda no Senado, “postular em juízo, em verdade, é um direito inalienável da democracia”. No entanto, ele ressalta que a Constituição Federal impõe também, como cláusula pétrea, que em um estado de direito, existe a separação de Poderes, que devem trabalhar em harmonia.
A realização da Copa América, na avaliação de Fagundes, “é uma questão discricionária do Poder Executivo” e ele acredita que o Governo, antes de formular sua resposta, “certamente, fez avaliações do ponto de vista da conveniência e das implicações que se relacionam, inclusive e principalmente, com a questão sanitária”.
Ele disse ainda esperar que o Governo, a CBF e a própria organizadora do evento, a CONMEBOL, possam “cumprir rigorosamente com os protocolos exigidos para este momento da vida nacional”, tais como testagem permanente de delegações e realização de jogos sem a presença de público, entre outras medidas, respeitadas as condições locais que sediarão as partidas.
Ao finalizar sua manifestação, o senador do PL de Mato Grosso disse defender o fortalecimento das instituições, salientando que é na separação dos poderes e no respeito institucional de cada uma que “será possível fazer a democracia mais forte” e dessa forma “assegurar a liberdade de todos”.
Assessoria/Caminho Político
Foto: Pedro França/Agência Senado
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos