PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sábado, 11 de setembro de 2021

11 DE SETEMBRO: Arte e cultura seguem refletindo efeitos do 11 de Setembro

De gigantescos panoramas 360º a romances, o filme da Netflix "Quanto vale?" e reflexões filosóficas, os atos terroristas nos EUA continuam sendo material obras artísticas e intelectuais, duas décadas depois. Em 11 de setembro de 2001, as Torres Gêmeas do World Trade Center, sucumbiram a um atentado terrorista. Membros do grupo fundamentalista islâmico Al Qaeda sequestraram aviões de passageiros de companhias americanas, fazendo-os chocarem-se com os famosíssimos arranha-céus de Nova York, causando a morte de quase 3 mil pessoas.
Duas outras aeronaves sequestradas caíram no Pentágono e num campo do estado da Pensilvânia. Os passageiros desta última haviam tentando subjugar os terroristas.
Além de ter sido o pretexto para as guerras no Iraque e no Afeganistão, esses atentados entraram para a história como uma virada de época, e, mesmo passados 20 anos, a arte e a cultura se ocupam do "9/11". Da literatura, cinema e televisão às artes plásticas e à arquitetura, eles suscitaram questionamentos. Como prantear os mortos? Como reconstruir uma cidade? E: o que se poderia ter feito diferente?
Arquitetura: Ground Zero, Daniel Libeskind
Hoje, no local em Manhattan onde se erguiam as Torres Gêmeas, está o assim chamado "Ground Zero" (Marco Zero), composto, entre outros, por uma praça pública muito frequentada pelos nova-iorquinos, e o One World Trade Center, um novo arranha-céu de 541 metros de altura.
A concepção original é do americano Daniel Libeskind. "Foi um projeto importante, pois está longe de ter acabado. Cidades têm vida longa", explica o famoso arquiteto, também responsável pelo Museu Judaico de Berlim. Ele ainda está trabalhando no Ground Zero: "A intenção era que virasse um bairro de verdade, uma parte da cidade, e atualmente é isso o que é, está florescendo."
Antes, às 18 horas as calçadas já estavam vazias, explica, parte da Wall Street, o local formado apenas por "escuras sepulturas do dinheiro". Hoje ele comporta restaurantes, escolas, residências. A peça central do Ground Zero é o memorial ao 11 de Setembro: dois tanques de nove metros de profundidade que recordam os fundamentos das antigas torres e os nomes dos que morreram.
Artes plásticas: New York 9/11, Yadegar Asisi
Quem ajudou Libeskind a realizar sua visão do memorial foi Yadegar Asisi. Nascido em Viena e crescido em Halle e Leipzig, no Leste da Alemanha, o artista especializado em panoramas de 360º foi corresponsável para a vitória do arquiteto na concorrência para a concepção do Ground Zero.
Hoje, o trabalho de Asisi gira mais uma vez em torno do 11 de Setembro: seu panorama New York 9/11 permitirá aos visitantes mergulharem na Nova York do ano 2001, e vivenciarem os cinco minutos antes de o primeiro avião se chocar contra a torre norte.
Em telefonema com a DW, ele explica a ideia inicial de sua obra: "Eu coloco os espectadores na posição de alguém que sabe que nos próximos cinco minutos sua vida mudará, e com ela, todo o mundo, quer se queira, quer não."
Asisi lembra como são raros tais momentos de memória global: todo mundo ainda sabe onde estava, quando as torres caíram. E "lembrança só tem sentido se está emocionalmente preenchida, só assim ela pode ser utilizada a favor ou contra algo".
Ele planeja integrar seu panorama numa exposição dedicada às consequências dos atentados terroristas. Dela constarão tanto decisões pessoais tomadas por ele, quanto as que marcaram a política global, como as guerras no Afeganistão e no Iraque, que ele vê de modo especialmente crítico. Asisi classifica New York 9/11 como seu quarto panorama antibélico.
Filme: Quanto vale?, Sara Colangelo
Depois ser apresentado no célebre Festival de Cinema de Sundance, Quanto vale?, estrelado por Stanley Tucci e Michael Keaton, estreou para o público em meados de 2021 na Netflix. Seu protagonista é o advogado Kenneth Feinberg, encarregado de formular em ação coletiva as exigências de indenização dos familiares das vítimas do atentado.
Como se mede o valor de uma vida? – é a questão no centro do filme dirigido Sara Colangelo, que também contempla criticamente as decisões políticas tomadas pelos Estados Unidos após os ataques terroristas. Com base nas recordações de parceiros, parentes e amigos, a diretora materializa um retrato das vítimas.
O resultado não é nem sentimental – como Lembranças (2010), com o ator Robert Pattinson – nem violento – como A hora mais escura (2012), de Kathrin Bigelow, acusado de glorificar a tortura. O roteiro não persegue pretensas trajetórias heroicas, nem se envolve em controvérsias sobre teorias de conspiração – como o recente documentário NYC Epicenters 9/11-202 1/2, dirigido para a HBO por Spike Lee.
Em vez disso, com Quanto vale? Sara Colangelo traça o retrato de seres humanos traumatizados e em luto, que não sonham com vingança, mas que seus entes queridos mortos sejam recordados.
Literatura: The force of nonviolence, Judith Butler
Também a literatura há muito aborda a temática do luto e do trauma em relação aos eventos de 11 de setembro do 2001.
Em 2005, o autor americano Jonathan Safran Foer criou um clássico moderno com Extremamente alto e incrivelmente perto, a história de um garoto de nove anos que vaga pelas ruas de Nova York à procura de respostas, depois de perder o pai nos atentados. Com recepção crítica mista, em 2012 o romance foi transformado em filme.
Em contrapartida, Frankenstein in Baghdad (2018), de Ahmed Saadawi, se desenrola na capital iraquiana ocupada pelos EUA e seus aliados. Um homem chamado Hadi, que na verdade só queria vender lixo, beber ouzo e dormir com prostitutas, um dia começa a recolher pedaços de corpos pelas ruas.
Seu desejo é que os restos mortais das vítimas dos atentados terroristas de Bagdá encontrem um último repouso. Assim, passa a unir, costurando, os diferentes fragmentos humanos, na esperança de um dia criar um cadáver que possa ser sepultado.
Também Judith Butler, uma das mais importantes pensadoras dos EUA, representante das teorias feminista e queer, se ocupa há 20 anos dos epocais atentados. Em reação ao 11 de Setembro, a professora de filosofia da Universidade de Berkeley passou a refletir sobre que vidas são consideradas dignas de luto em seu país, e quais não.
O resultado dessas reflexões só foi publicado em 2020: um apelo à igualdade social, The force of nonviolence (A força da não violência) urge a repensar seu modo de ser americano, de forma a evitar guerras e apreciar o valor de toda vida humana, quer ela se perca em Nova York ou em Cabul, e independente de cor da pele ou nacionalidade.
Vinte anos após os atos terroristas do 11 de Setembro, os Estados Unidos são um outro país. A arte e a cultura espelham essa mudança de autoimagem, de potência hegemônica invulnerável a um país que sequer sabe como nem por que prantear os mortos.
Christine Lehnen/Caminho político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos