Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

segunda-feira, 7 de março de 2022

Poder Público beneficia a marginalidade

É intrigante observar como, muitas vezes, o poder público beneficia aqueles que não respeitam as leis e penalizam arbitrariamente aqueles que as cumprem.
Em todo o Brasil, é cada vez maior a quantidade de fraudes envolvendo a clonagem de veículos novos, e o Poder Público ainda “patina” na implementação de medidas para coibir a prática e assegurar os direitos do proprietário que teve o veículo clonado. É o caso do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT).
Uma concessionária de veículos pesados do nosso Estado, uma das empresas representadas pelo escritório Corrêa da Costa Advogados, busca junto à Justiça a responsabilização do órgão e, há mais de dois anos, o direito de emplacar um veículo original. Ocorre que, no atributo de suas atividades comerciais, a concessionária alienou um caminhão novo, “zero” quilômetro, procedido da emissão de sua respectiva nota fiscal. No entanto, após a formalização da compra, o cliente tentou realizar o emplacamento do veículo e não conseguiu, em virtude da informação de que “aquele” veículo já se encontrava emplacado em outro Estado, o que ensejou registro policial da ocorrência (BO).
Por orientação do Detran-MT, a concessionária solicitou junto à Polícia Oficial de Identificação Técnica (Politec) laudo pericial para atestar a regularidade do chassi do caminhão com as informações de nota fiscal. Ao final, a Politec concluiu que não há vestígios de adulteração de chassi e que o veículo apresentava gravações autênticas de fábrica. Resumindo, o caminhão da concessionária, como não poderia deixar de ser, estava legal, correto e, portanto, foi clonado.
Em uma busca feita junto aos sistemas de informações disponíveis, descobriu-se que o veículo “clone” foi registrado no Detran do Estado do Pará.
Mesmo diante da comprovação de que se trata de um veículo original, até hoje o seu emplacamento ainda não foi realizado, ficando o proprietário prejudicado por incompetência, burocracia e descaso da administração pública, devido a erro ou fraude no sistema de informações da Base de Índice Nacional (BIN), banco de dados oficial do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), onde estão inseridas as características e informações referentes aos veículos.
Toda essa demora na regularização da situação gera desvalorização do veículo, tendo em vista que o seu valor econômico é medido principalmente pela data de fabricação, além do risco de deterioração, uma vez que está impedido de circular normalmente e cumprir a função que se destina.
Enquanto isso, o veículo “dublê” ou “clone”, encontra-se emplacado e rodando pelas vias públicas do país. Este é o Brasil, o País de todos, inclusive de falsários, estelionatários e fraudadores, com a complacência do Poder Público!
O Estado de Mato Grosso precisa, com urgência, implementar medidas com o objetivo de evitar ocorrências como essa, que resultam em grandes prejuízos para os proprietários dos veículos clonados, seja em qual circunstância vier a ser, que não praticou crime algum, e mesmo ao comprovar por perícia técnica a regularidade de seu veículo, não logra êxito em emplacar e utilizar o mesmo veículo.
O Estado de Santa Catarina, por exemplo, foi um dos primeiros a aderir ao Renave 0 Km, uma nova funcionalidade do Registro Nacional de Veículos em Estoque (Renave), lançada pela Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran), do Ministério da Infraestrutura, que promete aumentar a segurança pelo menos na venda de veículos zero quilômetro no Brasil.
Enquanto isso, a batalha judicial continua em Mato Grosso e o caminhão, que custou quase R$ 500 mil e seria utilizado para finalidades comerciais (transporte de cargas em geral), permanece estacionado em uma garagem e perdendo valor dia após dia.
João Celestino Correa da Costa Neto é advogado e sócio de Corrêa da Costa Advogados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos