PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quinta-feira, 29 de julho de 2021

Colômbia, uma máquina de guerra que produz mercenários

O assassinato do presidente haitiano, presumivelmente nas mãos de mercenários da Colômbia, confronta o mundo um problema nascido de cinco décadas de guerra civil no país: Forças Armadas gigantescas, porém mal pagas. Cuba exporta médicos, Colômbia, mercenários: "É terrível escutar isso, mas é a realidade", comenta à DW o ex-militar colombiano Alfonso Manzur Arrieta. O assassinatodo presidente haitiano Jovenel Moïse, em 7 de julho de 2021 põe em evidência um vergonhoso e gigantesco problema produzido na Colômbia, pois se presume que o crime foi perpetrado por um grupo de ex-militares colombianos, que teriam sido contratados como mercenários pela firma americana CTU Security, de propriedade do venezuelano Antonio Intriago.
Como e por que o país produz mercenários? Quem são eles e seus contratadores? "Este é um fenômeno originado em mais de meio século de guerra na Colômbia, no qual as Forças Públicas, em especial o Exército e a Marinha, se converteram num poderoso fator da mesma guerra", afirma Arrieta.
Segundo o politólogo e diretor da fundação Veteranos pela Colômbia, que advoga a reconciliação entre ex-militares e ex-guerrilheiros, "a guerra é um negócio". Sua fundação, no entanto, "aprova a política de 'segurança democrática', pois sem ela teria sido impossível fazer se retirarem as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que naquele momento eram muito fortes".
Essa estratégia do ex-presidente Álvaro Uribe (2002-2010), apresentada em 2003 pela atual vice-presidente e chanceler colombiana, Marta Lucía Ramírez, propunha um papel mais ativo da sociedade civil na luta do Estado e seus órgãos de segurança contra a ameaça dos grupos insurgentes. Mas, apesar do grande apoio popular, a aplicação das medidas também propiciou graves violações dos direitos humanos.
Consequências do Plano Colômbia
"Nesse momento, a aliança de membros das Forças Armadas com o paramilitarismo prejudicou a ética militar", prossegue Arrieta. Ele vê aí a gênese do que mais tarde se denominariam "falsos positivos", ou seja, as execuções extrajudiciais. De acordo com a Justiça Especial para a Paz (JEP), entre 2002 e 2008 militares colombianos assassinaram pelo menos 6.402 jovens inocentes para apresentá-los como baixas de combate.
A consequência da cooperação entre alguns militares e grupos paramilitares foi que "as Forças Militares da Colômbia perderam a legitimidade". "Hoje, muitos de meus ex-companheiros estão no cárcere por isso", lamenta Arrieta, que é graduado em Segurança Pública e Assuntos Internacionais.
A Força Pública colombiana é a maior da América Latina, superando a do Brasil. Segundo o Ministério da Defesa, o país somava 402.308 soldados, cadetes e policiais em setembro de 2020. O Plano Colômbia, lançado em 1999 pelo então presidente Andrés Pastrana e seu homólogo americano Bill Clinton, em princípio para combater a aliança da guerrilha com o narcotráfico, terminou inflando as fileiras das Forças Armadas colombianas.
"Mais tarde, o mesmo narcotráfico geraria outro novo setor: o da segurança privada", relata Alfonso Manzur Arrieta. Sua conclusão é que quando o Exército perde a bússola ética, pode dar origem ao mercenarismo, que ele considera "um fenômeno muito complicado".
Para legionário colombiano, nada de "heróis da pátria"
A Colômbia ostenta o maior exército da América Latina, treinado e provado em combate. Seus integrantes se aposentam jovens: bastam 21 anos de serviço para um militar poder entrar para a reforma, com uma pensão de 6 milhões de pesos (US$ 1.560). Em comparação, um engenheiro eletrônico ganha apenas cerca de US$ 650. Os soldados rasos, contudo, recebem um salário mínimo, de atualmente menos de 1 milhão de pesos (US$ 260): tão pouco que, para subsistir, precisam procurar trabalhos alternativos.
Raphaël (nome fictício para proteger a identidade do entrevistado) é colombiano e membro da Legião Estrangeira, uma força de elite do Exército da França, adjunta ao Ministério da Defesa e composta por ex-militares de quase todo o mundo. Ele fala à DW num dia livre de operações na selva guianense.
"Eu mesmo renunciei ao Exército porque, após ter sido ferido em combate com as Farc, a instituição me desamparou." Ciente do assassinato no Haiti, lamenta as ações de "mercenários que se acham Rambos, ávidos de sangue e aventura, como nos filmes". Ele mesmo se considera "legionário", candidatou-se sem intermediários na França, passou pelas duras provas físicas, psicológicas e de conhecimentos e foi admitido na Legião Estrangeira com um contrato oficial.
Na realidade, "nós, colombianos, somos bem apreciados, justamente por nossa alta capacitação, experiência em campo e seriedade", acrescenta. Raphaël é um dos que zelam pela segurança da Estação Espacial Europeia na Guiana Francesa, mas suas funções também incluem patrulhar a selva para prevenção do narcotráfico e perseguir os garimpeiros de ouro ilegais, a maioria brasileiros.
Em suas missões, os maiores riscos que corre são o de ser mordido por um morcego hidrófobo ou de sufocar após o contato com um peixe-gato. A principal advertência de seus superiores é manter-se longe do mundo da prostituição, dominado na Guiana Francesa por venezuelanas e dominicanas.
Raphaël não perdeu as esperanças de voltar à Colômbia e abrir um negócio: o que perdeu foi a admiração pelas revistas de luxo do Exército nacional, que falam de "heróis da pátria".
José Ospina-Valencia/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos