Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Mixto Esporte Clube

Mixto Esporte Clube
Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres.

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022

quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

Será necessária uma quarta dose da vacina contra covid-19?

A vacinação de reforço aumenta a proteção contra a ômicron. Mas por que ela diminui com o tempo? Teremos que receber reforços a cada três meses? Confira respostas para as perguntas mais frequentes sobre o booster.
Como funciona contra a ômicron a vacinação de reforço? Após a imunização básica - ou seja, duas doses ou, no caso da vacina da Janssen, uma -, a proteção contra a infecção pela variante ômicron do coronavírus diminui muito rapidamente, explica Sebastian Ulbert, especialista em vacinas do Instituto Fraunhofer de Terapia Celular e Imunologia, da Alemanha.
O reforço melhora significativamente essa proteção, pelo menos na primeira vez após a vacinação convencional, porque mais anticorpos são produzidos.
Segundo o virologista Christian Drosten, do Hospital Charité, de Berlim, dados de um estudo dinamarquês mostram que a terceira dose reduziu bastante o risco de infecção pela ômicron e fez a diferença no atual controle da disseminação.
Por outro lado, a imunização básica ainda é muito importante para proteger contra casos graves, diz Ulbert.
O imunologista Carsten Watzl chama atenção para um relatório da autoridade de saúde britânica UKHSA sobre a eficácia da vacinação contra um curso grave com a ômicron, que leva à hospitalização. De acordo com o estudo, a proteção até seis meses após a segunda dose é de cerca de 72%. Após o reforço, porém, sobre para até cerca de 88%.
Quanto tempo dura a proteção após o reforço?
Ainda não é possível afirmar com segurança quanto tempo a proteção durará em cada caso, frente à recente onda da variante ômicron, diz Ulbert. A vacinação de reforço expande o efeito protetor pelo menos consideravelmente e evoca uma resposta imune aumentada.
Por que a proteção do booster diminui com o tempo?
Mesmo após a vacinação de reforço, a proteção contra infecções diminuirá com o tempo.
"Os muitos anticorpos que você tem após o reforço são perdidos novamente ao longo do tempo. A razão para isso é que o sistema imunológico reage à vacinação como reage a uma infecção e, antes de tudo, produz muitos anticorpos", explica Watzl.
Em algum momento, no entanto, esses anticorpos não seriam mais necessários, de modo que o número seria significativamente reduzido. Isso aumenta o risco de ser infectado novamente.
O booster é necessário?
De acordo com Watzl, a proteção vacinal ainda é necessária porque o objetivo mais importante é conter a propagação do coronavírus, já que nem todos estão adequadamente protegidos contra eventos graves.
Olhando para o futuro, no entanto, o objetivo principal é proteger contra casos graves da doença – e isso está diminuindo muito mais lentamente.
Reforços regulares podem ser úteis para grupos de risco. No caso de pessoas mais jovens e saudáveis, no entanto, é concebível, no futuro, que as vacinações regulares de reforço não sejam mais necessárias, desde que o vírus não mude significativamente.
Israel já está aplicando a quarta dose em alguns grupos. Segundo dados, o segundo booster elevou novamente os anticorpos. Foi "bom, mas não suficiente", disse Gili Regev, chefe do estudo.
Logo após a quarta dose, o corpo voltou ao mesmo nível de anticorpos que logo após a terceira – e não é o objetivo vacinar todas as pessoas contra o coronavírus a cada quatro meses.
Para grupos de risco, como idosos, a quarta dose é o caminho certo por enquanto - para o resto da população é questionável.
Por que a vacinação protege menos contra a ômicron do que em relação a outras variantes?
As vacinas parecem proteger menos contra a ômicron do que contra outras variantes, como a delta. Isso é sugerido pelo registro cada vez maior de pessoas com vacinação básica, ou mesmo com o reforço, que contraem a variante.
"As vacinas foram desenvolvidas com base em uma sequência específica da proteína spike que está na superfície do vírus. Entretanto, existem variantes que alteraram a proteína spike em pontos cruciais", explica o especialista em vacinas Ulbert.
Como resultado, essa variante do vírus não é mais tão bem reconhecida pelo sistema imunológico. Além disso, com variantes mais contagiosas, menos vírus geralmente são necessários para uma infecção.
Como a vacina protege, em geral, contra a ômicron?
Quando se trata de eficácia da vacinação, deve ser feita uma distinção entre proteção contra infecção e proteção contra casos graves da doença, diz Watzl.
"A proteção pura contra a infecção com a ômicron sempre será abaixo do ideal com as vacinas atuais", disse. Mas ele destaca que "as vacinas ainda fazem o que deveriam: protegem contra cursos graves, e atualmente estamos vendo isso com a ômicron".
Uma análise apresentada recentemente pela autoridade de saúde britânica UKHSA indica que a vacinação de reforço dos idosos também oferece um alto nível de proteção contra casos severos da ômicron. Três meses após a terceira dose, a proteção contra hospitalização para pessoas com 65 anos ou mais é de cerca de 90%. Contra a infecção por coronavírus com sintomas leves, é de 30%, indicam estudos preliminares.
le (dpa, ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos