PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

domingo, 31 de outubro de 2021

Mil dias de Brumadinho: deputados cobram justiça e homenageiam vítimas e bombeiros

Arthur Lira destaca que a Câmara aprovou mudanças na política nacional de segurança de barragens. Em sessão solene realizada pela Câmara dos Deputados nesta sexta-feira (29) para marcar os mil dias do rompimento da barragem de Brumadinho (MG), deputados prestaram solidariedade às vítimas e aos bombeiros que até hoje buscam pessoas que seguem desaparecidas e destacaram a atuação parlamentar na busca por justiça.
O rompimento da barragem da Vale, em 25 de janeiro de 2019, deixou 273 pessoas mortas e outras oito desaparecidas até hoje. Todos os parlamentares destacaram a atuação dos profissionais do Corpo de Bombeiros que seguem a busca das vítimas.
O deputado Igor Timo (Pode-MG) disse que a atuação dos bombeiros é um exemplo na semana em que se comemora o Dia do Servidor Público. “Essa busca de desaparecidos traz para a gente um sentimento muito nobre dessa função”, disse.
Igor Timo afirmou que os parlamentares têm trabalhado diuturnamente na busca de soluções. “Devemos continuar lembrando a todos as suas responsabilidades, principalmente quando estamos lutando por um bem imensurável como a vida. A busca do lucro da empresa não pode justificar a perda de tantos sonhos; essa fome sangrenta de ganhos não pode ser maior do que a preservação do ar, da fauna e da água”, disse. O deputado foi autor do pedido de criação da solene e presidiu a sessão.
Ações legislativas
Em discurso lido por Igor Timo, o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), afirmou que os mil dias marcam um momento de reflexão sobre o ocorrido e sobre a memória das vítimas. “As imagens estarrecedoras do rompimento da barragem de Brumadinho e do mar de lama que engoliu tudo em seu caminho estarão para sempre gravadas das nossas memórias”, disse.
Arthur Lira destacou que a Câmara acompanhou as investigações do acidente com uma comissão externa, aprovou mudanças na política nacional de segurança de barragens (Lei 14.066/20) e a criação de uma política nacional de direitos da população atingida por barragens (PL 2788/19), para evitar que as tragédias se repitam. Essa última proposta ainda depende de votação pelo Senado Federal.
Para o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), no entanto, os parlamentares precisam fazer um mea culpa por não terem aprovado mudanças em políticas de barragem logo após o desastre de Mariana, em 2015. “Talvez, se nós tivéssemos feito o dever de Casa, talvez nós teríamos evitado Brumadinho. Hoje nós estamos trabalhando para evitar que a gente tenha barragens liquefeitas em áreas de residência, como é o caso de Congonhas e Paracatu (ambas localizadas em Minas Gerais)”, disse.
Presidente da Comissão Externa do Desastre de Brumadinho, o deputado Zé Silva (Solidariedade-MG) afirmou que a Câmara cumpriu o seu papel. “Desde o primeiro momento nós pudemos mostrar para o Brasil esse bárbaro crime e tomar as medidas para que não aconteça o que aconteceu até hoje com Mariana – em que ninguém foi punido”, disse. O desafio, segundo ele, é permitir que a mineração seja revertida em qualidade de vida e desenvolvimento para a população.
O deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG) afirmou que é necessário impor às mineradoras uma distribuição maior dos lucros com a população local. “Nossa responsabilidade é de legislar em prol das vítimas e do meio ambiente”, disse. Ele lembrou que os acidentes são previsíveis e evitáveis.
Justiça
Júlio Delgado, que foi relator da Comissão Externa que investigou o acidente, defendeu ainda que as ações das vítimas de Brumadinho e de Mariana sejam julgadas pela Justiça de Minas Gerais. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou a denúncia produzida pelo Ministério Público de Minas Gerais e agora o caso corre na Justiça Federal.
“Depois da punição na Alemanha, nós vamos pedir a reabertura do processo em Minas Gerais”, disse, referindo-se a ação impetrada na justiça alemã contra a TÜV SÜD, empresa que atestou a segurança da barragem da Vale que se rompeu em Brumadinho. O deputado também cobrou mais empenho na política de proteção do meio ambiente para evitar novos desastres.
Impunidade
A presidente da Associação de Familiares de Vítimas, Alexandra Costa, afirmou que a retirada do processo da Justiça de Minas Gerais marca “mil dias de impunidade”. “Nós queremos que o processo vá a júri popular na justiça de Brumadinho”, disse.
Defensora Pública do estado de Minas Gerais, Adriana Patrícia Campos Pereira afirmou que o trabalho diligente da associação de vítimas terá resultado. “Na luta contra Davi e Golias, quem ganhou foi Davi, mesmo tendo menos força. Nós queremos que as respostas justas sejam dadas após Brumadinho”, disse.
Relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou o rompimento da Barragem, o deputado Rogério Correia (PT-MG) destacou que houve crime por parte da Vale do Rio Doce. “Eu não gosto de falar em acordo da Vale com o Ministério Público e o governo de Minas Gerais porque houve um crime. A CPI comprovou isso”, disse.
Assessoria/Caminho Político
Reportagem – Carol Siqueira
Edição – Roberto Seabra
Foto: Cleia Viana
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos