PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 10 de agosto de 2021

Co-autor de duas emendas aprovadas do PLC 38/2021, deputado Barranco votou pela isenção imediata da alíquota previdenciária

Aprovado na última sexta-feira (6), Projeto de Lei Complementar nº 38 isenta aposentados e pensionistas. Em três sessões ordinárias realizadas na última sexta-feira (6), os deputados estaduais aprovaram em primeira e segunda votações, além de redação final, o Projeto de Lei Complementar 38/2021, de autoria de lideranças partidárias, que trata da isenção da alíquota previdenciária dos aposentados e pensionistas do Estado de Mato Grosso. Em primeira votação, foram 23 votos favoráveis ao projeto e um contrário. Em segunda votação, o PLC 38/2021 teve 21 votos favoráveis, um contrário e duas ausências. Em redação final, na terceira sessão ordinária, os deputados aprovaram a matéria de forma unânime. 

O PLC 38/2021 foi aprovado em redação final adotando as emendas 5 e 7, e rejeitando as emendas 1, 2, 3, 4, 6, 8 e 9. Uma das emendas adotadas modifica a vigência da lei, que passará a valer à partir da data de publicação e não mais daqui a seis meses, como previsto originalmente. 

Mas o que está circulando nas redes e pela notícia na coluna “Fogo Cruzado’, do site Gazeta Digital, é que o Partido dos Trabalhadores (PT) votou dividido em todas as relações com o PLC. O deputado estadual Valdir Barranco (PT) esclarece que todas as emendas apresentadas pelo deputado Lúdio Cabral ao PLC 38/2021 eram de sua co-autoria e, portanto, foi voto favorável à cada uma delas, das quais duas foram aprovadas, as emendas 5 e 7. Barranco esclarece que, “a única diferença é que, ao sermos derrotados nas demais, Lúdio votou contra o PLC e eu votei favorável. 

Isso ocorreu por eu ter recebido inúmeras mensagens dos aposentados e pensionistas para votar favorável por compreenderem que se o PLC fosse rejeitado eles ficariam sem nenhum benefício e teríamos uma situação muito pior à sobrevivência dos mesmos, pois em caso de derrota, uma matéria igual só poderia ser votada na próxima legislatura, em fevereiro de 2023”, explicou o parlamentar. 

Barranco ainda enfatiza que, “outro ponto importante que temos de mostrar e esclarecer é que o PLC 38/2021 não tem qualquer relação e tão pouco foi de autoria do executivo e sim da própria Assembleia Legislativa, após o governador ter se negado a fazê-lo”. Segue abaixo as duas emendas de co-autoria do deputado Valdir Barranco e que foram aprovadas: 

EMENDA 5 

Modifica o Art. 7° do Projeto de Lei Complementar n° 38/2021, que passa a ter a seguinte redação: 

Art. 7° O Poder Executivo fica autorizado a promover as adequações na Lei Orçamentária que se destinem a dar cumprimento ao disposto nesta Lei Complementar. 

EMENDA 7 

Modifica o Art. 11 do Projeto de Lei Complementar n° 38/2021, que passa a ter a seguinte redação:  

Art. 11 Esta Lei Complementar entra em vigor: 

I - em 180 (cento e oitenta) dias, contados da data de publicação desta Lei Complementar, em relação ao disposto no artigo 2° desta Lei Complementar e a revogação das alíneas "e", "f", "h", "i" e "j" do inciso I do 

artigo 2° da Lei Complementar n° 128, de 11 de julho de 2003; 

II - na data da sua publicação, para os demais dispositivos desta Lei Complementar. 

O PLC 38/2021 fixa a isenção da cobrança de alíquota de 14% até o teto do INSS, ou seja R$ 6,4 mil, para aposentados e pensionistas com doenças raras, inclusive militares, e isenção sobre R$ 3,3 mil para servidores inativos que ganham até a faixa salarial de R$ 9 mil. A lei aprovada prevê isenção de contribuição previdenciária ao inativos que recebem até R$ 3,3 mil. Já os funcionários que ganham até R$ 9 mil terão um desconto de 14% de contribuição para a Previdência será cobrado sobre o valor de R$ 5,7 mil. Assessoria/Caminho Político @caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos