PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sexta-feira, 9 de julho de 2021

Ricardo Barros vai ao Plenário para defender o governo e a si próprio no caso da vacina Covaxin

Líder do governo disse que foi ao STF pedir que seu depoimento à CPI seja feito antes do recesso. O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), foi à tribuna do Plenário nesta quinta-feira (8) para rebater as denúncias feitas contra o governo na Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado que investiga as ações e omissões do governo federal durante a pandemia de Covid-19. “Há um grande debate na CPI da Pandemia sobre a conduta do governo e eu quero dizer que o combate à corrupção está no DNA do governo Bolsonaro”, disse.
A CPI investiga supostos contratos de compra de vacinas superfaturadas com a intermediação de empresas, em vez da compra direta dos laboratórios fabricantes. A primeira denúncia partiu do deputado Luis Miranda (DEM-DF) e seu irmão, Luis Ricardo Miranda, que afirmaram a intenção do Ministério da Saúde de comprar vacinas indianas Covaxin superfaturadas. O deputado envolveu Ricardo Barros nas negociações.
É a primeira vez que Barros fala no Plenário sobre essas denúncias. Ele afirmou que parte das afirmações de Miranda já foi esclarecida pelas pessoas interessadas, como fontes ligadas à empresa Global, que seria a suposta intermediária.
“O deputado Luiz Miranda fez o que achou que deveria fazer e estou procurando a oportunidade de ir à CPI”, disse. Ele afirmou que foi ao Supremo Tribunal Federal para garantir que seja ouvido antes do início do recesso parlamentar, já que sua oitiva foi cancelada. “Todos negaram, mas eu mesmo não tive a oportunidade de falar”, afirmou.
Barros afirmou ainda que foi apenas um dos vários deputados – inclusive de oposição – que fez emendas para autorizar o uso da vacina indiana Covaxin, cujo contrato está sob escrutínio da CPI. “Simplesmente porque a Índia é a maior produtora de vacinas do mundo”, disse.
Ele disse ainda que a servidora Regina Célia, cuja indicação lhe foi atribuída, trabalhou no Ministério da Saúde durante a gestão de diversos ministros: José Gomes Temporão, Alexandre Padilha, Luiz Henrique Mandetta. “Perguntada se tinha relação comigo, disse que não tem”, afirmou.
Reportagem - Carol Siqueira
Edição - Wilson Silveira
@caminhopolitico @cpweb
Foto: Cleia Viana
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos