Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Seu título está na mão

Seu título está na mão
1º Título de Eleitor Decreto nº 3.029 - 9.1.1881

Assembleia Legislativa de Mato Grosso

Assembleia Legislativa de Mato Grosso
Seja bem-vindo ao perfil oficial da Assembleia Legislativa de Mato Grosso!

segunda-feira, 25 de abril de 2022

Macron derrota Le Pen e é reeleito presidente da França

Maioria do eleitorado francês freia a extrema direita e opta pelo centrista pró-europeu Macron, que se torna primeiro presidente do país a ser reeleito em 20 anos. O centrista Emmanuel Macron venceu neste domingo (24/04) a extremista de direita Marine Le Pen no segundo turno da
eleição presidencial francesa e vai comandar a segunda maior economia da União Europeia pelos próximos cinco anos. Macron é o primeiro presidente francês a conquistar a reeleição em 20 anos, quebrando um ciclo que se instalou em 2002.
Segundo os resultados finais, Macron venceu com cerca de 58,55% dos votos. Sua vitória traz alívio para a liderança da União Europeia, que via com a apreensão a possibilidade de uma vitória de uma candidata eurocética de extrema direita, especialmente num momento delicado para o bloco, que lida com a tensão da guerra na Ucrânia e também os efeitos econômicos da pandemia.
Marine Le Pen recebeu 41,45% dos votos. Apesar da derrota, esse foi o maior resultado já obtido por um candidato de extrema direita na história da França.
"A eleição mais importante da Europa", estampou em sua manchete o jornal alemão Bild em sua edição de domingo, exemplificando o que estava em jogo no país vizinho. A vitória de Macron também afastou a possibilidade de mais um terremoto político internacional provocado por uma votação inesperada, como a aprovação do Brexit no Reino Unido e a eleição de Donald Trump nos EUA, em 2016.
O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, expressou logo depois do resultado suas felicitações ao presidente francês por sua reeleição por mais cinco anos, nos quais será necessário, segundo ele, uma França "totalmente comprometida" com uma União Europeia "mais soberana e estratégica".
Para Macron, a reeleição tem outro aspecto inédito: é a primeira vez que um presidente francês é reconduzido ao cargo ao mesmo tempo em que mantém uma maioria no Parlamento. Seus dois únicos antecessores da 5ª República que venceram a Presidência duas vezes cada pelo voto direto – o social-democrata François Mitterrand e o conservador Jacques Chirac – foram reeleitos em momentos delicados, quando lidavam com parlamentos controlados pela oposição.
Mas, por outro lado, a vitória de Macron foi por uma margem mais magra do que em 2017, quando o segundo turno também envolveu uma disputa com a extremista de direita Marine Le Pen. Seus 17,1 pontos de vantagem em 2022 contrastaram com o resultado de cinco anos atrás, quando ele ficou à frente de Marine Le Pen por 32 pontos.
Numa perspectiva mais ampla, o resultado evidencia um crescimento constante da extrema direita e um enfraquecimento na formação de "frentes republicanas" para barrar candidatos radicais. Em 2002, Chirac derrotou no segundo turno o extremista Jean-Marie Le Pen, pai de Marine, por uma vantagem colossal de 64 pontos percentuais.
Cerca de 49 milhões de eleitores estavam habilitados a votar neste domingo. A participação eleitoral foi estimada em 72%, com 28% de abstenção, confirmando a apatia de parte do eleitorado, especialmente o jovem.
Foi a segunda maior taxa de não comparecimento da história de um segundo turno presidencial – ficando atrás apenas da segunda rodada de 1969, quando 31,15% não votaram. Havia o temor de que uma alta abstenção tornasse o resultado deste domingo imprevisível.
No primeiro turno de 2022, 26,31% optaram pela abstenção. Em 2017, no duelo precedente entre Macron e Le Pen, 25,44% dos eleitores não votaram no segundo turno.
Em seu primeiro discurso após a vitória, Macron prometeu "escutar o silêncio dos abstencionistas" e responder às razões da “cólera" daqueles que apoiaram sua rival, para tentar curar as feridas do país.
Como Macron derrotou Le Pen
Cinco anos atrás, tanto Macron quanto Le Pen sacudiram o mundo político ao chegarem ao segundo turno. Foi a primeira vez desde a fundação da 5ª República francesa, no final dos anos 1950, que a disputa ocorreu sem a presença de forças tradicionais da política do país: conservadores e socialistas.
Macron, um centrista que se apresentava como "nem de direita, nem de esquerda" havia fundado seu partido, A República em Marcha, apenas um ano antes do pleito de 2017. Marine Le Pen e seu grupo político, por sua vez, eram encarados como figuras marginais da cena política francesa.
O duelo se repetiu em 2022, mas Macron, com 44 anos, já não pôde se apresentar como uma novidade independente e renovadora. Como presidente, ele foi capaz de mostrar bons números na economia, mas também acumulou desgaste ao promover impopulares reformas pró-mercado e por posturas pessoais consideradas arrogantes. Ele ainda teve que lidar com momentos tensos, como os regulares protestos do movimento dos "coletes-amarelos" e greves constantes contra seus planos de reformar a Previdência.
O presidente chegou à campanha de 2022 com a reprovação superior a 55%. Ele ainda se manteve distante de eventos com eleitores, preferindo focar na mediação de uma solução para o conflito na Ucrânia. A estratégia de se portar como "estadista" até trouxe resultados eleitorais para o presidente, mas os ganhos logo se dissiparam conforme os efeitos econômicos da guerra começaram a ser sentidos. Macron, até então, pouco havia abordado aquela que viria a ser a preocupação número um dos franceses nesse pleito: o aumento do custo de vida.
Macron chegou ao fim do primeiro turno numa posição à primeira vista confortável. Foi o mais votado dos 12 candidatos na disputa, obtendo 27,85% dos votos -um resultado superior ao obtido na primeira rodada de 2017. Mas as pesquisas logo indicaram uma disputa acirrada com Marine Le Pen, com os dois candidatos chegando a aparecer empatados tecnicamente, em contraste com cinco anos antes, quando o atual presidente sempre contou com mais de 20 pontos de vantagem nos levantamentos.
Mas a campanha de Macron reagiu neste segundo turno. O presidente cedeu em alguns projetos de reforma impopulares, fazendo, por exemplo, um pequeno recuo nos planos de aumentar a idade de aposentadoria. Ainda tratou de focar em temas que sua campanha vinha ignorando, como meio ambiente e a perda do poder de compra, como forma de cultivar a classe trabalhadora e o eleitorado ecologista, tentando ainda se afastar da pecha de "presidente dos ricos".
O chefe de Estado também aumentou sua presença em eventos de campanha. Ele fez várias visitas a redutos de Le Pen e a áreas periféricas nas quais o independente de esquerda Jean-Luc Mélenchon (terceiro colocado na eleição) se saiu bem no primeiro turno.
Além disso, Macron se pintou como o único contraponto possível ao radicalismo de Le Pen, multiplicando críticas contra a rival e seu programa, tentando conscientizar os eleitores sobre os riscos de o país passar a ser governado pela extrema direita. Macron começou a subir especialmente quando começou a expor e destrinchar o programa da sua rival, apontando que, apesar da mudança de tom, os planos de Le Pen não haviam se afastado das velhas bandeiras radicais. "É um programa de saída da Europa, embora ela não o diga claramente", afirmou Macron antes do primeiro turno.
O ponto alto dessa última estratégia ocorreu no único debate do segundo turno, no qual Macron adotou uma postura combativa, deixando Le Pen na defensiva. No embate, ele ainda explorou os laços da rival com a Rússia, incluindo um empréstimo milionário que o RN obteve de um banco russo em 2014 e advertiu que a proposta de Le Pen de proibir o uso do véu islâmico em público provocaria uma "guerra civil". Todas as pesquisas apontaram que Macron se saiu melhor do que a rival no debate.
No final, Macron ainda se beneficiou de um sentimento de rejeição da extrema direita entre uma parte decisiva do eleitorado. Segundo pesquisa Ipsos divulgada pouco antes do segundo turno, 39% dos eleitores que pretendiam votar em Macron neste domingo tinham como principal motivação impedir uma vitória de Le Pen, e não necessariamente endossar o programa do presidente.
Derrota, mas resultado histórico para a extrema direita
Para Marine Le Pen, a derrota não chega a ser total. Em relação a 2017, cresceu oito pontos percentuais e chegou a ameaçar Macron nas pesquisas iniciais logo após o primeiro turno.
Com 41,45% dos votos, ela conseguiu ainda mais que dobrar o resultado do seu pai, Jean-Marie Le Pen, em 2002, quando a extrema direita passou pela primeira vez para o segundo turno. Em 1974, quando Jean-Marie lançou sua primeira candidatura presidencial, a extrema direita obteve apenas 0,75% dos votos no primeiro turno.
O resultado sinaliza que o programa de "desdiabolização" ou "normalização" imposto por ela ao Reagrupamento Nacional (RN), a sigla fundada originalmente por Jean-Marie como Frente Nacional (FN), conseguiu expandir sua base.
Com Le Pen no comando, o RN passou a cortejar eleitores de zonas que sofrem com a desindustrialização da França usando muitas vezes um discurso com bandeiras da esquerda, focando em temas como salários, pensões e a perda do poder de compra.
Nesta campanha, Marine Le Pen dobrou a aposta no discurso socioeconômico, deixando muitas vezes em segundo plano a velha agenda xenofóbica e anti-UE do seu grupo político, tentando criando uma forma mais acessível de populismo. Um segundo olhar no seu programa, no entanto, revelava que as velhas pautas de extrema direita continuavam lá, embora com vocabulário menos explícito. Em vez de defender um "Frexit", Le Pen passou a falar em "renegociar tratados". A saída da Otan havia virado "sair do comando unificado" da aliança, entre outros subterfúgios.
Ainda assim, o resultado mostrou que Le Pen conseguiu, efetivamente, num movimento que começou a ser ensaiado em 2017, normalizar o RN para uma parte ainda maior do eleitorado.
No entanto, o bom resultado em 2022 - para os padrões do RN - pode ser uma faca de dois gumes para Marine Le Pen. Por um lado, a mantém como uma protagonista potencial para o pleito de 2027 – ela tem apenas 54 anos de idade – e serve de argumento para insistir no curso de "normalização" do partido.
Por outro lado, uma terceira derrota consecutiva e a persistente falta de uma vitória concreta pode reforçar as críticas de alguns segmentos da extrema direita, que se mostram descontentes com a estratégia de suavização do discurso do RN e se sentem órfãos do estilo bombástico e abertamente xenófobo do velho Jean-Marie Le Pen.
Neste pleito, Marine Le Pen já teve que lidar com a candidatura independente do polemista radical Éric Zemmour, que emulou o antigo estilo de Jean-Marie e tentou tomar o lugar de Marine como principal nome da extrema direita. Zemmour acabou desidratando ao longo da campanha, mas os 7% dos votos que recebeu evidenciaram o ensaio de um racha promovido por setores da direita radical. Esse descontentamento está presente dentro do próprio clã Le Pen e foi explicitado com o endosso que Zemmour recebeu da jovem deputada Marion Maréchal Le Pen, sobrinha de Marine, e uma das estrelas da extrema direita francesa.
Ao conceder a derrota, Le Pen tentou agitar seus apoiadores com a escala da sua votação. "Nossa vontade de defender os franceses só foi reforçada (...) Nessa derrota, não posso deixar de ver uma esperança. (...) Eu prosseguirei com meu comprometimento com a França e os franceses."
Jean-Philip Struck/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos