PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 22 de junho de 2021

SAÚDE AUDITIVA: Mesmo assintomática, Covid-19 pode causar danos irreparáveis à audição, alerta fonoaudióloga Vanessa Moraes

O novo coronavírus pode deixar sequelas, inclusive aquelas relacionadas aos sentidos, como a perda do olfato, da gustação e também na audição.
A cada dia surgem novos relatos de pessoas que experimentaram perda auditiva provocada pela Covid-19. De acordo com a fonoaudióloga e audiologista Vanessa Moraes, de Cuiabá (MT), os pacientes se queixam de aparecimento da dificuldade auditiva, piora da perda auditiva, zumbido nos ouvidos, labirintite e até mesmo perda súbita da audição, que pode desenvolver aproximadamente 8 semanas depois do início do contágio.
“Mesmo a infecção pela Covid-19 sendo assintomática, pode prejudicar as funções ciliadas da cóclea, danos estes, frequentemente irreversíveis”, alerta a especialista.
A Covid-19 é causada por um vírus e algumas pessoas apresentam quadros assintomáticos ou sintomáticos leves, dos quais algumas costumam se recuperar sem complicações, mas também podem sofrer sequelas como quadros psiquiátricos, cardíacos, neurológicos, emocionais, perda da memória e também aquelas relacionadas aos sentidos, como a perda do olfato, da gustação e também na audição.
Um estudo realizou autópsia de falecidos que testaram positivo para a Covid-19 e foi identificada a presença do vírus nos ossos do ouvido médio e na mastóide. Essas manifestações têm sido alvo de investigações desde 2020 e o que se deve fazer, orienta Vanessa Moraes, é procurar imediatamente um médico otorrinolaringologista (médico especialista em ouvido, nariz e garganta) e seguir rigorosamente suas orientações.
A perda auditiva também pode ser decorrente de outros vírus como o do sarampo, da caxumba e da meningite. Na maioria das vezes, para se combater vírus ou bactéria, os medicamentos utilizados podem conter substâncias químicas danosas à integridade do órgão auditivo, porém de extrema eficácia no combate aos vírus e bactérias.
“Daí a necessidade fundamental de ser acompanhado por um médico que lhe orientará sobre qual medicação, dosagem desta medicação e tempo de uso. Sendo assim, a automedicação jamais deve ser feita, pois os danos podem ser irreparáveis, irreversíveis e desastrosos para a saúde. O médico é, sim, o único profissional que pode prescrever medicamentos”, frisa a fonoaudióloga.
Apesar do engajamento nos efeitos da Covid-19 na audição, é fundamental manter a saúde auditiva em dia. “Fique sempre atento aos sinais de perda auditiva e faça uma avaliação auditiva com frequência com uma fonoaudióloga. Quanto mais precoce a dificuldade auditiva for identificada e tratada, mais eficaz será o processo de reabilitação auditiva com o uso de aparelhos auditivos. Portanto, cuide da sua saúde auditiva!”
Vanessa Moraes conta que atualmente os aparelhos auditivos possuem um som tão puro e natural que as pessoas até se esquecem de sua perda auditiva. “Tudo isso para aquelas pessoas que se recusam a comprometer suas vidas, para que não precisem mais viver com sua audição comprometida”, completa a especialista, observando que a batalha pela vida ainda não acabou.
“Por isso, conforme orientação do Conselho Federal de Medicina, para garantir a eficácia das vacinas, cumpra o esquema vacinal recomendado. A segunda dose é tão importante quanto a primeira para sua proteção!”, finaliza.
Sandra Carvalho/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos