PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quinta-feira, 22 de julho de 2021

Crea-MT reúne com senador e parlamentar afirma apoio ao salário mínimo profissional da Engenharia

O presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea-MT), engenheiro civil Juares Samaniego e os membros da diretoria: 2º vice-presidente, engenheiro agrônomo Marcio de Andrade, diretor-financeiro, engenheiro civil, André Luiz Schuring, engenheiro eletricista Ivan Gonçalves e o assessor parlamentar, engenheiro civil , João Namir de Castro, reuniram , segunda-feira, 20 de julho com o senador Wellington Fagundes e o chefe de gabinete do escritório do parlamentar em Mato Grosso, José Márcio Guedes para discutir sobre a Medida Provisória n° 1.040/2021, com emendas que ferem inúmeras regulamentações, entre elas, a revogação da Lei 4.950-A /1966, do Salário Mínimo Profissional(SMP) de engenheiros, arquitetos, agrônomos, veterinários e químicos.
No encontro também foi apresentada a revogação da Lei 4.950-A, a manutenção do texto do art. 37 da referida MP, que coloca em risco toda a sociedade ao dispensar a Anotação de Responsabilidade Técnica para projetos de instalações elétricas de até 140 KVAs, permitindo que obras e serviços dessa natureza sejam realizados por pessoas não qualificadas.
De acordo com o presidente do Crea-MT, foram incluídos dois artigos na medida provisória 1.040, em tramitação no Senado. Sendo que um deles, a proposta é cancelar a lei 4.950-A que determina o salário mínimo profissional das categorias da Engenharia, Arquitetura, Agronomia, Veterinária e Química. E o outro é em relação a não obrigatoriedade do engenheiro eletricista na execução de projetos de até 140 KVAs.
“Colocar um leigo que não tem conhecimento das questões elétricas para desenvolver projetos dessa natureza é crime. O senador apoia a Engenharia e sempre se colocou à disposição das demandas do conselho, e se comprometeu a implementar a emenda e a retirada desses dois artigos da medida provisória”, explanou Juares.
Ao declarar apoio ao salário mínimo profissional não só da Engenharia, mas também de outras categorias, o senador Wellington Fagundes afirmou que dará atenção especial dessa questão no Congresso Nacional. “ Entramos em contato através de vídeo chamada com o senador Jayme Campos, onde ele também confirmou apoio. A expectativa é que o senador Carlos Favaro também adere a essa questão”, disse o senador.
Na oportunidade, o senador Wellington Fagundes entregou ao presidente do Regional Mato-grossense, o oficio n° 347/2020, da sugestão de Proposta de Emenda Constitucional para adequar disciplina sobre prestação de serviços públicos e de Projetos de Lei Complementar dispondo sobre o Sistema Estadual de Viação (SEV) e o Subsistema Ferroviário(SFE) do Estado do Mato Grosso e sobre os regimes de exploração dos serviços de transporte ferroviário de cargas e de passageiros.
“ São duas ferrovias. Foi feito um projeto da antiga Ferronorte. Uma ferrovia interligando Rondonópolis à Cuiabá e outro de Rondonópolis a Lucas do Rio Verde, passando por Primavera do Leste a Nova Brasilândia à Santa Rita do Trivelato. Consideradas importantes regiões produtoras”, disse o presidente do Crea-MT.Ainda segundo Juares, esse transporte será importante para Mato Grosso devido a grande produção agrícola, contribuindo para o escoamento da safra em grandes regiões produtoras do médio Norte Mato-grossense, como Nova Mutum, Santa Rita do Trivelato, Lucas do Rio Verde, Sorriso, Paranatinga, Primavera do Leste e Campo Verde. Resultando em frete mais em conta, propondo competitividade dos produtos no mercado externo.
“Esse documento já foi apresentado para a Assembleia Legislativa de Mato Grosso. O principal objetivo é que o Poder Legislativo faça uma emenda constitucional para regulamentar junto ao Governo de Mato Grosso o serviço ferroviário no estado por autorização. Esse ato já foi sancionado e regulamentado pelo governador Mauro Mendes, que fez o chamamento público para que as empresas interessadas em fazer a Ferrovia de Rondonópolis a Cuiabá e de Rondonópolis até Lucas do Rio Verde possam agora se manifestar”, destacou Wellington.
O senador explicou ainda que o Governo do Estado junto à Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso ( Ager/MT) poderão escolher a empresa que fará essa obra com prazo definido e a chegada na capital em quatro anos. E em sete anos para chegar até Lucas do Rio Verde. “Isso traz uma nova expectativa do que desejamos. Como presidente da frente parlamentar de Logística do Senado, a ideia é integrar o nosso estado com todos os modais, tais como ferroviário e rodoviário e usar as nossas hidrovias também, fazendo com que as linhas aéreas possam integrar mais, já que Mato Grosso é um grande estado e a produção irá desenvolver mais ainda. Para que isso aconteça precisamos das ferrovias para desafogar as estradas”, disparou Fagundes.
Ao debater sobre transporte público, o presidente do Crea Mato Grosso também colocou em discussão durante a reunião o Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT). Juares disse que o VLT é uma bandeira levantada pelo Crea-MT há muito tempo. E por surpresa do conselho, o Governo do Estado sem ouvir a sociedade civil organizada optou por outro modal de transporte nos dois municípios que é o BRT. Afirmando que não houve discussão técnica, além da inexistência de projeto executivo do novo transporte, o que seria instrumento base para a tomada de decisão e de implementação de políticas e gastos públicos.
Durante a discussão sobre o modal, Wellington disse que a paralisação da obra é uma cicatriz deixada nas duas cidades e que já foram aplicados mais de R$1 bilhão, que ainda permanece na discussão, se conclui o VLT ou se vai fazer BRT. O parlamentar afirmou que tem seu posicionamento há muito tempo sobre qual melhor transporte, sendo a favor da conclusão do VLT. “Até porque já foram gastos mais de R$ 1 bilhão em equipamentos. E a conclusão do modal é importante para Cuiabá e Várzea Grande. É claro que a decisão é do governo do estado, mas toda definição é melhor quando é amadurecida com sociedade e discutida com os prefeitos dos dois municípios”, disparou o senador.
Assessoria/Caminho Político
Foto: Igor Bastos
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos