PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

Hospital Estadual Santa Casa

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Miriam Leitão: 'A democracia brasileira está sendo agredida, e o agressor é o presidente'

A escalada de autoritarismo do presidente Jair Bolsonaro não foi surpresa para grande parte da população brasileira, especialmente para a jornalista Miriam Leitão.
Um dos maiores nomes da análise política e econômica no país, a jornalista lança 'A Democracia na Armadilha - Crônicas do Desgoverno' (Editora Intrínseca), onde faz um passeio por meio de suas crônicas entre as principais atitudes antidemocráticas do comandante do país. O ponto de partida da obra é a fala de Bolsonaro, então deputado, na votação do impeachment da ex-presidente Dilma Roussef (PT) na Câmara. Na ocasião, ele exaltou a figura do coronel do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, condenado pela Justiça como torturador em 2008, chamando-o de "pavor de Dilma Rousseff".
Como é sabido, Usta torturou Dilma nas dependências do DOI-CODI, em São Paulo, por sua atuação em grupos políticos durante o período da Ditadura Militar.
"Naquele momento eu escrevo que ele [Bolsonaro] precisava ser cassado. E a segunda coluna já é a questão militar, em 2017 os movimentos militares já mostrando um comportamento diferente. Até o Hamilton Mourão, dando declarações golpistas e no governo Temer, não sendo punido por isso, e contando com apoio do [General] Villas-Boas [à época, Comandante do Exército]. E vou falando da campanha", conta, em entrevista ao PI.
O livro foca na ameaça a democracia representada pelo bolsonarismo, explica Miriam.
"Por isso que se chama 'Democracia na armadilha'. Mas eu falo de outras coisas do governo, dou um panorama dos ataques do governo à questão ambiental e climática", exemplifica.
"Ele nunca demonstrou apreço pela democracia, portanto faria um governo autoritário. No entanto, chegou lá e fez pior até do que muita gente poderia considerar. Eu sempre tive as piores expectativas, e isso se confirmou, e até se superou quando chegou a pandemia. Quando chegou a pandemia ele se mostrou um governante ainda pior do que antes", avalia Miriam, que conta sequer ter acreditado no projeto de economia proposto pelo presidente nas eleições de 2018.
"Desde o começo eu não acreditei no projeto liberal na economia e falei que não haveria, falei isso antes da posse, e tudo se confirmou agora."
"[O livro] Chama-se 'Democracia na Armadilha - Crônicas do Desgoverno' porque a armadilha é isso: um inimigo da democracia é eleito democraticamente, essa que é a contradição. Reconheço a eleição que o levou ao poder, mas desde o começo, ele não se comporta democraticamente", analisa.
"Tanto que, no discurso de posse, ele falou que há divisão mesmo na hora de somar. Essa é uma em que um presidente abre o leque para falar para todo país, e ele fez um discurso excludente. E daí em diante, fez coisas piores, como a conspiração aberta contra a democracia com os nossos recursos", lembra.
Miriam chama atenção para o que chama de "armadilha" em que o Brasil está colocado, do ponto de vista democrático. Para a jornalista, o fato de Bolsonaro utilizar a máquina pública em benefício próprio, não só em razão do cargo, deveria ser um alerta para brasileiros.
"Isso tem que ficar claro para o contribuinte brasileiro: ele usa o nosso dinheiro, o dinheiro que sustenta a presidência, que sustenta o presidente da república, que sustenta a comunicação do presidente da república, todos esses aparatos da presidência contra a democracia. Isso que é a armadilha na qual nos estamos. Estamos financiando um ataque ao que consideramos mais valioso no nosso pacto social", diz.
"Fizemos um pacto em 1988, com a Constituição, que era seguir respeitando os seus valores, a principal parte da democracia. A Constituição pode ser alterada, mas não pode ser traída.O que Bolsonaro faz é trair a constituição. (...) Estamos em uma armadilha. Como é que a gente faz quando um inimigo da democracia se instala no coração do poder?", questiona.
Ao contrário de muitos analistas que aceitam o argumento de que Bolsonaro "moderou" o tom com alguns recuos, Miriam é taxativa ao dizer que não acredita que o presidente seja menos autoritário quando volta atrás em alguma decisão. Ela traça um paralelo com um homem que agride mulheres: ele pode pedir desculpas, parecer moderado, mas em algum momento, voltará a ser agressivo com suas vítimas.
"A última coluna desse livro chama-se "A democracia morre no fim desse enredo". Estou deixando clara a minha posição de que não acredito em nenhuma moderação, e faço um paralelo entre Bolsonaro como agressor da democracia e agressores de mulheres. O agressor da mulher que vai praticar o feminicídio, bate, pede desculpas, recua, parece moderado, e um belo dia ele vem com uma arma e mata a mulher. O roteiro é o mesmo. Faço um paralelo entre esse agressor e falo que a democracia brasileira está sendo agredida, e o agressor é o próprio presidente da república."
Liberdade de imprensa e agressões contra repórteres mulheres
Nas colunas, Miriam também aborda as diversas agressões do presidente aos jornalistas no dia a dia da cobertura do Planalto.
"Ele fez agressões até a mim! Muito sórdida. Mas não trato da minha agressão, como não tratei na coluna. Mas da agressão a imprensa, de uma forma geral, como parte do mesmo arsenal: todo autoritário faz isso. Os autoritários seguem um manual, e atacam a imprensa. Tentam controlar, tirar credibilidade, e principalmente, escolhe alvos, pessoas físicas, para personalizar a campanha de descrédito. Hugo Chavez fez isso", conta.
Ela foi uma das vítimas dos comentários do presidente da República e de seus seguidores nas redes sociais, e conta como foi ocupar esse lugar onde outras mulheres de renome da comunicação infelizmente já estiveram.
"É terrível. Várias outras mulheres estiveram. É um dos lados da sua personalidade doentia, ele ataca particularmente as mulheres, ele tenta tirar credibilidade naquilo que a pessoa mais preza. Vivemos da nossa credibilidade", conta.
"Quando é o presidente que ataca, é um peso maior, ainda que você tenha todo tipo de crítica. No meu caso, ele estava usando uma entrevista coletiva à imprensa estrangeira quando ele falou mentiras sobre mim. E se você for entrar na Justiça contra ele, não dá, porque a presidência é blindada, não dá para ir adiante. Eu me senti muito mal, até porque, em seguida - e ele já fez isso com outras pessoas, a Constança [Rezende], a [Patrícia] Campos Mello - o gabinete do ódio inicia o ataque violento na rede social com mentiras".
Os seguidores do presidente afirmam que Miriam Leitão teria participado da luta armada, participando de um assalto a banco durante a Ditadura Militar. Ela explica, no entanto, que época, ela ainda morava em Caratinga, Minas Gerais, e tinha apenas 14 anos.
"O jogo é conhecido, mas quer alertar para isso: estamos passando pela pior pandemia da nossa história, uma dilacerante dor coletiva, e com um presidente que usa todo o aparato disponível contra nós e contra a democracia. E precisamos estar alertas, a gente precisa construir o futuro, resistir até o final contra essa onda autoritária e a essa ameaça antidemocrática que Bolsonaro representa e sempre representará."
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos