PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Governo cubano proíbe marcha da oposição

Grupos a favor de mais liberdade pediram para realizar protesto em 15 de novembro. Autoridades cubanas acusaram organizadores de serem apoiados pelos EUA e de tentarem derrubar o regime.O governo cubano rejeitou nesta terça-feira (12/10) um pedido de grupos de oposição para realizar uma marcha em 15 de novembro. As autoridades acusaram os organizadores de serem apoiados pelos Estados Unidos e de tentarem derrubar o regime.
O planejamento dos protestos é o mais recente sinal de descontentamento na ilha, que atravessa uma grande crise econômica, com alta inflação, cortes de energia e escassez de alimentos e medicamentos.
"Os promotores [do evento] e seus representantes públicos, alguns dos quais com vínculos com organizações subversivas ou agências financiadas pelo governo americano, têm a clara intenção de promover uma mudança no sistema político cubano", afirmou o governo em nota.
O grupo de oposição Archipiélago, que afirma ter cerca de 20 mil membros, planejou a manifestação "Marcha Pacífica pela Mudança" em apoio às liberdades civis na ilha, incluindo o direito de protesto pacífico e a anistia para oposicionistas presos. Na capital, Havana, estava prevista a participação de cerca de 5 mil pessoas.
A nova convocação para manifestações ocorre depois que protestos espontâneos sem precedentes contra o governo tomaram conta do país em 11 de julho, em cerca de 50 cidades.
Após os atos, houve repressão do governo – pelo menos uma pessoa morreu, dezenas ficaram feridas e mais de mil foram detidas, várias das quais ainda estão atrás das grades.
Na época, o presidente do conselho de Estado de Cuba, Miguel Díaz-Canel, acusou "mercenários pagos pelos Estados Unidos"de organizar os protestos.
Data remarcada
O grupo havia originalmente convocado o protesto para 20 de novembro, mas antecipou o ato em cinco dias, depois que o governo cubano convocou uma parada militar para a data.
No entanto, 15 de novembro também é o dia em que o governo planejou reabrir Cuba ao turismo, após dois anos em que o setor, fundamental para o país, ficou quase inoperante.
"As razões apresentadas para protestar não são consideradas legítimas", disse o governo em seu comunicado, acrescentando que a nova constituição adotada em 2019 afirma que o sistema socialista é "irrevogável".
Grupos debaterão se seguirão com ato
O diretor de cinema e organizador do protesto Yunior Garcia criticou as razões do governo para não permitir a manifestação.
"O que quer que o cubano faça, eles sempre dizem que a ideia veio de Washington. É como se não pensássemos, como se nós, cubanos, não tivéssemos cérebro", disse Garcia.
Segundo ele, os vários grupos de oposição vão agora discutir se devem desafiar a proibição do protesto.
"Qualquer cubano sensato quer a mudança, qualquer cubano sensato quer que em Cuba haja mais democracia, mais progresso, que haja mais liberdade, em todos os sentidos", disse García.
Em Cuba, os direitos de greve e manifestação não são contemplados fora das instituições do Estado, razão pela qual, se tivesse sido autorizada, a marcha de 15 de novembro teria estabelecido um precedente histórico.
le (efe, afp, ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos