Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Mixto Esporte Clube

Mixto Esporte Clube
Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres.

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

Vacinas protegem também quem já teve covid-19, diz Fiocruz

Efetividade contra
hospitalização e morte em caso de reinfecção fica entre 59% e 90%, dependendo do imunizante. Ciclo vacinal completo também previne casos sintomáticos em quem já teve a doença, aponta estudo preliminar. Um estudo divulgado nesta quarta-feira (29/12) por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) mostra que as vacinas contra covid-19 usadas no Brasil aumentam a proteção contra o coronavírus também em quem teve a doença previamente.
O trabalho foi publicado em formato preprint no site Medrxiv e ainda precisa ser revisado por outros cientistas. Os pesquisadores avaliaram 22.565 pessoas com mais de 18 anos que tiveram dois testes PCR positivos e 68 mil que tiveram teste positivo e depois negativo, entre fevereiro e novembro deste ano.
Segundo o artigo, a vacinação com as duas doses dos imunizantes da AstraZeneca, da Pfizer-BioNTech e com a Coronavac, ou com a dose única da Janssen, foi capaz de reduzir a ocorrência de reinfecções sintomáticas e casos graves da doença em quem já havia contraído a covid-19 anteriormente.
Em pessoas que já haviam contraído a covid-19, verificou-se a partir de 14 dias após o esquema vacinal completo, uma efetividade contra uma infecção sintomática de 37,5% para a Coronavac, 53,4% para AstraZeneca, 35,8% para Janssen e 63,7% para a Pfizer-BioNTech.
Já a efetividade contra hospitalização e morte, também após 14 dias da aplicação, é 82,2% com a Coronavac, 90,8% com a AstraZeneca, 87,7% com a Pfizer-BioNTech e 59,2% com a Janssen.
Ganho substancial contra as formas graves
O principal pesquisador responsável pelo estudo, Julio Croda, da Fiocruz Mato Grosso do Sul, explica que a análise contou com a base nacional de dados sobre notificação, hospitalização e vacinação e reforça a necessidade de completar o esquema vacinal mesmo em quem já teve covid-19.
"A importância de ser vacinado é a mensagem principal, e a necessidade de duas doses para maximizar a proteção", explica.
Ele ressalta que alguns países chegam a recomendar apenas uma dose para as pessoas que já tiveram a doença, justificando que elas já contam com um certo nível de anticorpos neutralizantes.
"Mas esse tipo de avaliação de efetividade na vida real mostra que há um ganho adicional com a segunda dose. É um ganho substancial contra as formas graves", acrescenta o pesquisador.
Vacinação no Brasil
Na terça-feira, o Ministério da Saúde informou que o Brasil já ultrapassou a marca de 320 milhões de doses de vacinas aplicadas contra a covid-19. Conforme os dados, 143 milhões de brasileiros, o equivalente a quase 68% da população, estão com ciclo vacinal completo. Além disso, 16 milhões já receberam a dose de reforço.
De acordo com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, com a vacinação foi possível reduzir em mais de 90% o número de óbitos e de casos de covid-19 no país, em comparação com o pico da pandemia, em abril deste ano.
Segundo Queiroga, o Brasil tem atualmente o menor número de óbitos por covid-19 desde abril de 2020.
le/lf (Agência Brasil, ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos