PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

segunda-feira, 26 de julho de 2021

TÓQUIO 2020: "Skate não é só para meninos", diz a medalhista Rayssa Leal

Conhecida como Fadinha, jovem de apenas 13 anos conquista a prata em Tóquio, na estreia do skate como esporte olímpico. Atleta também faz história como a mais jovem medalhista olímpica do Brasil. A skatista brasileira Rayssa Leal, de apenas 13 anos, entrou para a história nesta segunda-feira (26/07) como a mais jovem atleta brasileira nos
Jogos Olímpicos e a mais jovem medalhista olímpica do Brasil. Foi a primeira vez que o skate foi disputado como esporte olímpico. Na final feminina da categoria street do skate, Rayssa levou a medalha de prata, sendo superada apenas pela japonesa Momiji Nishiya, também de 13 anos, e ficando à frente de outra competidora do Japão, Funa Nakayama, de 16 anos. As três compuseram pódio mais jovem da história olímpica.
"É fantástico estar aqui em Tóquio. Quando voltar ao Brasil, o primeiro que farei será dizer aos meus amigos que consegui e que todos os meus esforços deram resultado", disse Rayssa em coletiva de imprensa. A jovem natural de Imperatriz, no Maranhão, afirmou esperar celebrar com uma festa a sua conquista.Rayssa tem o apelido de Fadinha, graças a um vídeo que viralizou nas redes sociais em que ela, com apenas seis anos de idade e vestida com uma fantasia da personagem Sininho, faz manobras de skate.
Questionada por um repórter, a jovem prodígio disse nunca ter dado ouvidos a quem diz que meninas não podem andar de skate ou que o esporte é incompatível com os estudos.
"Acho que todos os esportes são válidos para meninos e para meninas, não há barreiras nos esportes", disse.
"Skate é, sim, para todo mundo", declarou à TV Globo. "A gente está podendo provar que felizmente skate não é só para meninos."Rayssa afirmou que o skate está ganhando popularidade no Brasil e disse que, além do esporte, também gosta de jogar futebol.
Além de Rayssa, outras duas skatistas brasileiras – Leticia Bufoni e Pâmela Rosa – representaram o Brasil na categoria street nos Jogos de Tóquio, mas a Fadinha foi a única a chegar à final. As provas da categoria park serão realizadas nos dias 4 e 5 de agosto.
"Poder representar o Brasil e ser uma das mais jovens a ganhar uma medalha... Estou muito feliz, este dia vai entrar para a história", disse a jovem após a conquista.
A prata de Rayssa foi a terceira medalha do Brasil nos Jogos de Tóquio: Kevin Hoefler ficou em segundo lugar na final masculina de skate street, e o judoca Daniel Cargnin conquistou o bronze na categoria até 66 quilos.
lf (Efe, AFP, Reuters)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos