Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Mixto Esporte Clube

Mixto Esporte Clube
Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres.

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022

segunda-feira, 20 de dezembro de 2021

Qual é o cálculo de Lula e Alckmin para uma chapa em 2022

Cresce a movimentação para que o ex-governador tucano seja vice do ex-presidente na campanha ao Planalto nas próximas eleições. A articulação para uma chapa na eleição de 2022 ao Palácio do Planalto liderada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, tendo
como vice o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, que acabou de sair do PSDB, deu um passo importante neste domingo (19/12) em um jantar que reuniu ambos e outros líderes partidários.
A costura para unir os dois ex-adversários veio à tona no início de novembro, e no domingo os dois conversaram em frente às câmeras e posaram para imagens se cumprimentando. Lula discursou e disse que os confrontos anteriores entre ele e Alckmin estavam no passado: "Não importa se no passado fomos adversários, se trocamos algumas botinadas, se no calor da hora dissemos o que não deveríamos ter dito. O tamanho do desafio que temos pela frente faz de cada um de nós um aliado de primeira hora."
Alckmin, por sua vez, afirmou que o processo "ainda está começando", mas que "é hora de grandeza política, é hora de união". O ex-governador deixou o PSDB na última quarta-feira, após 33 anos no partido, hoje controlado pelo governador paulista João Doria – que foi apadrinhado por Alckmin para se eleger prefeito da capital paulista, mas depois se virou contra ele, afastou tucanos históricos do partido e é o pré-candidato da legenda ao Planalto.
Alckmin ainda não se filiou a um novo partido. As negociações para a eventual chapa em que ele seria vice de Lula envolvem o PSB e o PSD e a definição de outras candidaturas, como a dos governos paulista e mineiro e ao Senado por São Paulo, e os espaços que seriam ocupados no governo em caso de vitória – conversas que devem avançar no próximo ano. Lula atualmente lidera as pesquisas com expressiva vantagem sobre o presidente Jair Bolsonaro
A DW Brasil conversou com dois cientistas políticos para explicar o que envolve essa possível união entre os ex-adversários.
O que Lula ganharia?
O cientista político Henrique Carlos de O. de Castro, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS) e coordenador da Pesquisa Mundial de Valores (World Values Survey) no Brasil, afirma que o maior interesse de Lula em ter Alckmin como vice é reduzir a rejeição ao seu nome em setores mais conservadores, da mesma forma como o petista fez em 2002 ao escolher como vice o empresário José Alencar.
"Uma das maiores dificuldades de uma candidatura de Lula à presidência é a resistência que ele tem, muitas vezes infundada, pela imagem de ser de esquerda e até de ser comunista. Ele está longe de ser um comunista e é de uma esquerda muito moderada, não representa o perigo que alguns setores constroem sobre seu nome – mas construir o medo do adversário é uma das formas mais primitivas e eficazes de fazer política", afirma.
"Ao se aproximar de um candidato conhecidamente conservador – o Alckmin sequer era das figuras mais avançadas do PSDB – ele quer 'limpar' a sua imagem. Eleitoralmente, Alckmin não traz em si muitos votos, mas sim uma possibilidade de aceitação em setores mais conservadores da sociedade brasileira, que são a grande maioria dos brasileiros", diz.
Castro afirma que Lula teria ainda que dobrar a resistência entre petistas ao nome de Alckmin, o que, segundo ele, não será difícil: "O seu eleitorado o tem quase como fãs, ele é uma liderança em certa medida caudilhesca e vai conseguir resolver o problema dessa resistência."
Lucio Rennó, professor do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB), também destaca a aderência que uma eventual chapa Lula-Alckmin teria em camadas mais conservadoras da população.
"O Alckmin agrega e consolida um apoio da centro-direita (...) Lula pode até perder algum apoio do eleitor mais à esquerda, mas o saldo é positivo. Nenhum desses eleitores à esquerda irá correr o risco de ver uma derrota do Lula para Bolsonaro ou [Sergio] Moro. Ele pode perder um pouco da convicção, vira um voto estratégico", diz.
O que Alckmin ganharia?
Enquanto Lula obteria a imagem de moderação para sua candidatura, Alckmin ganharia projeção e influência política se for eleito vice-presidente e poderia se gabaritar para novos mandatos eletivos, diz Castro.
"O que movimenta a política brasileira é eleição, e Alckmin ganha a possibilidade de ser candidato a vice-presidente numa chapa com condições de ser eleita. Ele pode vir a ser vice-presidente, e isso vai implicar em apoio político e recursos do governo federal para seu grupo político, e quem sabe alçar novos voos no futuro. Ele ganha visibilidade eleitoral e consegue fazer o que nunca conseguiu: chegar à presidência da República, mesmo como vice, e eventualmente assumir a presidência", diz.
Rennó afirma que, caso essa chapa se confirme e seja eleita, Alckmin poderia se credenciar a se tornar uma "liderança nacional". E, durante o eventual governo, ganharia poder na forma da ocupação de cargos, influência sobre políticas públicas e definição do Orçamento.
Como repercutiria na campanha de Bolsonaro?
Para Rennó, uma chapa Lula-Alckmin não teria potencial de atrair eleitores que já decidiram votar em Bolsonaro, mas pode trazer o apoio de líderes políticos importantes que ainda estão avaliando o cenário e podem sentir que vale a pena apostar num caminho de "centro mais moderado" e recusar o apoio à campanha de reeleição do presidente.
Já Castro afirma que uma eventual união entre Lula e Alckmin poderia ter reflexos no conteúdo da campanha bolsonarista e reforçar o discurso de raiva e de ódio. "Provavelmente o discurso de ódio terá que ser ampliado. Vão dizer que o fantasma do comunismo está se tornando mais forte e chegando a nomes que eram do PSDB. Vão tentar mostrar que o suposto comunismo do PT está tomando conta de toda a sociedade", diz.
Qual seria o impacto para os candidatos alternativos?
A eventual união entre o petista e o ex-tucano é um "mau sinal" para nomes que tentam se apresentar como alternativas a Lula e a Bolsonaro, como Moro (Podemos), Doria (PSDB) e Ciro Gomes (PDT), diz Rennó. "Reduz ainda mais o espaço que esse grupo tem, que já era pequeno. Eles já estavam obrigados a transitar num espaço restrito, e com uma chapa de centro-esquerda caminhando para a centro-direita, ficará ainda mais reduzido", afirma.
Como Alckmin na vice influenciaria um novo governo Lula?
Rennó, da UnB, afirma que a eventual vitória de uma chapa Lula-Alckmin daria ao grupo do ex-governador uma participação ativa no governo e na divisão de ministérios, mas cujo desenho só ficaria claro mais para frente.
Castro, da UFGRS, ressalta que o papel do ex-governador num eventual novo governo Lula dependeria dos acordos pré-eleitorais, do desempenho da chapa e da eventual adesão de setores conservadores, especialmente se houver segundo turno. "A correlação de forças é que vai dizer", afirma.
"Outra coisa que seria importante é a proatividade de Alckmin na articulação do eventual futuro governo. Alckmin trabalha mal como candidato em nível nacional, sua rejeição fora de São Paulo é impressionante, mas nos bastidores ele é um grande articulador", diz Castro.
Bruno Lupion/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos