PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

segunda-feira, 20 de setembro de 2021

OPERAÇÃO FLOR DO VALE: Advogado cita tortura psicológica, arbitrariedade e abuso de autoridade em investigação contra João Ruffo

O advogado Bruno Balata, que defende o empresário João Fernandes Zuffo, aponta que a Operação Flor do Vale, deflagrada na manhã desta sexta-feira (17), e que cumpriu mandado de busca e apreensão na sede da Zuffo Assessoria Contábil, em Rondonópolis, foi arbitrária e abusiva.
Bruno relata ainda que as irregularidades já vêm sendo cometidas desde o início da investigação, sendo que já chegou a juntar termo ao inquérito, apontando que uma testemunha relata a prática de tortura psicológica para se obter a “verdade real” e tão somente a partir desse fato, a autoridade policial teria chegado à conclusão de que o empresário Zuffo teve suposto envolvimento com o caso investigado.
João Zuffo é patrão do suposto investigado por ter matado o advogado João Aneídes Neto, no dia 18 de julho, em um rancho em Juscimeira, mas a investigação não conseguiu demonstrar o nexo de causalidade entre o empresário e o crime.
Desde o começo da investigação, o empresário se colocou à disposição da Polícia Civil para colaborar com o inquérito, contudo, sempre foi vítima de resistência por parte do delegado responsável pelo caso.
O advogado do empresário chegou a ir à Delegacia da Polícia Civil, em Juscimeira, para obter cópia da diligência, mas o delegado se negou a dar de imediato, fornecido o documento somente depois de três semanas. “O que caracteriza o delito descrito no artigo 32 da Nova Lei de Abuso de Autoridade", afirma Bruno.
“Além disso, consta apreendido na Delegacia de Polícia de Juscimeira - MT, veículo de propriedade do senhor João Zuffo, veículo no qual já foi submetido a perícia e não há nenhuma necessidade de ali permanecer. Porém, como as práticas abusivas não cessam, a autoridade policial, mesmo tendo um pedido de restituição formal em mãos, nega qualquer despacho ou a restituição”, ressalta o advogado.
Em nota divulgada à imprensa, Bruno aponta que "é inconcebível que após mais de 60 dias do fato trágico que levou a óbito o advogado no lago de Juscimeira, acreditar que uma diligência de busca e apreensão resolveria o caso em tela. Essa atitude somente serviu para manchar a imagem da pessoa que sempre se prontificou em ajudar a cooperar com as investigações e não tem participação nenhuma com o crime investigado”.
Na manhã desta sexta, um dos advogados do empresário João Zuffo foi impedido de acompanhar o mandado de busca e apreensão.
“Reforçamos que o empresário possui endereço físico há mais de 30 anos no município de Rondonópolis, tendo reputação conhecida e serviços filantrópicos prestados à comunidade, condecorado com inúmeros títulos e beneméritos de várias entidades. João construiu sua carreira sólida no Município de Rondonópolis - MT e não precisaria, em hipótese alguma, formar quadrilha para praticar roubos, tampouco contra seus próprios amigos e vizinhos de rancho”, diz o advogado na nota.
Assessoria/ZF PRESS/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos