PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quarta-feira, 28 de julho de 2021

CORONAVÍRUS: Anvisa suspende autorização para importação da Covaxin

Possível fraude de documentos e descredenciamento da Precisa, empresa brasileira que representava farmacêutica indiana, motivaram a decisão da agência. Vacina está no centro de escândalo investigado pela CPI. A diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu nesta terça-feira (27/07) suspender cautelarmente a importação da vacina indiana Covaxin, que está no centro de um escândalo apurado pela CPI da Pandemia. A importação temporária e sob condições estritas havia sido autorizada no início de junho.
A Anvisa tomou a decisão após a Bharat Biotech, que produz o imunizante, ter descredenciado a Precisa Medicamentos como seu representante no país, e negar reconhecer a autenticidade de dois documentos enviados pela empresa brasileira ao Ministério da Saúde, supostamente assinados por executivos da Bharat.
A Anvisa afirmou que a suspensão será mantida "até que sobrevenham novas informações que permitam concluir pela segurança jurídica e técnica" da importação da Covaxin. A agência disse também que levou em conta "notícias de que documentos ilegítimos podem ter sido juntados ao processo de importação, o que pode impactar as conclusões quanto aos aspectos de qualidade, segurança e eficácia da vacina a ser utilizada na população nacional".
O relator do processo na Anvisa, Alex Machado Campos, concluiu que a quebra do contrato de representação da Precisa poderia impactar no cumprimento de requisitos e condicionantes da importação. A agência está avaliando ainda as alegações de que a empresa brasileira teria fraudado documentos da Bharat.
Contrato problemático
O Ministério da Saúde anunciou em fevereiro que havia assinado um contrato para comprar 20 milhões de doses da vacina, a 15 dólares por dose, totalizando na época R$ 1,6 bilhão. O valor foi reservado no orçamento, mas não foi pago.
Nenhuma dose do imunizante chegou ao país, devido a dificuldades de aprovação na Anvisa e outros problemas. Em 29 de junho, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, suspendeu o contrato de compra, por recomendação da Controladoria-Geral da União (CGU).
A decisão desta terça da Anvisa é o último lance de uma sequência de revezes para a Covaxin desde que a Bharat rompeu o acordo de representação com a Precisa. Na sexta, a agência havia determinado a suspensão dos testes clínicos de fase 3 da Covaxin no Brasil, que aplicaria a vacina em 4.500 voluntários. A farmacêutica já concluiu um estudo de fase 3 na Índia, que aferiu eficácia de 77,8% contra a covid-19.
No sábado, a Anvisa também encerrou o processo sobre o pedido de uso emergencial do imunizante, que havia sido solicitado pela Precisa. A Bharat, porém, afirma que continuará a cooperar com as autoridades brasileiras para obter todas as aprovações necessárias para o uso da Covaxin no país.
O caso Covaxin
A CPI da Pandemia apura pressões dentro do governo para a liberação do inoculante e suspeitas de superfaturamento, favorecimento e outras irregularidades no contrato. O negócio também é alvo de investigações do Ministério Público Federal, do Tribunal de Contas da União e da Polícia Federal.
O deputado Luis Miranda e seu irmão, o servidor da Saúde Luis Ricardo Miranda, disseram à CPI que houve uma pressão atípica dentro do ministério para agilizar o processo de liberação para compra da Covaxin. Os irmãos afirmaram que alertaram Bolsonaro em 20 de março sobre problemas no contrato, e que o presidente teria prometido acionar a Polícia Federal. Entretanto, nenhum inquérito foi aberto após a conversa.
O deputado Miranda também afirmou em seu depoimento que Bolsonaro teria dito na ocasião que a Covaxin era um "rolo" de Barros. O presidente se tornou alvo de uma notícia-crime enviada por um grupo de senadores ao Supremo Tribunal Federal por esse motivo.
Antes disso, a vacina indiana já vinha levantando questionamentos por causa do seu preço (15 dólares, o mais caro entre todas as vacinas compradas pelo Brasil), a velocidade com que o governo fechou o negócio (em contraste com outros laboratórios, como a Pfizer), a falta de aval da Anvisa (Bolsonaro afirmou em 2020 que não compraria vacinas não autorizadas pela agência) e pelo fato de a compra não ter sido feita diretamente com a fabricante.
Outro ponto que gerou controvérsias foram pedidos suspeitos de pagamento adiantado, no valor de US$ 45 milhões, que seria direcionado para a empresa Madison Biotech, suspeita de ser uma companhia de fachada com sede em Cingapura.
bl/ek (ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos