Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Mixto Esporte Clube

Mixto Esporte Clube
Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres.

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022

segunda-feira, 13 de dezembro de 2021

Área de soja convencional deve crescer na safra 2022/23 em Mato Grosso

Com mercado aquecido,
prêmios atrativos e impacto dos custos de produção, Instituto Soja Livre espera adesão dos produtores rurais. Os prêmios atrativos e a alta demanda por soja convencional no mercado europeu traz otimismo aos produtores rurais brasileiros. O Instituto Soja Livre, entidade que fomenta a produção de soja não-transgênica no Brasil, projeta área de 3% do total no Brasil e Mato Grosso deve plantar 60% do total, já que é estado maior produtor do grão convencional.
O produtor rural e diretor de Relações Internacionais do instituto, Endrigo Dalcin, disse, em live da revista A Granja, que este nicho de mercado está pagando prêmios remuneradores. “A Europa já começa a demandar um volume de soja convencional que não encontra no mercado. Com a pandemia, a Índia, nosso maior concorrente, deixou de exportar e abriu esta oportunidade para os agricultores brasileiros”, informou.
Ele reforçou que o papel do Instituto Soja Livre é chegar a um ponto de equilíbrio para que toda a cadeia da soja convencional seja adequadamente remunerada e possa existir planejamento. “Atualmente, há falta de produto porque durante três safras os prêmios foram desanimadores. Queremos que os compradores europeus definam contratos mais longos, de dois a cinco anos, para que todos os elos da cadeia possam se planejar, desde o sementeiro até as empresas de armazenagem e logística”, frisou Dalcin.
O diretor revelou que, atualmente, os prêmios chegam a até US$ 6 a saca e este é um valor interessante para o produtor rural. “Esse prêmio já foi de 10 ou 15 reais por saca o que desincentivou o plantio da soja convencional, mas hoje o mercado está demandador e o agricultor pode fazer parte da lavoura para a próxima safra”, disse.
Com a alta exponencial nos preços de insumos, o diretor avaliou como oportunidade de agricultores migrarem para a soja convencional. O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) já calculou que, apesar do custo de produção da soja convencional ser 4% maior, a rentabilidade chega a sete sacas por hectare frente à transgênica.
“Aqui em Mato Grosso temos utilizado tecnologias muito alta em fertilizantes, temos uma base boa que dá para trabalhar um ano com menos produto, sobreviver a esta elevação de custos e ver como será o mundo pós-pandemia, que atrapalhou toda cadeia”, ponderou.
Outro desafio, segundo o diretor do Instituto Soja Livre, é abrir novos mercados para a soja convencional. Ele explicou que a China está no radar dos agricultores brasileiros, mas há um entrave em relação à tolerância. “A soja convencional produzida no Brasil e exportada para a Europa tem um nível mínimo de contaminação por soja transgênica tolerada, que é de 0,1% - produzimos uma soja 99,9% livre de transgênicos. A China quer 100% convencional e isso, em um mercado que produz muito transgênico, é impraticável. Tem que haver uma tolerância na entrega e estamos tentando negociar isso com as autoridades”, explicou.
A soja convencional exportada para a China será utilizada para consumo humano porque, apesar do país produzir 13 milhões de toneladas, não é o suficiente para abastecer o mercado interno.
“Esse despertar pode ser revertido em pagamento de prêmios, pois já explicamos aos chineses que precisam pagar mais pela soja convencional, pois é mais difícil de produzir e tem todos os percalços de um nicho de mercado. E é soja totalmente rastreada, em cada etapa da produção é verificada se aquela carga de soja está dentro do padrão de soja convencional”, finaliza Dalcin.
Caminho Político com mais informações sobre o Instituto Soja Livre em www.sojalivre.com.br
Foto: Instituto Soja Livre
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos