PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sexta-feira, 19 de novembro de 2021

França vai proibir venda de cães e gatos em lojas

País também aprova proibição gradual da presença de animais em circos e apresentações de golfinhos e orcas em aquários. "Animais não são brinquedos nem produtos de consumo", diz ministro.A França aprovou nesta quinta-feira (18/11) um projeto de lei de que proíbe a venda de filhotes de cães e gatos em pet shops e, progressivamente, a presença de animais selvagens em circos. Animais de estimação não são "nem brinquedos, nem mercadorias, nem produtos de consumo", disse o ministro da Agricultura, Julien Denormandie, classificando a lei como "um importante avanço" no combate ao abandono de animais.
A lei também estipula que quem deseja adotar um animal de estimação deve aguardar um período de uma semana de "reflexão" sobre a decisão, em uma tentativa de combater compras e adoções por impulso, que muitas vezes levam ao abandono dos animais.
Quase um em cada dois franceses tem um animal de estimação, mas cerca de 100 mil são abandonados a cada ano. A proposta aprovada pelo Legislativo francês torna as penas mais rígidas para maus-tratos, ou para casos de abandono.
Estimativas apontam que os franceses possuem mais de 9 milhões de cães, 15 e milhões de gatos e um milhão de equinos.
Multa de até 75 mil euros
Agora, o ato de matar voluntariamente um animal de estimação será considerado um crime, e não um simples delito. A nova lei aumentará a penalidade máxima por maus-tratos a animais para até cinco anos de prisão e uma multa de até 75 mil euros.
Os condenados por maus-tratos ainda deverão fazer um curso de conscientização.
A venda de filhotes em pet shops estará proibida a partir de 1º de janeiro de 2024. Eles não poderão mais ser expostos em vitrines, e a venda online por criadores será altamente regulamentada.
As lojas físicas, porém, poderão apresentar para adoção cães e gatos abandonados e acolhidos por associações, mas sem exibi-los como mercadorias em vitrines.
O principal obstáculo do texto, que vinha sendo discutido há um ano, era o futuro dos mil animais selvagens presentes em 120 circos itinerantes na França. Pela lei, os circos não poderão mais exibi-los, transportá-los ou possuí-los após sete anos da entrada em vigor da lei. Já a compra e criação de animais selvagens será banida em dois anos.
Aquários de golfinhos e orcas que usam animais para apresentações na França, por exemplo também não poderão mais possuir esses cetáceos em cinco anos.
A nova legislação também proíbe o uso de animais silvestres em programas de televisão, boates e festas particulares.
Elogios e críticas
O partido centrista de Macron, a República em Marcha (LREM), considerou a legislação "um passo histórico pelos direitos dos animais". Também a ex-atriz e ativista dos direitos dos animais Brigitte Bardot saudou a legislação como "um grande avanço".
Mas a lei também gerou críticas.
"Esta é uma lei arbitrária, já que não há abuso de animais nos nossos circos", disse William Kerwich, presidente do sindicato do setor, anunciando uma "mobilização" a partir de segunda-feira.
Para o Partido Animalista, ambientalistas e algumas siglas de esquerda, porém, a lei não vai longe o suficiente para lutar contra o abuso de animais como um todo.
O deputado Loic Dombreval, um dos autores do projeto, admitiu que o projeto deixou de fora outras questões polêmicas por enquanto.
"Haverá inevitavelmente um dia em que discutiremos questões delicadas como a caça, as touradas ou algumas práticas de criação de animais", disse o legislador, que também é veterinário.
Maioria contra animais selvagens em circos
Pesquisas mostram que a grande maioria dos franceses apoia a proibição de animais selvagens em circos. Dezenas de cidades e vilarejos em todo o país já proíbem a prática.
Vários incidentes na França nos últimos anos deram impulso à proibição, incluindo as mortes de um urso de circo chamado Mischa em 2019 que havia sido resgatado de treinadores de animais e de um tigre fugitivo em Paris em 2017.
A tigresa, chamada Mevy, escapou de seu recinto no Cirque Bormann-Moreno e começou a vagar pelas ruas da capital francesa antes de ser baleada por seu dono.
jps/lf (AFP, dpa, ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos