PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 3 de agosto de 2021

A importância do aleitamento materno nos bebês com fissuras labiopalatinas

As Fissuras labiopalatinas são uma das anomalias que dificultam o aleitamento materno e devido a isso é necessário um cuidado específico tanto para a mãe quanto para o bebê. Pensando nisso, o Hospital Geral alerta para importância do aleitamento materno, já que neste mês comemoramos o ‘Agosto Dourado’.
A fonoaudióloga do HG, Carla Meliso explica que a dificuldade de alimentação de bebês com fissura surge logo após o nascimento, devido ao prejuízo no mecanismo de sucção, decorrente da falta de integridade das estruturas anatômicas. Nesta fase inicial, a prioridade é a nutrição do bebê e o acompanhamento de seu ganho de peso por um pediatra deve ser frequente.
O Hospital Geral é referência no atendimento integral de pacientes com fissuras labiopalatinas, malformação que atinge 1 em cada 650 crianças nascidas no Brasil.
O aleitamento materno é incentivado desde o primeiro momento e auxiliado pela fonoaudiologia em relação ao posicionamento do bebê a fim de proporcionar a amamentação de maneira efetiva.
As crianças com fissura no palato popularmente conhecido como céu da boca, podem apresentar dificuldades iniciais para extração do leite no seio materno, devido à falta de pressão dentro da boca, onde é indicado a ordenha manual para oferta do leite materno.
Carla conta que existe uma equipe multidisciplinar no Hospital Geral que acompanha essas mulheres e incentiva o aleitamento materno dos recém-nascidos com assistência psicológica à mãe com a finalidade de diminuir o impacto emocional e aceitação do filho com esta anomalia.
“O aleitamento é incentivado em seguida ao nascimento e acompanhado por uma equipe multidisciplinar para possibilitar a condição de vida ideal, assim como, evitar possíveis complicações indesejadas. Os bebês com fissura labial e/ou palatina geram muitas incertezas e dúvidas para os familiares a respeito de como realizar a amamentação. Por isso, damos todo esse apoio para as mães não deixarem de amamentar”, destacou a fonoaudióloga.
A fonoaudióloga ressalta que é de extrema importância formar profissionais com conhecimento adequado sobre o aleitamento materno em crianças nascidas com má formação craniofacial como as fissuras lábio/palatinas, mostrando a necessidade de educação em saúde e a adoção de intervenções educativas ainda na graduação, a fim de diminuir as dificuldades de mãe e filho vivenciadas durante a amamentação, aumentando a prática da amamentação nessas crianças a fim de proporcionar-lhes melhor nutrição.
“Lembrando que a mamada desses bebês é mais demorada em virtude da menor força de sucção, que o lado da fissura não deve ser evitado, a fim de estimular a musculatura, e que o bebê deve ser mantido em posição mais ereta, para evitar o refluxo nasal de leite e a penetração do mesmo no conduto auditivo. Além disso, devido à ingestão excessiva de ar no momento da alimentação, deve-se fazer mais pausas para propiciar o arroto”, finalizou Carla.
Dados Fissuras
A responsável pelo Serviço de Reabilitação de Fissuras Lábio Palatinas do HG, Yolanda Barros explica que o hospital é credenciado pelo Ministério da Saúde como referência (Portaria MS n°562, 6/10/2008). (Saiba mais acessando o Portal da Saúde do SUS).
Yolanda conta que atualmente no Hospital Geral, tem 1.318 pacientes cadastrados no serviço e já foram realizadas 1.643 cirurgias, destes 80% são crianças. "Vale lembrar que esta doença é a segunda malformação que mais acomete o ser humano no mundo. Somente no Brasil, em torno de cinco mil crianças nascem com ela, por ano”, conclui.
Banco de Leite Materno
O total e média mensal das doações no Banco de Leite Humano no Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá.
Soraya Medeiros/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos