PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

segunda-feira, 16 de agosto de 2021

Há 25 anos, Nokia 9000 inaugurava a era do smartphone

Em 15 de agosto de 1996, companhia finlandesa lançava seu volumoso "escritório de bolso". Antecipando o Blackberry ou o iPhone da Apple, ele abriu o caminho para a comunicação móvel, com uma concepção baseada na solidez. "O escritório no bolso do paletó", prometia a firma finlandesa Nokia, 25 anos atrás, ao lançar um telefone celular que se pode considerar o ancestral dos atuais smartphones. Era melhor ter um bolso bem grande: o Nokia 9000 Communicator media quase quatro centímetros de espessura e pesava seus 400 gramas.Mas não há como negar que o aparelho era especial: podia ser aberto como um mini laptop, revelando um teclado e uma tela preto-e-branca, com diagonal de 4,5 polegadas (11,5 centímetros).Apresentado na feira de computação CeBIT 1996 de Hanover, o produto entrou no mercado em 15 de agosto do mesmo ano. E definiu, durante a próxima década, a imagem de um smartphone: com botões, muitos botões. Afinal, trata-se de minicomputadores portáteis.Depois do Communicator, os telefones Blackberry e seus teclados levaram a ideia à perfeição. Até que, em 2007, os iPhones da Apple detonaram essa abordagem, com suas touchscreens, as telinhas multitoque, e lançaram a pedra fundamental para os smartphones de hoje. Os quais, de fato, estão aptos a funcionar como escritórios de bolso, como tem sido confirmado especialmente na pandemia da covid-19.

 Fiascos dolorosos

Nos anos 1990, só se podia sonhar com as capacidades dos atuais smartphones – como fez a Microsoft, em 1994, com seu visionário Information at your fingertips, onde mostrava dispositivos de bolso de display grande, conectados à internet. No vídeo – que o fundador da companhia, Bill Gates, apresentou em sua fala na, há muito extinta, feira de computadores Comdex, em Las Vegas – o smartphone já era utilizado para pagamento num café, sem contato nem dinheiro vivo. Ao mesmo tempo, era um tempo de pioneirismo, em que muitos tentavam concretizar, com a tecnologia da época, pelo menos parte das ideias de comunicação móvel. Quanto mais ousadas as visões, tão mais dolorosos foram, em parte, o seu fracasso.A Apple, à deriva sem seu fundador Steve Jobs, deu-se mal com o handheld Newton, cujo diferencial deveria ser a capacidade de reconhecer a escrita à mão, munido de tela grande e caneta de input. Mas, justamente nesse quesito, seu software foi um fiasco.A startup General Magic tentou durante anos estabelecer um aparelho de touchscreen que conceitualmente trazia muitas funções dos futuros smartphones. No fim, porém, provou ser ambicioso demais para o nível técnico de então.

Velho sim, mas não extinto

A força da abordagem da Nokia com o Communicator era a solidez: o dispositivo não prometia inovações revolucionárias, mas de fato possibilitava realizar em trânsito algumas tarefas de escritório. Assim, podia-se enviar e receber faxes e e-mails, acessar um caderno de endereços e uma agenda. O preço na Alemanha era de 2.700 marcos, sem chip (o equivalente a cerca de 1.380 euros, sem correção da inflação).Fechado, o 9000 Communicator parecia um celular simples, com teclas numéricas e uma pequena tela, só que, justamente, ainda mais volumoso. O display interno tinha resolução de 40 x 200 pixels. Diante dos padrões atuais, parece uma piada, mas o padrão para os grandes monitores nos anos 90 também era de 640 x 480 pixels.Faltavam diversas funções que hoje integram um smartphone, como localização por GPS, câmera ou saída para fones de ouvido. Contudo, esse primeiro Communicator teve êxito suficiente para que, nos anos seguintes, a Nokia lançasse diversos novos modelos, mais avançados.Os finlandeses ainda tentaram uma última vez fazer valer sua concepção na era dos smartphones modernos em 2011, com o Nokia E7, cuja tela revelava um teclado, ao ser empurrada para cima.Quem ainda tem um Nokia Communicator 9000 na gaveta, não deve jogá-lo no lixo eletrônico, na próxima arrumação: no Ebay e outras plataformas de leilões, esses smartphones-vovôs ainda são disputados, chegando a render 500 euros.

Andrej Sokolow/Caminho Político

@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos