Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Baronês Cuiabá

Baronês Cuiabá
O cardápio mais nobre de Cuiabá.

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, Cuiabá, 78005-906

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

sábado, 26 de fevereiro de 2022

Militares russos avançam sobre Kiev por terra e ar

Forças russas chegaram a entrar na cidade e houve explosões e combates nas ruas. Militares da Ucrânia resistem, e Kremlin tenta controlar bases aéreas próximas da capital. Presidente recusa oferta para deixar o país. Militares russos apertaram o cerco a Kiev com ataques aéreos e entraram por terra na capital ucraniana neste sábado (26/02). Eles foram recebidos com resistência das forças armadas da Ucrânia e há centenas de feridos e mortos, no terceiro dia da invasão do país pela Rússia ordenada pelo presidente Vladimir Putin.
Ao longo da madrugada, explosões foram registradas por jornalistas e moradores em diversos pontos da capital. Há confrontos no leste, no oeste e no sul de Kiev, segundo múltiplos relatos. Ataques aéreos partiram um edifício residencial ao meio e destruíram pontes e escolas.A agência ucraniana de notícias Interfax afirmou que militares russos estavam tentando controlar uma das estações geradoras de energia de Kiev, que poderia ter o objetivo de cortar o fornecimento de luz à cidade. O acesso à internet na capital enfrenta grave instabilidade, segundo a organização NetBlocks.
Na manhã de sábado, autoridades públicas de Kiev informaram os moradores da cidade que há combates ocorrendo em ruas da capital contra militares russos, e pediu que os moradores permaneçam abrigados, evitem se aproximar de janelas ou varandas e tomem precauções para evitar serem atingidos por destroços ou tiros.
Na noite de sexta-feira, o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, alertou a população que a madrugada de sábado seria "muito difícil" e decisiva para o destino do país e publicou um vídeo em frente ao palácio presidencial para afastar rumores de que teria deixado a Ucrânia. Na manhã deste sábado, Zelenski publicou um novo vídeo, em frente à residência presidencial, e disse que seu país não irá se render. “Vamos proteger nosso país, porque nossa armas são a nossa verdade. A verdade é que esta é a nossa terra, nosso país, nossas crianças, e vamos protegê-los todos. Glória à Ucrânia”, afirmou.
Confrontos e explosões
As forças armadas da Ucrânia afirmaram ter repelido um ataque a uma base militar em Kiev, mas não foi possível confirmar a informação de forma independente.
Também há relatos do governo ucraniano de que militares russos tentaram controlar um trecho da Avenida Peremohy (Vitória), a principal da capital, e foram repelidos. Veículos destruídos e incêndios pontuais foram avistados no local, segundo a BBC.
Testemunhas divulgaram em redes sociais relatos de confrontos na estação de metrô Beresteiska, que fica nessa avenida.
A BBC reportou que houve uma grande explosão próxima à Praça Maidan, símbolo da onda de protestos pró-Europa ocorridos em 2013 e 2014 que derrubaram o então presidente Viktor Ianukovytch, aliado de Moscou. Também foram ouvidas várias explosões em Troieshchyna, onde fica uma usina termoelétrica.
Segundo o jornal Kyiv Independent, mais de 50 explosões e uso de artilharia pesada foram relatados na região do zoológico da capital e no bairro de Shuliavka.
Milhares de moradores de Kiev passaram a noite em abrigos antibomba e estações de metrô. A ONU estima que 100 mil ucranianos já deixaram o país após o início do conflito, e o exôdo poderia chegar a 4 milhões se o confronto escalar ainda mais.
Disputa por bases aéreas
Forças ucranianas relataram confrontos pesados próximos da base aérea de Vasylkiv, a cerca de 40 quilômetros ao sul de Kiev. O local é estratégico para a Rússia desembarcar paraquedistas.
Uma militar ucraniana relatou à mídia local que soldados ucranianos haviam sido mortos e que a Rússia havia conseguido que muitos de seus paraquedistas chegassem ao solo em segurança. "Temos muitas vítimas, muitos feridos – [cerca de] 200, infelizmente", disse a militar, Natalia Balasinovich.
As forças armadas da Ucrânia afirmaram terem derrubado na noite de sexta-feira um avião de transporte russo Ilyushin IL-76 com paraquedistas a bordo. O chefe militar do país, Valerii Zaluzhnyi, escreveu no Facebook que o avião caiu na região de Vasylkiv e disse que era uma vingança por um avião com paraquedistas ucranianos abatido no aeroporto de Lugansk em 2014.
Os aviões IL-76 são de grande porte e podem levar até 125 paraquedistas. Os militares russos não comentaram o incidente, confirmado por uma autoridade da inteligência dos Estados Unidos.
Neste sábado, um segundo IL-76 russo foi derrubado próximo a Bila Tserkva, a 85 quilômetros ao sul de Kiev, segundo duas autoridades de inteligência dos Estados Unidos.
A madrugada registrou combates em outras cidades, como Vasylkiv, a cerca de 30 quilômetros ao sul de Kiev, segundo a CNN. A emissora americana também reportou intenso combate na cidade de Kherson, no sul do país, pelo controle de uma ponte estratégica.
Houve também ataques aéreos na noite de sexta-feira próximos às cidades de Sumy e Poltava, no nordeste do país, e em Mariupol, ao sul. Segundo as forças armadas ucranianas, mísseis de cruzeiro Kalibr foram lançados contra o país a partir do Mar Negro.
Assessor de Zelenski ressalta resistência ucraniana
Mykhailo Podolyak, assessor de Zelenski, afirmou neste sábado que há muitos confrontos em Kiev e no sul do país, mas que os militares ucranianos estariam tendo sucesso em repelir os ataques russos.
Podolyak disse que pequenos grupos de forças russas se infiltraram em Kiev e entraram em confronto com militares ucranianos. Ele afirmou que Moscou deseja assumir o controle da capital e destruir a atual liderança do país, mas que os militares russos não obtiveram ganhos.
Segundo Podolyak, as forças russas estão priorizando o sul do país, onde há intensos combates nos portos de Mykolaiv, Odessa e Mariupol, mas não conseguiram obter vitórias significativas. "A Ucrânia não somente resistiu. A Ucrânia está vencendo", afirmou.
Já o Ministério da Defesa russo afirmou na manhã de sábado que seus militares haviam assumido o controle da cidade de Melitopol, que tem cerca de 150 mil habitantes e também fica no sul da Ucrânia. Seria a primeira cidade relevante a cair sob o domínio de Moscou desde o início da invasão, há três dias.
Possível reunião
Zelenski segue disposto para resistir e disse ter recusado uma oferta dos Estados Unidos para deixar o país. "A luta está aqui. Preciso de armas, não de uma carona", afirmou ele, segundo um oficial de inteligência dos Estados Unidos.
Representantes da Ucrânia e da Rússia deve entrar em contato nas próximas horas para discutir local e horário para uma reunião para tratar do confronto, afirmou Sergii Nykyforov, porta-voz do presidente ucraniano, Volodimir Zelenski.
O Kremlin havia sugerido uma reunião em Minsk, capital de Belarus, e o governo ucraniano sugeriu Varsóvia, capital da Polônia. A divergência provocou uma "pausa" nos contatos, afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.
"A Ucrânia estava e permanece pronta para conversar sobre um cessar-fogo e paz", disse Nykyforov em um post no Facebook.
O porta-voz do Departamento de Estado americano, Ned Price, afirmou que a oferta da Rússia por uma reunião era uma tentativa de realizar diplomacia "na mira de uma arma", e que as forças de Putin precisavam interromper o bombardeio da Ucrânia se a Moscou tivesse uma proposta séria sobre negociações.
A Otan enviou reforços para proteger as nações do Leste Europeu que integram a aliança militar.
bl (AP, AFP, Reuters, ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos