PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

QUEIMADAS: Com apoio do REM MT, bombeiros reduzem 41% dos focos de calor em Mato Grosso

Mato Grosso registrou queda de 41% dos focos de calor em relação ao ano passado. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e foram sistematizados pelo Corpo de Bombeiros de Mato Grosso, por meio da diretoria operacional do Batalhão de Emergência Ambientais (BEA-MT). O relatório aponta que de janeiro a 7 de setembro de 2020, foram registrados 24.991 focos de calor. Já neste ano, no mesmo período, o Inpe detectou 14.738, o que representa a redução de 41%.
Nesse sentido, reduções significativas foram registradas nos três biomas que compõem a vegetação do estado. Na Amazônia, por exemplo, houve queda de 16,23%. Já no Cerrado, a redução foi de 26,48%. Mas, a diferença mais relevante se deu no Pantanal, que em 2020 foi o bioma mais afetado pelo fogo. Enquanto que no ano passado o Pantanal registrou 7.121 focos de calor, de 1° janeiro a 7 de setembro, neste ano, no mesmo período, houve o registro de 504 focos, uma diminuição drástica de 92,92%.
AÇÃO CONJUNTA
Esses números positivos, entretanto, são resultado de um trabalho em conjunto entre os bombeiros e o Programa REM Mato Grosso, que tem contribuído diretamente com a estruturação de órgãos estratégicos no combate às queimadas no estado.
Um desses órgãos é o BEA, que planeja as ações de prevenção e combate aos incêndios florestais em Mato Grosso. Neste ano, o REM contribuiu com a aquisição de computadores de última geração, que ajudam na detecção rápida dos focos de calor e com monitores de 55 polegadas, que formam o painel de monitoramento dos incêndios florestais. Esses equipamentos de alta tecnologia fazem parte da Sala de Situação do órgão.
De acordo com a tenente-coronel do Corpo de Bombeiros, Comandante Jusciery Marques, uma Sala de Situação bem equipada é fundamental para a realizar ações de fiscalização, no intuito de coibir os ilícitos ambientais pelo uso irregular do fogo.
“Podemos verificar com essa redução, que houve efetividade nas ações pensadas para este ano. E o REM MT contribuiu de maneira substancial para que essas ações fossem efetivadas, seja através da estruturação ou dos instrumentos de respostas, para que nós pudéssemos realizar o monitoramento dos focos de calor, mandar as equipes para pronto emprego e também ligar para os proprietários, para que eles não coloquem fogo em suas propriedades”, detalha a comandante.
O Programa também investiu cerca de R$ 4 milhões no plano macro do Governo do Estado, para combater o desmatamento e os incêndios florestais (temporada 2021). O recurso faz parte do valor global de R$ 73 milhões investidos pelo estado.
Sobre o REM MT
O Programa REM MT (do inglês, REDD para Pioneiros) é uma premiação ao Estado do Mato Grosso pelos resultados na redução do desmatamento por um período de 10 anos (2004 a 2014). A cooperação internacional dos governos do Reino Unido e da Alemanha doam recursos por meio do BEIS e do Banco de Desenvolvimento Alemão (KfW) para o Programa que aplica em ações de conservação da floresta a fim de reduzir emissões de CO2 no planeta. Para isso, beneficia diretamente iniciativas que contribuem para reduzir o desmatamento, estimular a agricultura de baixo carbono e apoiar povos indígenas e comunidades tradicionais.
É coordenado pelo Governo do Estado de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), e gerenciado financeiramente pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO).
Marcio Camilo/Caminho político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos