PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quarta-feira, 21 de julho de 2021

O episódio dos ossinhos de boi: saídas para a redução da desigualdade em MT

Cuiabá – Capital do Estado que se vangloria de ser o centro do agronegócio, chamou a atenção da imprensa nacional nesta última semana.
O motivo foi uma cena típica de um país em crise humanitária: a fila quilométrica de populares no bairro do CPA 2 para conseguir “ossinhos” de boi doados por um açougue e assim garantir a alimentação de suas famílias. Desde o meu retorno ao Parlamento, tenho discutido a importância da industrialização em Mato Grosso para gerar emprego e melhorar a distribuição de renda, favorecendo assim as classes C, D e E.
Nestas faixas sociais, estão concentradas a maior parte dos desempregados e pessoas em situação de miserabilidade. Trata-se de uma enorme contradição quando se identifica que Mato Grosso é campeão em crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) nos últimos 40 anos, com produção de riquezas acima da média nacional e caminhando para a maior renda per capita do Brasil.
Por outro lado, a desigualdade social é evidente em Mato Grosso. Mais de 400 mil pessoas dependem de ações de particulares e programas estatais de cesta básica para garantir a sobrevivência.
Essa brutal desigualdade se agrava ainda mais em um cenário que empresas são fechadas e trabalhadores informais colhem dificuldades de obter renda por conta da crise sanitária gerada pelo novo coronavírus (Covid-19).
O empresariado e os agentes políticos são obrigados a refletir e questionar: como reduzir essa desigualdade?
Enquanto parlamentar que me preocupo diuturnamente com Mato Grosso, vejo alternativas plenamente capazes para reverter este quadro.
Afinal, nunca tivemos um cenário tão favorável como o atual para a industrialização do Estado, atividade altamente geradora de emprego e renda para tal. Vejamos:
1 - Implantar um programa arrojado de industrialização do Estado. É notório que temos uma gigantesca produção de matéria prima principalmente na soja, algodão, milho, peixe d’ água doce, carne bovina e suína.
2 – Mato Grosso tem capacidade energética de sobra, pois desde a gestão de Dante de Oliveira, passou de importador para exportador de energia.
3 – São mais de 200 mil mato-grossenses desempregados. Todos poderão ser perfeitamente qualificados e capacitados para trabalhar em qualquer indústria.
4 – Temos linhas de financiamentos disponíveis ofertadas pelo governo federal via FCO (Fundo Constitucional de Financiamento), Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia) e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).
5 – E o mais importante: temos um governador com origem no setor industrial.
Mãos à obra
Wilson Santos é professor e deputado estadual por Mato Grosso

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos